Europa

Vini Jr tem chance? Os favoritos a vencer a Bola de Ouro nesta temporada

Kane, Mbappé e Bellingham despontaram para Bola de Ouro desde o início da temporada, mas Vini Jr buscou o trio

As premiações individuais carregam muita história no futebol e costumam mudar o patamar de jogadores, divididos entre quem foi considerado melhor do mundo ou não. Apesar da importância do The Best da Fifa, a Bola de Ouro é o sonho de consumo de todo atleta por ser a mais tradicional, mantida desde 1956. Na época, apenas europeus podiam participar. A partir de 1995, jogadores que nasceram em outros continentes passaram a concorrer.

A história da premiação da revista France Football nesta temporada será mais do que especial. É a primeira depois da dinastia capitaneada por Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, que, desa vez, não despontam entre os favoritos ou ao menos indicados. O argentino, inclusive, venceu a última e chegou a oito Bolas de Ouro, de longe o maior vencedor, com três a mais que o eterno rival português.

Para 2023/24, inicialmente, um trio parece à frente na disputa entre os melhores: Kylian Mbappé, Harry Kane e Jude Bellingham. No entanto, Vinicius Júnior corre por fora, com participações decisivas na Champions League.  Na última semana, o brasileiro empatou com o colega inglês na artilharia do Real Madrid.

Importante citar o quanto a Champions irá pesar na premiação. Por exemplo, se o Bayern de Munique for campeão, Kane será o principal nome, como aconteceria com Mbappé e Paris Saint-Germain e Bellingham/Vini e Real Madrid. Caso o Borussia Dortmund conquiste a Europa, ficará um tanto imprevisível e, aí, a Eurocopa e a Copa América, disputadas no meio do ano, deverão ganhar ainda mais relevância para os jornalistas que elegem o melhor do mundo pela France Football.

Confira nesta lista da Trivela os 10 melhores jogadores nesta temporada e os respectivos números. Os nomes não estão, necessariamente, em ordem de favoritismo a Bola de Ouro, mas divididos entre dois grupos – os francos favoritos ao prêmio, e aqueles que, apesar de bom nível, não devem vencer, mas podem aparecer no top-10.

Os quatro favoritos a vencer a Bola de Ouro em 2023/24

Mbappé

Em sua provável última temporada pelo PSG – deve jogar pelo Real Madrid em 24/25, Mbappé não deixa dúvidas que está focado no clube francês e é um dos grandes favoritos a ser o melhor do mundo ao término da temporada. A média de gols do ponta esquerda que também atua como centroavante é de quase um por jogo, atualmente com 43 tentos em 45 partidas por todo 23/24. É impressionante o impacto do camisa sete, muito participativo na criação das jogadas do PSG e flutuando por todos os setores do campo. Por isso, soma também 10 assistências.

Apesar de artilheiro (26) e campeão da Ligue 1, o maior destaque para o craque francês fica por liderar a artilharia na Champions, com oito empatado com Kane.

Vale citar Mbappé vem de partidas apagadas recentemente pela competição europeia, especialmente na derrota pela ida da semifinal frente ao Borussia, quando pouco tocou na bola e o máximo que fez foi uma finalização na trave. Decisivo nas duas partidas com a Real Sociedad nas oitavas, Mbappé foi discreto no jogo de ida contra o Barcelona, mas ainda desequilibrou com dois gols que deram a classificação na volta. Hoje, talvez o francês seja o maior favorito para a Bola de Ouro.

Harry Kane

Comprado por quase 100 milhões de euros no início da temporada, Kane mostra valer cada centavo investido. Em uma péssima temporada do Bayern, sem título da Bundesliga e da Copa da Alemanha, o centroavante cravou simplesmente 43 gols em 43 jogos. Foram 35 apenas no Campeonato Alemão, um recorde para um estreante, e apenas seis a menos que o maior artilheiro de uma só edição, Robert Lewandowski, que marcou 41 em 2020/21. Até por isso, o inglês praticamente já garantiu a Chuteira de Ouro desta temporada, premiação que considera apenas as ligas nacionais. Mais do que um camisa nove, ele manteve a importância fora da área, como fazia no Tottenham, e já soma 11 assistências.

Se conquistada, a Champions será a primeira taça do jogador de 30 anos, com um sabor especial porque a final será em Wembley. E ele está mais empenhado que nunca na busca pelo título. São oito gols marcados, sendo metade no mata-mata, e três assistências. Caso termine sem títulos, Kane deve cair na avaliação dos eleitores da France Football, e talvez termine até atrás de outros nomes que, individualmente, não foram melhores que ele.

Jude Bellingham

Ao assistirmos os seis primeiros meses de Bellingham com a camisa do Real Madrid a impressão era que ele nasceu para defender o gigante espanhol. Impacto imediato, adaptação praticamente automática e gols atrás de gols, mesmo sendo um meia atrás da dupla de ataque brasileira Vini Jr e Rodrygo. Com a saída de Karim Benzema, Carlo Ancelotti montou um esquema que favorecia que o inglês pisasse na área para marcar. Por isso, entre agosto e dezembro, foram 17 gols e cinco assistências.

O recorte do meio de temporada foi feito porque o camisa 5 teve uma clara queda de rendimento, assumida por ele e pelo técnico italiano. Desde que virou o ano, Bellingham marcou quatro gols e distribuiu cinco assistências. Há alguns motivos por trás disso, como uma entorse no tornozelo que o tirou de cinco partidas entre fevereiro e março, além de uma nova tática de Ancelotti. O time agora tem Rodrygo à esquerda e Vini por dentro, ambos em ótima forma, enquanto o meia inglês está com dificuldades para encontrar espaço próximo dos brasileiros.

No mata-mata da Champions, o máximo que fez foi uma assistência para Vini na volta contra o RB Leipzig. No restante, fez partidas discretas (ou ruins) frente a Manchester City e Bayern de Munique. Para que seja melhor do mundo, precisa entregar mais nesse término de temporada, especialmente na competição europeia, já que o título de La Liga está garantido.

Vinícius Júnior

Ostentar três gols e duas assistências no mesmo mata-mata de Champions não é para qualquer um. ‘Decisivo’ é a palavra que o define nesta reta final da temporada, quando colocou a bola embaixo do braço e aproveitou a má fase de Bellingham para liderar o Real tecnicamente. Frente ao City, deixou os colegas prontos para marcar duas vezes no eletrizante 3 a 3. Na volta, no Etihad, deu o passe para Rodrygo abrir o placar – que não contou como assistência porque Ederson defendeu o primeiro chute do Rayo. Na semifinal com o Bayern, o Real só não saiu com derrota na Allianz Arena, pois a cria do Flamengo fez um movimento perfeito (após um passe também perfeito de Kroos) para marcar na saída de Neuer e criou a jogada do pênalti que ele mesmo converteu.

Vini Jr só não está absolutamente entre os três melhores da temporada pelos seis meses iniciais de 23/24. Ele sofreu com duas lesões que desfalcaram o time de Ancelotti por 12 jogos, totalizando mais de dois meses, primeiro entre agosto e setembro, depois de novembro até o início de 2024. Essa ausência tem sido compensada agora, chegando a liderança de gols (21) e assistências (10) no elenco, os mesmos números de Bellingham.

Vinicius Júnior e Bellingham fazem temporada absurda no Real Madrid (Foto: Icon Sport)

Quem faz ótima temporada, mas não será o melhor do mundo

Rodri

O volante do Manchester City talvez seja um voto “cult” para melhor do mundo, mas ele merece estar nas primeiras colocação, como na temporada passada. O time de Pep Guardiola só perdeu três vezes na temporada, justamente quando Rodri estava suspenso por cartão vermelho. Inclusive, o espanhol sustenta impressionante sequência invicta pelo clube: a última vez que perdeu foi em fevereiro do ano passado, para o Tottenham, e desde lá acumula 70 jogos vencendo ou empatando.

Além de ser um primeiro homem de meio-campo essencial no momento defensivo por sua capacidade de desarme e cobrir espaços, também agrega muito no jogo ofensivo. Seja pelos lançamentos para as pontas ou os chutes de longe, Rodri é tão (ou mais importante) que Erling Haaland e Kevin De Bruyne nesta temporada. Até aqui, ele tem oito gols e 11 assistências em 45 partidas.

Griezmann

Vencedor improvável da Bola de Ouro, Antoine Griezmann poderia ser um candidato se o Atlético de Madrid fizesse uma temporada mais competitiva. A equipe nem chegou a lutar pelo título de La Liga, além de cair nas semifinais da Supercopa da Espanha e da Copa do Rei. Na Champions, favoritos contra o Dortmund, os espanhóis sucumbiram a pressão na Alemanha. Apesar de tudo isso, quem nunca deixou de desempenhar foi o atacante (ou meio-campista?).

Desfilando técnica, voltando para armar o time e também aparecendo na área para concluir, ele soma impressionante 21 gols e oito assistências em 44 jogos. Mais do que uma peça ofensiva, o francês é extremamente dedicado no momento sem bola, algo inegociável ao time de Diego Simeone. Vale citar que nesta temporada ele se tornou o maior artilheiro da história do Atlético, com 174, superando o histórico Luis Aragonés.

Palmer

Bastou sair de um time que jogava pouco e ser o titular absoluto em outro, que Cole Palmer mostrou, aos 21 anos, ser uma das principais promessas da geração. Em um Chelsea desarrumado e irregular, o garoto se tornou artilheiro da Premier League, com 20 gols (empatado com Haaland), além de nove assistências. Em campo, jogou de ponta direita ou meia, e mostrou a mesma qualidade com dribles curtos, velocidade, passes precisos e finalização apurada.

Quem sabe quando os Blues estiverem arrumados e prontos para competir por títulos, o inglês, que ganhou o apelido “Cold Palmer” por sua frieza, seja um dos candidatos a ser melhor do mundo.

Foden

Se no meio do City quem resolve é Rodri, o protagonismo no ataque está com Phil Foden, aproveitando os períodos lesionados de Haaland e De Bruyne. Parte da rotação do elenco nas últimas temporadas, o inglês virou de vez o titular com a saída de Riyad Mahrez e tem demonstrado um nível muito alto, jogando aberto ou por dentro.

Por todo 23/24, são 24 gols e 10 assistências, de longe a melhor temporada desde que subiu para o profissional dos Citizens. Até por isso, acabou de ser eleito o melhor jogador do futebol inglês pela Associação de Cronistas de Futebol da Inglaterra.

https://x.com/DoentesPFutebol/status/1783600903158673850

Saka

A geração inglesa é forte e não é à toa esta lista ter quatro nomes vindo de lá. Bukayo Saka, outro ponta pela direita como Foden e Palmer, é mais um que faz temporada mágica na Europa. O jogador do Arsenal, cada vez mais decisivo e participativo, marcou 15 vezes só na Premier League, também dando outras nove assistências. Ao lado de Martin Odegaard, é a cara do líder do Campeonato Inglês após 35 rodadas.

Wirtz

Não ter qualquer jogador do único time invicto nas cinco grandes ligas seria uma injustiça tremenda. E se for para ter um cara do Bayer Leverkusen, tem que ser o talentoso Florian Wirtz. Campeão da Bundesliga e favorito a levar a Copa da Alemanha e a Liga Europa, a equipe contou com o jovem meia alemão em ótima forma, mesmo após passar 2022 quase inteiro com uma grave lesão no joelho. Os números individuais dele em 23/24 são incríveis: 18 gols e 19 assistências em 45 partidas, média de quase uma participação por jogo.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo