Copa América 2024

Endrick é o artilheiro da era Dorival, mas sumiu da Seleção na Copa América

Entenda por que atacante não tem sido opção frequente do técnico pelo Brasil

Desde o já aposentado Filipe Luis em sua estreia como treinador, pelo Figueirense em 2003, Dorival Júnior construiu sua carreira até chegar à seleção brasileira em 2024 com o uso das categorias de base como marca registrada de seu trabalho.

Foi assim no Vasco com Philippe Coutinho, no Atlético-MG com Bernard improvisado de lateral-direito, no Santos de Neymar… Mas não tem sido assim com Endrick pelo Brasil na disputa da Copa América.

Artilheiro da Seleção na era Dorival, o garoto praticamente sumiu nos três jogos pelo Grupo D da competição. O atacante de 17 anos esteve em campo em um total de apenas 34 minutos até agora.

>Endrick na Copa América

Por que Endrick não ganha mais chances?

Dorival deu a justificativa para a pouca utilização de Endrick ainda antes do início da Copa América. Mesmo com o protagonismo recente, o treinador entende que o momento é de ter cautela com o atacante de 17 anos para evitar queimar etapas em seu processo de afirmação na Seleção.

— Temos de ter um pouco de cuidado com o Endrick. Sempre usei demais as categorias de base, sempre valorizei demais, e sempre tive muito cuidado. Ao mesmo tempo que possamos nos apressar em alguma situação, talvez não tenhamos uma volta e um erro pode ser fatal. Peço só um pouco de paciência a todos — Dorival Júnior.

O treinador adota tanto cuidado com Endrick, que o atacante não foi titular nem mesmo nos dois amistosos preparatórios para a Copa América. Ele iniciou no banco tanto no 3 a 2 sobre o México — em que marcou o gol da vitória — quanto no empate em 1 a 1 com os Estados Unidos.

A avaliação da comissão técnica para não utilizar o garoto nos jogos de preparação era de que Endrick não precisa de testes para comprovar sua capacidade de ajudar a seleção brasileira, apurou a Trivela. 

Artilheiros da era Dorival

  • Endrick — 3 gols
  • Rodrygo — 2 gols
  • Vini Jr — 2 gols
  • Lucas Paquetá — 2 gols
  • Savinho — 1 gol
  • Raphinha — 1 gol
  • Andreas — 1 gol
  • Martinelli — 1 gol

Também pudera. O atacante chegou à Copa América respaldado por duas atuações históricas na Data Fifa anterior, em março.

Antes de marcar diante do México, Endrick havia feito o gol da vitória por 1 a 0 do Brasil sobre a Inglaterra, em Wembley. Ele também deixou o dele no empate em 3 a 3 com a Espanhano Santiago Bernabéu.

Em outras palavras: mostrou que está pronto… Mas não a ponto de convencer Dorival.

Endrick vibra com gol marcado pela Seleção
Endrick ganhou apenas 34 minutos em campo na Copa América (Foto: IconSport)

Endrick não é primeira opção, nem mesmo em necessidade

Contra a Colômbia, Endrick entrou em campo aos 40 do segundo tempo, na última janela de substituições de Dorival. O atacante não foi a primeira opção para mudar a característica do setor, nem mesmo diante da necessidade marcar um gol para garantir a primeira colocação do Grupo D.

Antes de Endrick entrar, Dorival havia optado por Éderson e Savinho nas vagas de João Gomes e Rodrygo, aos 27 do segundo tempo. O técnico explicou a opção na entrevista coletiva após a partida.

— Nós estávamos perdendo o nosso meio-campo. Seria muito simples eu colocar mais um, mais dois atacantes. Eu abriria desnecessariamente ainda mais uma equipe que não estava compacta e que não encontrava os ajustes necessários para, primeiro, temos uma saída de bola consistente e, segundo, podemos diminuir um pouco mais em cima dos jogadores de criação da equipe adversária. Não vinha acontecendo isso — disse Dorival.

Somar poucos minutos em campo virou rotina para Endrick. Foi assim também no empate em 0 a 0 com a Costa Rica e na vitória por 4 a 1 sobre o Paraguai.

Endrick pode ser opção para vaga de Vini Jr. contra o Uruguai

Além da frustração e da revolta com a arbitragem no empate, o Brasil ainda perdeu Vini Jr. para as quartas de final. O atacante recebeu o segundo cartão amarelo na Copa América pela falta em James Rodríguez e está suspenso contra o Uruguai.

Endrick passa a ser alternativa remota para o ataque. Mas a tendência é de que Savinho ganhe a posição na esquerda.

O confronto das quartas de final

  • Uruguai x Brasil — sábado, 6 de julho, às 22h (horário de Brasília), em Las Vegas
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo