Brasil

Ansiedade e novo posicionamento: Paulinho, artilheiro em 2023, ainda não marcou pelo Atlético-MG em 2024

Artilheiro em 2023, Paulinho ainda não balançou as redes em 2024, e há algumas razões que podem explicar isso

Artilheiro do Atlético-MG e do Campeonato Brasileiro em 2023, tendo marcado 31 gols na temporada, o atacante Paulinho ainda não balançou as redes em 2024. São sete jogos em que ele jogou praticamente todos os minutos e ainda não conseguiu balançar as redes, e não foi por falta de oportunidades. Então, o que aconteceu com o artilheiro atleticano neste ano? A Trivela tenta explicar.

Em 2023, Paulinho viveu um ano muito acima da média. Seus 31 gols na temporada o tornaram não só artilheiro do Atlético – sendo o primeiro a superar Hulk no clube –, como também do Brasileiro e ainda o levaram para a Seleção Brasileira. Com isso, era esperado que em 2024 ele repetisse o feito, mas não é o que está acontecendo neste início de temporada.

Paulinho é um dos poucos jogadores do elenco do Atlético que jogou todos os jogos e praticamente todos os minutos – não jogou dois minutos do empate contra o Tombense. E ele teve algumas chances bem claras de marcar: No clássico contra o Cruzeiro, saiu cara a cara com Rafael Cabral, mas parou em grande defesa do goleiro. Contra o Tombense, recebeu sozinho na área e bateu de primeira para fora. Já contra o Itabirito, perdeu chance ao tentar encobrir o goleiro e, no último sábado, contra o América, perdeu nova chance de frente para o goleiro.

Após o jogo contra o América então, Felipão saiu em defesa do atacante: “Temos que ser inteligentes, saber que a bola que no ano passado entrou com o Paulinho, não está entrando. Vamos dar a ele essa credibilidade. Ele fez por merecer”.

Diante desse cenário em que a bola de Paulinho não quer entrar, a Trivela trás três razões que podem explicar o motivo do artilheiro atleticano estar passando por essa seca que, pelo clube, é a maior desde que chegou.

Paulinho mais longe do gol (e de Hulk)

Quando Felipão chegou em 2023, ele tentou mudar a formação do Atlético que era utilizada por Coudet, com dois atacantes (Paulinho e Hulk), passando-a para três. No entanto, por ser uma mudança “brusca” no meio da temporada, ela não funcionou e o treinador teve que voltar a utilizar apenas uma dupla de ataque na maior parte dos jogos. Foi assim que eles se tornaram a melhor dupla do Brasil, somando 61 gols ao todo.

Em 2024 então, com a pré-temporada, Felipão tenta mais uma vez implementar essa formação. Paulinho tem jogador mais aberto, como ponta, em boa parte do jogo. Apesar da liberdade para movimentar, é facilmente perceptível que ele tem estado cada mais na lateral do campo, consequentemente mais longe do gol e de Hulk, o que pode explicar ele ainda não ter feito uma grande atuação e balançado as redes na temporada.

Há quatro jogos, depois do duelo contra o Athletic, ele chegou a comentar sobre esse novo posicionamento em campo: “Felipão dá muita liberdade para eu me movimentar. Claro que às vezes, ficando muito na ponta, fico longe do gol. Vou tentar ao máximo me aproximar do Hulk, flutuar por dentro, para poder finalizar em gol e assim sair os gols”.

No último jogo, contra o América, ficou mais uma vez claro a formação com três atacantes que Felipão colocou em campo, com Alisson de um lado e Paulinho do outro, além de Hulk centralizado. Por mais que Alisson tenha se encaixado muito bem no time, o afastamento da dupla já consolidada afeta o time. Não à toa, o lance em o camisa 10 perde o gol neste jogo saiu justamente quando ele estava mais pelo meio e se aproximou de Hulk, que foi quem deu o passe.

Ansiedade e falta de confiança

Outra questão que pode explicar o baixo rendimento de Paulinho nesse início de ano é a ansiedade, causada (também) pela falta de confiança. Como terminou 2023 artilheiro, o camisa 10 iniciou a temporada “pressionado” para fazer algo parecido ou ainda melhor em 2024, o que pode ter contribuído para ele fique mais ansioso na hora de finalizar e balançar as redes.

E essa ansiedade na hora de finalizar faz com que ele acabe desperdiçando chances que antes ele concluía com tranquilidade, e não converter essas chances faz ele ficar sem confiança, que faz ele ter mais ansiedade. Ou seja, é como uma bola de neve. Para acabar com isso, a única solução para ser realmente acabar com essa seca, fazendo ele (a cada gol) recuperar confiança e ficar menos ansioso para marcar.

– Acho que a ansiedade maior não é de ninguém do clube, a não ser do Paulinho que, por alguma razão, a bola não está entrando. Mas ele tem todo o meu apoio — disse Felipão também após o jogo contra o América.

O normal de Paulinho

Um início não muito animador de temporada é algo comum para Paulinho. No próprio Atlético em 2023, ele marcou apenas dois gols no Mineiro e só engatou de vez a partir do segundo trimestre, tendo seu “auge” do meio para o fim da temporada. Então, apesar da expectativa de que ele marque muitos gols, é normal na sua carreira até aqui que ele comece mais devagar e depois se volte.

Fora isso, analisando toda a carreira de Paulinho, é importante ressaltar que ele nunca foi um grande goleador, nem mesmo na base. O 2023 dele foi totalmente fora da curva, tanto que os 31 gols que marcou significam quase o dobro de gols (16) que tinha marcado nos outros seis anos como profissional somado.

Então, pode ser que em 2024, Paulinho volte ao “normal” e não seja um jogador de muitos gols, o que não quer dizer que ele não vai contribuir para o time, pelo contrário, pela qualidade que já demonstrou ter, pode fazer diferença com jogadas individuais, assistências, criação de jogadas, entre outras questões.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo