Brasil

De flop na Alemanha a convocado para Seleção: Paulinho deve muito ao Atlético-MG e sabe disso

Paulinho faz excelente ano pelo Atlético-MG, clube que ele escolheu voltar ao Brasil pela forma como o acolheu, e agora foi premiado com uma convocação para a Seleção Brasileira

Artilheiro do Campeonato Brasileiro e agora convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira principal, o atacante Paulinho, do Atlético-MG, falou de como retomou o gosto por jogar futebol ao voltar ao Brasil com as cores do Galo, que abriu as portas para ele e o abraçou como poucos.

Grande revelação do Vasco, Paulinho deixou o Brasil rumo a Europa em 2018, com apenas 18 anos. Ele foi jogar no Bayer Leverkusen, da Alemanha, mas não teve o desempenho e as oportunidades que esperava. Decidiu então retornar ao Brasil em 2023, e o Atlético foi o time escolhido pela forma como o time o tratou:

“A Seleção, todo mundo sabe que é consequência do que fazemos no clube. O Atlético foi o clube que me abraçou em 2023, que mais quis a minha contratação. Eu vim pra cá justamente para recuperar meu prazer de jogar futebol, de estar perto da minha família. Acredito que as coisas vão fluindo naturalmente. Fico feliz com o ano que estou tendo no Galo”

No Atlético, Paulinho tem um ano de 27 gols, liderando a artilharia do clube na temporada ao lado de Hulk. No Campeonato Brasileiro, balançou as redes 16 vezes, estando empatado na artilharia com Tiquinho Soares, do Botafogo. Ele é o artilheiro do segundo turno (11) e tem 13 gols nos últimos 14 jogos. Na última semana, a Trivela levantou a possibilidade do jogador ser convocado para a Seleção Brasileira pelo bom momento, e essa convocação foi confirmada nesta segunda (6).

– Tudo é consequência. O meu objetivo principal foi voltar a ser feliz, fazer o que eu mais gosto e amo na vida, que é jogar futebol. Quando a gente tá com as coisas mais leves no dia a dia, elas correm melhor para nós. Feliz de ter sido coroado com uma convocação. Espero que de alguma forma eu possa ajudar. Agora vou trabalhar muito para manter o meu nível aqui e conquistar mais vezes as convocações, pois é um sonho pra mim vestir a camisa da Seleção Brasileira – disse o atacante.

Paulinho revelou que não tinha muita expectativa em ser convocado, mas sabia das possibilidades de acontecer. Ele estava em casa assistindo a convocação e disse que foi “uma surpresa muito boa” ouvir seu nome na lista de Diniz: “Fiquei feliz pelo reconhecimento do meu trabalho. É algo que todo jogador sonha”.

Ano artilheiro de Paulinho

Paulinho vive, de longe, o ano mais artilheiro da sua carreira. Questionado se ele voltou ao Brasil também pensando em marcar mais gols, ele explicou que sempre tem o objetivo de “pontuar”, seja com a bola na rede ou assistindo os companheiros:

– Sempre tenho em mente pontuar. Todo jogo eu entro para fazer gol ou dar assistência. De alguma forma produzir. Sempre fez parte de mim. Aqui no Galo casou muito as características minhas com as do time. Isso fez com que eu conquistasse jogo a jogo os pontos que preciso para estar bem, feliz e me destacando.

O atacante citou ainda que os treinadores, Coudet e Felipão, e todos os funcionários do Atlético foram muito importantes para ele evoluir neste ano, pois ele voltou com o objetivo de se destacar, não só no Atlético como também no futebol brasileiro como um todo. Agora, o mais difícil é manter esse nível, como ele mesmo disse, mas disse que vai seguir trabalhando firme para não deixar essa ótima fase passar.

Trabalho com Diniz e disputa no ataque da Seleção

Com histórico na Seleção de base do Brasil, incluindo sendo campeão olímpico em Tóquio, Paulinho recebe sua primeira chance no time principal do Brasil com o técnico Fernando Diniz, que tem um estilo de jogo bem diferente do convencional no país. O treinador elogiou muito o jogador e disse que Paulinho tem características que se encaixam no estilo de jogo dele, e o atacante concorda.

– A minha base toda foi baseada no estilo de jogo apoiado, de ter a posse, de usar as minhas valências. Sempre tive muita facilidade nesse estilo. Sempre joguei em times que criavam bastante e, em certos momentos, só tinha o dever de finalizar as jogadas, atacar espaços e buscar as últimas linhas para finalizar. Como o Diniz falou, eu tenho muitas características nesse estilo de jogo – disse Paulinho.

Na Seleção, Paulinho não vai ter vida fácil para conseguir uma vaga no ataque ou alguns minutos nas partidas. Ele disputa posição com Endrick (Palmeiras), Gabriel Jesus (Arsenal), Gabriel Martinelli (Arsenal), João Pedro (Brighton), Pepê (Porto), Raphinha (Barcelona) e Vini Jr (Real Madrid).

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander HeinrickSetorista

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo