Ásia/Oceania

Esses são os principais jogadores que foram para Arábia Saudita nessa janela

Árabes foram os principais players de um mercado de transferências que pela primeira vez não foi eurocêntrico em suas principais movimentações

A Arábia Saudita é velha conhecida dos clubes brasileiros com seus milhões em dinheiro do petróleo, mas se apresentou apenas nesta temporada para o futebol europeu. Tudo começou com a ida de Cristiano Ronaldo, no começo de 2023. O movimento foi estranho no momento e, recentemente, o craque português chamou atenção ao falar, num discurso no mínimo pretensioso, que sua ida abriu as portas para o resto do mundo desembarcar por lá.

Dentro dessas movimentações, muito dinheiro foi gasto e a pergunta que fica é: quem são todos os jogadores que foram para a Arábia Saudita desde que esse êxodo para lá começou? Falar de todos seria complicado, já que muitas transferências internas e de menor relevância acontecem. Mas Trivela separou as principais chegadas, pagas ou não, ao mundo saudita. Veja abaixo a lista, que será constantemente atualizada, e está em ordem de maiores quantias pagas:

Esses são os principais jogadores que foram para Arábia Saudita nessa janela:

Em junho, governo saudita “virou a chave” e assumiu clubes do país

O governo da Arábia Saudita resolveu agir de forma ainda mais evidente para fortalecer a liga de futebol profissional do país no começo de junho deste ano.

O ministro do esporte saudita anunciou que o Public Investment Fund (PIF), fundo de investimento controlado pelo governo do país do golfo, vai assumir o controle dos quatro maiores clubes do país: Al Ahli, Al Ittihad, Al Hilal e Al Nassr.

A ideia é fortalecer esses clubes e a liga como um todo, em mais uma tentativa de fazer manchetes e usar o futebol como soft power para ganhar força – incluindo aí os planos de sediar futuramente uma Copa do Mundo, em projeto de sportswashing muito maior.

O PIF irá controlar 75% dos clubes da Saudi Pro League, com outros 25% sendo de duas organizações sem fins lucrativos. As diretorias desses clubes serão formadas por sete membros, sendo cinco deles escolhidos pelo PIF e outros dois pelas organizações sem fins lucrativos.

O ministro do esporte afirma que as organizações serão cada uma “uma instituição que inclui os atuais membros da assembleia geral do clube e os novos membros, e dois membros serão nomeados por eles na diretoria do clube, sendo que um deles será o presidente da diretoria”.

O governo da Arábia Saudita anunciou planos nesta segunda-feira que são parte do projeto “Vision 2030”, que envolve, entre outras coisas, sediar a Copa do Mundo de 2030.

Como uma das candidaturas para 2030 é de Portugal, Espanha e Marrocos e o fundo de investimentos saudita fez um grande acordo para patrocinar a Superliga Africana, os sauditas já estudam serem candidatos apenas em 2034, com o apoio dos países africanos, e apoiar a candidatura que tem Marrocos para 2030. Isso, porém, não está definido. Os sauditas ainda podem decidir ser candidatos.

Governo estatizou quatro clubes da Arábia Saudita

O PIF, Fundo de Investimento Público, do governo saudita, passou a ser dono de 75% dos clubes, com outros 25% pertencentes a uma associação ligada ao clube.

Os clubes estatizados na Arábia Saudita:

  • Al Hilal
  • Al Ahli
  • Al Ittihad
  • Al Nassr

É justamente isso que está por trás dessa onda de dinheiro nos clubes sauditas, contratando diversos jogadores do futebol europeu e com a clara intenção de causar impacto com estrelas. Karim Benzema talvez tenha sido a maior delas, contratado pelo campeão saudita, Al Ittihad. O clube também tem Romarinho, destaque na última temporada, além de ter contratado N’Golo Kanté e o atacante Jota, que estava no Celtic (não confundir com o jogador do Liverpool, que segue por lá).

Foto de Leonardo Sacco

Leonardo Sacco

Formado em Jornalismo pela Cásper Líbero, fez categorias de base na TV Gazeta, Olheiros e Impedimento, se profissionalizou no Yahoo e desde junho de 2023 é coordenador de conteúdos da Trivela.
Botão Voltar ao topo