Copa América 2024

O que faz um chefe de delegação na seleção brasileira? Casares ocupará o cargo na Copa América

Assim como Leila Pereira, presidente do São Paulo assumiu o cargo e já está junto ao grupo nos Estados Unidos

Na última quinta-feira (20), Julio Casares, presidente do São Paulo, assumiu o cargo de chefe de delegação da Seleção Brasileira na Copa América 2024, cuja estreia nos Estados Unidos está marcada para a próxima segunda-feira (24).

Durante o jantar da Amarelinha na chegada a Los Angeles, o dirigente foi apresentado a todos os jogadores e membros da comissão técnica por Rodrigo Caetano, coordenador executivo geral do Brasil.

– É um grupo maravilhoso, muito competente. Estou aqui como chefe da delegação, mas também como entusiasta de uma geração vencedora, de garotos que vieram da base, venceram no futebol brasileiro, fora do futebol brasileiro. Portanto, estou feliz para contribuir. Estou aqui para para ser mais uma para trabalhar pela conquista da Copa América -, disse o novo chefe de delegação da Seleção.

Como mandatário do Tricolor, Julio Casares já trabalhou diretamente com o zagueiro Lucas Beraldo e o técnico Dorival Júnior durante a conquista da Copa do Brasil em 2023. Titular do São Paulo, o goleiro Rafael também está nos EUA.

Antes de Casares, Leila Pereira foi a chefe de delegação da Amarelinha nos amistosos de março contra Inglaterra e Espanha. Mas afinal de contas, para que serve esse cargo? Isso é o que a Trivela vai te responder.

Qual será o trabalho de Julio Casares como chefe de delegação do Brasil?

Basicamente, o trabalho de um chefe de delegação da Seleção Brasileira na Copa América será acompanhar o dia a dia do grupo e representar a CBF em eventuais encontros com dirigentes de outras federações.

Em 2023, quem costumava ocupar esse cargo na Amarelinha era o próprio presidente da entidade, Ednaldo Rodrigues. O mandatário, aliás, era o único dirigente dos escalões mais altos presente nas viagens para representar a instituição.

Foi assim durante as três convocações de Fernando Diniz na Seleção. Com o novo treinador, a CBF decidiu reviver a tradição de convidar dirigentes de clubes e de federações estaduais para ocupar o cargo.

Quem antecedeu o presidente do São Paulo na função dentro da Amarelinha foi Leila, que também representou um marco. A mandatária do Palmeiras foi a primeira mulher na história a chefiar uma delegação do Brasil masculino – e o timing de sua passagem pela seleção não poderia ser o mais adequado.

Leila Pereira caiu nas graças da Seleção Brasileira

Quando foi nomeada como chefe de delegação da Amarelinha, Leila Pereira reconheceu o movimento como inovador, destacando a importância das mulheres no futebol brasileiro.

Em pouco tempo, a presidente do Palmeiras caiu nas graças da Seleção Brasileira. Em um discurso acertado e sereno, Leila se disse orgulhosa com os atletas e comissão técnica pelo bom início de trabalho de Dorival Jr.

Mais do que isso, a presidente do Palmeiras mostrou sua relevância ao se posicionar sobre as prisões de Robinho e Daniel Alves por estupro, por exemplo.

Como chefe de delegação do Brasil – que até então não atraía tanta atenção da mídia -, Leila Pereira foi a voz da CBF em casos tão importantes de serem discutidos.

Agora, Julio Casares é quem terá a missão de ser o representante da CBF na Copa América.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Jornalista formado pela Unesp, com passagens por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia. Na Trivela, é redator de futebol nacional e internacional.
Botão Voltar ao topo