Ásia/Oceania

Fabinho vai para o Al Ittihad e deixa o Liverpool como um jogador histórico

Após ganhar tudo pelo Liverpool e se tornar uma lenda do clube, Fabinho, de 29 anos, é mais um na Arábia Saudita e será companheiro de Kanté, Benzema e Romarinho no Al Ittihad

Foram semanas de especulações até que a transferência fosse concretizada. O volante Fabinho, de 29 anos, foi anunciado como novo jogador do Al Ittihad e deixa o Liverpool, onde se tornou um jogador crucial e conquistou todos os títulos possíveis, além de ter ganhado um lugar no coração dos torcedores. A transferência rende £40 milhões (€46 milhões) aos cofres do Liverpool, que precisará buscar uma reposição.

Fabinho assinou contrato por três anos com o Al Ittihad, um dos quatro clubes que foram estatizados pelo governo saudita através do PIF (Public Investment Fund, ou Fundo de Investimento Público, em português). Além do Al Ittihad, Al Nassr, Al Ahli e Al Hilal também passaram ao controle do governo via PIF, que tem 75% das ações de cada um dos clubes.

Sua trajetória o coloca como um jogador marcante na história gloriosa dos Reds. Conquistou títulos, se tornou importante e deixa o Liverpool com 219 jogos, 11 gols e 10 assistências. Além disso, muitos títulos: são sete no total, incluindo todos os mais importantes. Se tornou um jogador que é uma referência em sua posição e que fará muita falta, especialmente pela sua característica que é única no elenco, de ser um bom marcador, bom cabeceador e bom construtor de jogo também.

Fabinho será companheiro de Kanté e Benzema

O Al Ittihad é o atual campeão saudita. O time teve como um dos grandes destaques o brasileiro Romarinho, ex-Corinthians, que é ídolo e um dos líderes do atual elenco. Em uma janela de muito dinheiro despejado no mercado, o campeão saudita ganhou manchetes com a contratação de Karim Benzema, do Real Madrid. O francês chegou sem custos, já que ficou sem contrato com o clube espanhol.

Depois dele, o time ainda contratou N’Golo Kanté, do Chelsea, outro que também estava ao final do seu contrato com o clube. Outro que chegou foi o português Jota, ex-Celtic, que, não por acaso, é empresariado por Jorge Mendes, mesmo agente do técnico do clube, o igualmente português Nuno Espírito Santo.

O número de contratações na Arábia Saudita tem sido alto, com muitos jogadores deixando a Europa para atuar no país do Oriente Médio após a injeção de dinheiro do governo. Nomes como Rúben Neves, Sergej Milinkovic-Savic e Kalidou Koulibaly (todos para o Al Hilal) são exemplos de alguns dos principais jogadores que foram para a liga do país.

Da base do Fluminense ao título europeu

Fabinho é natural de Campinas, no interior de São Paulo, e iniciou a carreira como lateral direito. Foi assim que surgiu na base do Fluminense e nessa posição foi vendido para o Real Madrid Castilla, time B do clube espanhol. Em 2013, foi vendido para o Monaco, onde despontou de vez para o futebol europeu.

Foi no Monaco, com o técnico Nuno Espírito Santo, que Fabinho foi transformado em volante. O lateral direito foi improvisado no meio-campo por suas qualidades técnicas e a sua boa altura – 1,88 metro. Tornou-se um dos melhores jogadores do clube e rapidamente estava sendo cogitado em diversos clubes na Europa.

Fabinho foi contratado pelo Liverpool em 2018, com o anúncio acontecendo no começo do ano, mas ele chegou apenas em julho daquele ano. Sua adaptação foi lenta: na primeira temporada, o técnico Jürgen Klopp colocou o brasileiro no time aos poucos, para ganhar espaço com calma.

Quando isso aconteceu, ele se tornou um jogador imprescindível e conseguiu conquistar todos os títulos possíveis pelos Reds. Foi campeão da Champions League, Premier League, Mundial de Clubes, Copa da Liga, Copa da Inglaterra e Supercopa da Inglaterra.

Antes, tinha sido campeão francês pelo Monaco, um feito que não pode ser subestimado porque aconteceu com o PSG já muito forte, na temporada 2016/17, inclusive interrompendo uma sequência de títulos dos parisienses.

Jogador da seleção brasileira desde 2015 e que foi à Copa 2022

Fabinho e Éder Militão, da seleção brasileira (Imago / OneFootball)

Fabinho foi convocado pela primeira vez para a seleção brasileira em junho de 2015, ainda pelo técnico Dunga – naquela época, na sua segunda passagem pelo cargo. O jogador tinha 21 anos naquela época. Chegou a jogar a Copa América em 2015 e 2016, mas em ambas não entrou em campo.

Com a chegada de Tite no meio do ciclo, em 2016, Fabinho acabou não sendo convocado para a Copa do Mundo de 2018. Não teve chances, mesmo com boas atuações pelo Monaco. Já atuando pelo Liverpool, o jogador passou a ser chamado para a Seleção e ganhou chances. Inicialmente, atuou como lateral direito, uma posição carente, mas depois ganhou mais espaço no meio-campo.

Não esteve no grupo que foi campeão da Copa América em 2019, mas continuou fazendo parte do elenco, jogando com frequência como substituto de Casemiro no meio-campo brasileiro. Suas boas atuações no Liverpool fizeram com que muitos pedissem que os dois atuassem juntos, Casemiro e Fabinho, mas a formação também era considerada muito defensiva.

Esteve na Copa América em 2021 e foi parte do grupo que foi à Copa do Mundo de 2022, como reserva. Atuou apenas no jogo contra Camarões, ainda na fase de grupos, quando Tite escalou um time inteiro de reservas.

Desde o fim da Copa, não foi mais chamado para atuar pela seleção brasileira — que ficou sem técnico definido nas duas janelas internacionais de jogos. Com a ida para a Arábia Saudita, a tendência é que não apareça mais nas convocações, mesmo ainda tendo uma boa idade para atuar no alto nível.

Saída de Fabinho abre um buraco enorme no Liverpool

Fabinho, do Liverpool (Foto: Clive Brunskill/Getty Images/One Football)

O Liverpool fez uma grande reformulação no meio-campo nesta temporada com as chegadas do argentino Alexis Mac Allister, que veio do Brighton, e Dominik Szoboszlai, que chegou do RB Leipzig. São dois reforços de peso, mas era esperado que houvesse uma transição, ainda com a presença da velha guarda do meio-campo, notadamente Fabinho e Henderson.

Com a saída de ambos para o futebol saudita, o meio-campo passará por uma reformulação profunda. Porque as saídas de Naby Keita e James Milner eram previstas, mas não as de Fabinho e Henderson não. As opções no setor diminuíram muito. Além de Mac Allister e Dominik Szoboszlai, estão no elenco Thiago, Harvey Elliott, Custis Jones e Stefan Bajcetic, todos com características bem diferentes entre si.

As movimentações fazem com que o Liverpool precise ir ao mercado buscar jogadores. O clube tenta a contratação do meio-campista Romeo Lavia, do Southampton, mas as negociações estão travadas. Certamente a equipe de recrutamento do Liverpool vai ter que correr, e muito, atrás de novos jogadores, especialmente alguém que possa fazer a função de meio-campista mais defensivo, que é o que mais falta entre os jogadores que continuam no clube.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo