Brasileirão Série A

Comendo quietinho, João Marcelo vai bem e agrada em reta final do Cruzeiro

João Marcelo, zagueiro que defendia o time B do Porto, teve poucas oportunidades desde que chegou ao Cruzeiro, mas quando entrou, não decepcionou

O zagueiro João Marcelo Messias Ferreira, de apenas 23 anos de idade, é natural da capital do Rio de Janeiro, mas sua passagem pelo Cruzeiro o tem deixado com jeito de mineiro. O defensor de 1,89m demorou a receber oportunidades, mas ele foi comendo quieto, pelas beiradas, e quando elas chegaram, ele abraçou e agradou aos torcedores que passaram a se perguntar: por que ele não jogou antes?

João Marcelo foi anunciado pelo Cruzeiro no último dia 1 de agosto, vindo do Porto ‘B’, segundo plantel do tradicional clube português, que atua na segunda divisão do país. Apesar de atuar numa liga secundária, o zagueiro era titular da equipe e se destacava, tanto defensiva, quanto ofensivamente. O jogador foi o defensor central que mais marcou gols pelos Dragões, somando as equipes A e B do clube português na última temporada europeia. Foram sete bolas na rede.

Ele foi contratado por empréstimo até o fim de junho de 2024. O contrato do jogador tem uma cláusula de opção de compra de parte dos seus direitos por 1,5 milhão de euros (cerca de R$ 8 milhões na cotação atual).

Apesar de chegar ao clube com muita expectativa, João Marcelo recebeu pouquíssimas oportunidades, sendo preterido pela dupla titular Luciano Castán e Neris, além de Lucas Oliveira, em outros momentos. Sua estreia com a camisa estrelada aconteceu somente no dia 27 de agosto, na derrota contra o Grêmio, quando entrou no intervalo para substituir Neris, que havia sido amarelado na partida. O jogo foi o último do português Pepa comandando o Cruzeiro. O treinador não resistiu a pesada derrota por 3 a 0, que deu continuidade a sequência ruim de resultados do time.

Quando o camisa 43 entrou em campo, o time celeste já perdia por 1 a 0, mas poderia ser mais. Com ele na defesa, o time celeste levou mais dois gols, mas não se pode dizer que ele teve culpa exclusiva no passeio sofrido na Arena do Grêmio.

Após a rápida participação, João Marcelo ficou encostado e só voltou a atuar quase três meses depois, já com Paulo Autuori comandando interinamente o Cruzeiro. Zé Ricardo, que esteve no clube entre Pepa e Autuori, jamais mandou o defensor a campo.

João Marcelo atuou com um capacete de proteção por ter cortado a cabeça na partida contra o Goiás
João Marcelo atuou contra o Palmeiras com um capacete de proteção por ter cortado a cabeça na partida contra o Goiás – Foto: Staff Images/Cruzeiro

Por que João Marcelo não recebeu oportunidades no Cruzeiro?

Esta é uma pergunta difícil de responder sem ouvir os treinadores do clube e o próprio defensor. E ela se tornou ainda mais curiosa desde que ele começou a receber oportunidades e atuar bem. Um motivo plausível pode ser o desempenho defensivo do Cruzeiro, que apesar de deixar a desejar individualmente em alguns momentos — o time celeste sofreu gols por falhas individuais dos zagueiros — sempre se manteve estável coletivamente, resultando na melhor defesa do Campeonato Brasileiro, com 32 gols sofridos em 32 jogos, junto do Atlético-MG.

Com o time entregando bons números no setor, talvez os treinadores não tivessem encontrado justificativas para mudar. Mas, quem viu o jogador atuando nas quatro partidas em que teve oportunidade com Paulo Autuori, com certeza ficou com uma pulga atrás da orelha.

Chances aparecem

No último dia 18 de novembro, o Cruzeiro fazia uma partida importantíssima contra o Fortaleza. O time celeste tinha dois jogos a menos e estava na zona de rebaixamento. Se vencesse, saía. O jogo estava difícil e aos 35 minutos do segundo tempo, Bruno Rodrigues abriu o placar para a Raposa. Precisando do resultado, Juan Pablo Vojvoda, treinador do Leão do Pici, encheu o time de atacantes e Autuori viu que precisava de alguém para reforçar a zaga. Com boa estatura, João Marcelo foi o escolhido. Ele entrou em campo aos 41 do segundo tempo e foi bem, ganhando praticamente todas as disputas tentadas, fazendo diversos cortes e mostrando qualidade e inteligência com a bola dominada.

Na rodada seguinte, contra o Vasco, o zagueiro não entrou em campo, o Cruzeiro sofreu com a bola aérea vascaína e Autuori foi questionado sobre o porquê não colocá-lo. Opção.

Contra o Goiás, no jogo em sequência, Neris se lesionou aos 33 do segundo tempo e João Marcelo voltou a campo. Foi bem mais uma vez. Na partida seguinte, contra o Athletico-PR, não saiu do banco. Mas na penúltima rodada, contra o Botafogo, ele foi chamado para entrar no lugar do volante Lucas Silva, aos 34 da segunda etapa. E sim, ele jogou como volante. E muito bem.

Na rodada final, a principal chance de João Marcelo com a camisa do Cruzeiro. Neris foi liberado do jogo contra o virtual campeão Palmeiras por questões familiares e o camisa 43 “furou a fila”, que tinha Lucas Oliveira, e foi escolhido como o titular. O zagueiro jogou toda a partida e agradou, fazendo com que os torcedores fizessem coro por mais chances na próxima temporada.

Números do jogador

Em campo, João Marcelo nem pareceu um zagueiro de apenas 23 anos. Calmo, inteligente e com recursos técnicas, o defensor fez bom jogo, aliando suas habilidades com bastante força física, velocidade, bom jogo aéreo e noção na cobertura. Com ele em campo, o Cruzeiro não sofreu gols de Fortaleza, Goiás e Botafogo. Não teve culpa no gol do Palmeiras, que saiu após falha de Lucas Silva. Confira os números do zagueiro:

  • Jogos: 5
  • Minutos (por jogo): 34
  • Precisão no passe: 92% (20,6 por jogo)
  • Bolas longas: 60% (1,2 por jogo)
  • Interceptações (por jogo): 0,8
  • Bolas recuperadas (por jogo): 3,2
  • Cortes (por jogo): 1,8
  • Erros que levaram ao chute: 0
  • Erros que resultaram em gol: 0
  • Disputas de bola vencidas (por jogo): 2 (67%)
  • Duelos no chão ganhos (por jogo): 1,4 (88%)
  • Duelos aéreos ganhos (por jogo): 0,6 (43%)
  • Perda da posse de bola (por jogo): 1,8
  • Faltas (por jogo): 0,2
  • Faltas sofridas (por jogo): 0,4
  • Cartões recebidos: 0

Carreira de João Marcelo

João Marcelo começou sua carreira nas categorias de base do Boa Vista (RJ) e teve passagem pela base do Grêmio antes de chegar ao Tombense. No clube mineiro, o defensor chegou a atuar no Campeonato Mineiro de 2020 antes de ser emprestado ao Porto, no meio daquele ano.

Em Portugal, o jogador atuou pelo Porto B cedido pela equipe mineira por dois anos, até ser comprado definitivamente por 500 mil euros (R$ 2,6 milhões na cotação atual) no meio de 2022.

No Porto, João Marcelo enfrentava a concorrência dos zagueiros Pepe, Marcano, Fábio Cardoso e David Carmo, sendo a quinta opção do time principal. Ele treinava com o elenco principal dos Dragões, mas atuava pelo time B.

Durante seus anos de Portugal, João Marcelo entrou em campo pelo time principal do Porto somente em duas ocasiões, contra o Rio Ave, pela Taça da Liga, e o Benfica, pela Taça de Portugal.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo