Brasil

‘Mata-mata é outro campeonato’ precisa ser o lema do Atlético-MG nas semifinais contra o América-MG

Depois de uma primeira fase bem longo do esperado, resta ao Atlético encarar as semifinais do Mineiro como um outro campeonato

O Atlético-MG inicia neste sábado (9), às 16h30, contra o América-MG, a disputa das semifinais do Campeonato Mineiro. O Galo chega nessa disputa com desvantagem por não ter feito uma boa primeira fase, que passou longe de ser como o esperado, tanto em resultados quanto em desempenho. Diante esse cenário, o Galo precisa colocar em prática um dos lemas mais tradicionais do futebol: “Mata-mata é outro campeonato”.

A frase acima é usada em praticamente todos os campeonatos que tem fases por pontos corridos e depois eliminatórias. Isso porque, na disputa dos pontos corridos, você consegue se recuperar mesmo se tropeçar em um, dois ou três jogos (a depender do torneio). Já no mata-mata, um dia ruim pode ser fatal. Por isso a mentalidade costuma ser diferente.

Com toda certeza o mata-mata é outro campeonato. São dois jogos e muda a adrenalina, a concentração, são jogos importantes onde temos que minimizar muito mais os erros. É um jogo diferente – Everson.

No caso do Atlético no Campeonato Mineiro, são várias as mudanças que precisam acontecer. O Galo iniciou o torneio como franco-favorito, mas terminou a primeira fase como o pior entre os classificados, algo que não estava no planejamento: “O nosso objetivo era ficar com uma das melhores campanhas, para ter vantagem, e não conseguimos”, afirmou o goleiro Everson

Por conta dos resultados longe do esperado na primeira fase, o Atlético entra nas semifinais em desvantagem contra o América, que pode avançar a final com dois resultados iguais – dois empates ou vitória e derrota pelo mesmo placar. E apesar do Coelho ser um freguês histórico do Galo, tendo conseguido apenas duas vitórias nos últimos 30 jogos entre eles, o retrospecto recente ainda é favorável ao time americano. Diante isso, o Galo precisa vencer esse primeiro jogo para transferir a vantagem para si, e isso só parece possível com uma mudança de mentalidade.

Atlético ainda não fez um bom jogo

Nos oito jogos da primeira fase do Mineiro, o Atlético não fez nenhum que realmente foi bom, que encantou o torcedor ou que, pelo menos, demonstrou evolução. As partidas variaram entre péssimas, como a contra o Cruzeiro, e ‘ok’, como contra Democrata-GV e Ipatinga.

Esse “novo campeonato” que o mata-mata gera, que exige mais concentração, foco, dedicação e futebol dos jogadores, pode ser a chance de ligar a chave para a temporada com boas exibições e uma classificação para a final. O torcedor atleticano anceia por um jogo em que ele vai conseguir se empolgar com o time, algo que não aconteceu ainda em 2024.

– Não só eu, como as outras lideranças, sabemos que precisamos melhorar e estamos buscando isso para chegar em uma final no máximo da nossa excelência. Apesar da gente ter mantido o elenco, a gente sabe que estadual o jogador não está na melhor forma física, e isso influência. Início de temporada sempre tem testes, mudanças de metodologia e esquemas táticos. Temos que nos adaptar o mais rápido possível e, com o decorrer dos jogos, os jogadores vão estar em sua plenitude, não só física como tecnicamente — disse Everson.

Oportunidade de amenizar relação da torcida com Felipão?

Felipão sempre dividiu a torcida do Atlético desde que chegou, mas, nas últimas semanas, as opiniões sobre ele têm sido quase que unanimidades. O treinador se envolveu em dois episódios em que xingou torcedores do Galo, um fora e outro dentro do estádio, e não fez questão nenhuma de colocar panos quentes, pelo contrário, falou coisas que pesaram ainda mais contra ele.

No jogo contra esse mesmo América na primeira fase, a torcida o xingou em peso. Ele também foi vaiado no anúncio das escalações no último duelo do Galo na Arena MRV. Agora, volta ao estádio atleticano ainda sob muita pressão, e uma boa atuação somada a um resultado positivo pode, pelo menos, amenizar a situação – apesar dela parecer hoje quase irreversível. O treinador busca sua primeira vitória em clássicos no comando do Alvinegro.

Atlético terá time (quase) completo

Para o duelo deste sábado, Felipão só não terá à disposição o argentino Matías Zaracho, que está em transição após lesão sofrida no início da temporada. Por outro lado, o treinador contra os retornos de Mauricio Lemos, Igor Rabello e Mariano. Além disso, ele pode, se quiser, já relacionar o colombiano Brahian Palacios, anunciado nesta quinta-feira (7).

Esse clássico pode ser de importante para a dupla de ataque do Atlético. Hulk chegará ao 100° gol pelo clube caso deixe sua marca, enquanto Paulinho busca balançar as redes pela primeira vez na temporada.

O provável time do Atlético tem: Everson; Saravia (Mariano), Jemerson, Bruno Fuchs (Mauricio Lemos) e Guilherme Arana; Battaglia, Igor Gomes, Gustavo Scarpa e Alisson; Paulinho e Hulk.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo