Copa América 2024

Dorival revela torcida e responde se Vini Jr deve ganhar Bola de Ouro

Técnico esconde escalação da Seleção para amistoso contra o México neste sábado (8)

Vinícius Júnior desembarcou nos Estados Unidos obstinado a ser o protagonista da seleção brasileira em busca de seu primeiro título em verde amarelo para confirmar de vez seu prêmio de Bola de Ouro na temporada 2023/24. Mas para o técnico Dorival Júnior isso nem é necessário.

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (7), o treinador foi direto, ao ser questionado sobre o camisa 7. Para Dorival, Vini Jr já é o melhor jogador do mundo e merece o prêmio independentemente do que ocorrer na competição.

E o treinador sustenta a sua argumentação. O comandante entende que Vini não precisa provar mais nada depois de comandar o Real Madrid nos títulos do Campeonato Espanhol e da a Champions League.

Mais decisivo do que fez no Campeonato Espanhol e torneio tão importante quanto o conquistado por último (Champions) não precisaríamos ter Copa América para mostrar o que já foi apresentado. Jogador que foi fantástico, tivemos naturalmente outros, mas por merecimento a tudo que ele fez não seria correto se não fosse apontado como o melhor da temporada. Vini fez por merecer e espero que se confirme”. (Dorival Júnior)

O treinador também confirmou que o atacante será preservado da equipe titular para o amistoso contra o México, neste sábado (8), às 22h (horário de Brasília), no Texas. O mesmo vale para Rodrygo. A partida será o primeiro teste da Seleção antes da Copa América.

Vini Jr deve receber merecido descanso em primeiro amistoso da Seleção (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

Dorival esconde time para teste contra o México

Dorival evitou confirmar a escalação para o jogo contra o México e limitou-se a confirmar apenas Alisson e Martinelli no time titular. Mas o treinador deve usar reservas contra os mexicanos e força máxima diante dos Estados Unidos, no segundo amistoso antes da Copa América.

— É uma escalação contra o México e logo após vamos sentir o que teremos, o que ficou de uma partida para outra. A intenção é aproveitar o máximo possível de jogadores nessas duas partidas, até pela avaliação clara para o que teremos ao longo da competição — afirma o treinador.

“Tivemos essa semana de trabalho, com alguns jogadores chegando no decorrer dela. Alguns cumprem semana de comemoração, em razão de conquista justa e que temos que enaltecer e, naturalmente, entendemos tudo isso. A seleção se reuniu, aceleramos processo que é muito importante para nós. Teremos segunda partida contra os EUA e depois mais um pequeno período para usar em treinamentos o máximo possível. Sinto que a equipe amadureceu muito em relação ao primeiro momento. Trabalhamos duas equipes no mesmo nível, mesmo padrão”. (Dorival Júnior)

Confira mais respostas de Dorival Júnior:

Lideranças da Seleção

— A função do capitão é muito mais decisiva no dia a dia, de repente o atleta não precisa ter braçadeira para se posicionar como capitão. Capitães não desenvolvem funções às vezes, outros sem essa braçadeira de repente fazem de maneira brilhante. Espero que não tenhamos só um atleta com esse perfil, mas outros mais dentro de um contexto. Quem for a campo designa-se como atleta especial, mas não encaramos assim. Eles sabem quem são os líderes, o tipo de liderança técnica, pela postura, pela imposição, pela dinâmica ou execução. O importante é que tenhamos vários para representar a função.

Possível suspensão de Paquetá na Inglaterra

— Eu tive conversas com ele a todo momento, não só agora. Me interesso pela história de cada um, pelos problemas, tentando ajudá-los de todas as formas. Não só ele, como todos. Foi uma decisão de todos nós. O presidente comanda uma entidade, fez todas as condições possíveis e imaginárias. Federação Inglesa, clube e nenhum sinal negativo ao aproveitamento como atleta, mesmo se os campeonatos estivessem em andamento. Está trabalhando, se preparando e dentro do merecimento terá oportunidade pela capacidade que possui ou não.

Período curto de preparação no ciclo

— O principal é encontrar equilíbrio, um padrão para nos balizar daqui para frente. É tudo que nós queremos. Esse período vai mostrar muito de tudo isso. Etapa importante de equipe que foi montada há pouco tempo, mas apresenta processo de evolução interessante. Confio no trabalho, no que foi feito entre convocação e outra e nos jogos. É um trabalho marcante para todos nós e que nas tomadas de decisão sejamos assertivos em convocações e montagem de equipe. Estamos com mais um desafio. Fazer com que todos se sintam responsáveis pelo momento que vivemos, participando de todo o processo e contribuindo com vivência e capacidade. Esses jogadores terão papel muito importante.

Os amistosos do Brasil antes da Copa América

O Brasil enfrenta o México em amistoso no dia 8 de junho, no Texas, e depois retorna à Flórida para mais um compromisso, no dia 12, contra os Estados Unidos. O período de preparação em Orlando vai até o dia 20 de junho, quando a Seleção embarca rumo a Los Angeles para a estreia na Copa América.

Quando o Brasil estreia na Copa América?

O Brasil faz a sua estreia no Grupo D da Copa América em 24 de junho, contra a Costa Rica, no SoFi Stadium, em Inglewood, na Califórnia. Depois, a Seleção enfrenta o Paraguai no dia 28, no Allegiant Stadium, em Las Vegas, e encerra a participação na chave contra a Colômbia, em 2 de julho, no Levi’s Stadium, em Santa Clara.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo