Brasil

Felipão se contradiz e volta a discutir com torcedor, mas Atlético-MG (mais uma vez) fica do lado do treinador

Mais um torcedor do Atlético relatou ter sido xingado por Felipão, e o clube, de novo, preferiu ficar ao lado do treinador do que da torcida

O técnico Felipão, mais uma vez, se envolveu em polêmica com a torcida do Atlético-MG. No jogo contra o Ipatinga, no sábado (2), ele discutiu com um torcedor na saída para o intervalo, aumentando a crise entre ele e os torcedores. O Galo, também mais uma vez, preferiu ficar ao lado do treinador do que da torcida no caso.

Nas últimas semanas, Felipão já estava pressionado pela torcida por conta dos resultados e das atuações ruins do Atlético. Há duas semanas, se envolveu em grande polêmica ao xingar um torcedor no desembarque do time que estava pedindo para o garoto Alisson ser titular. Nesse caso, o ex-goleiro e ídolo atleticano, Victor Bagy, que assumiu como diretor de futebol, afirmou que foi um ato isolado e disparou elogios ao comportamento de Scolari, defendendo ele institucionalmente.

Dias depois, questionado sobre o caso, Felipão não fez questão de pedir desculpas ou algo do tipo, e preferiu enfiar o dedo na ferida, afirmando que só aceitava críticas de quem “paga ingresso”, ou seja, no estádio, que fora de lá não aceita: “Eles pagaram e fizeram a parte deles. Escolham o que vão dizer, eles pagam para isso. Mas quando não pagam, eu não aceito. Quando é fora de campo, eu não aceito”, afirmou o treinador no pós-jogo contra o América-MG, quando ele deixou o campo muito xingado.

Treinador se contradiz em menos de uma semana

No entanto, o treinador se contrariou neste sábado ao rebater um torcedor na Arena MRV. Ao fim do primeiro tempo, Rubélio — conhecido pelo “Caminhão da Massa”, que ficava nos arredores do estádio durante a construção —, gritou para Felipão pedindo mais espaço aos jogadores da base, questionando sobre o lateral Vitinho e o atacante Issac, que estavam no banco. Como resposta, foi xingado pelo treinador, como ele relatou ao FalaGalo.

Ou seja, Felipão, que havia dito há uma semana que aceitaria críticas e cobranças da torcida no estádio, não aceitou isso na Arena MRV e xingou um novo torcedor. Mostrando que o primeiro caso não foi só um “fato isolado”, como o clube afirmou. O caso foi relatado na transmissão do jogo e nas redes sociais, e voltou a enfurecer a torcida atleticana. Quem estava no estádio, já havia vaiado seu nome no anúncio das escalações.

O Atlético, como instituição, tomou uma medida nesse caso, mais uma vez preferindo ficar ao lado do treinador do que do torcedor. Rubélio relatou ao Canal Eu Acredito que ele foi informado pelo staff do Galo que, ao fim do jogo, ele seria encaminhado para a sala de Victor no estádio, onde teria uma conversa. Esperando um pedido de desculpas ou algo do tipo, o torcedor recebeu algo totalmente contrário.

— O Victor pediu para eu poder não atrapalhar — mas eu não atrapalho. E disse que eu ‘tenho que rimar contra a maré. Se a torcida está vaiando e criticando, tenho que pedir o apoio, pois sou um representante na torcida e tenho voz ativa, com um tom alto, que vai dentro do campo e qualquer um ouve’ — relatou Rubélio, que disse que o diretor ainda completou afirmando que Felipão está nervoso.

Eu achei que quando eles me chamaram era para pedir desculpas. Que nada! Pediu para eu pedir apoio e não deixar a torcida ir contra o Felipão. Teve um momento no segundo tempo que eu fiquei sem graça, mas a torcida sentiu as dores e começou a xingar o Felipão – afirmou Rubélio

A condução dada pelo Atlético a essa situação (e à da última semana) irritou vários torcedores. Basta ver os comentários na postagem acima ou nas postagens do clube. Por mais que o Galo tente contornar o caso e demonstrar apoio ao treinador, ele está conseguindo afastar a torcida ao não emitir nenhuma opinião contrária ou pedido de desculpas. Dá para apoiar Felipão e a torcida nesse caso, tentar fazer alguma ação para uni-los de novo, mas o Alvinegro só está demonstrando apreço por um lado.

A Trivela entrou em contato com a assessoria do Atlético a respeito do caso na Arena MRV, mas não há um posicionamento oficial do clube, pois “não há registros do fato”.

Felipão comenta relação com a torcida do Atlético

Depois das vaias antes da bola rolar e o novo problema com o torcedor no intervalo, Felipão comentou sobre a relação dele com a torcida do Atlético após o jogo. O treinador, antes mesmo desses problemas mais recentes, já era cobrado por “cutucar” a torcida em alguns momentos.

— A minha relação com a torcida do Atlético é a de um técnico de futebol, que escala seus jogadores, que trabalha diuturnamente pelo nosso Galo, e que, às vezes, é entendido pela torcida, às vezes não é. O que a nossa torcida tem que entender é que nós, e os jogadores, principalmente, não entramos em campo para não jogar. Eles entram para vencer, entram para fazer o seu melhor. Ninguém está aqui para errar, mas, errar, é normal. Na vida, a gente erra, sempre — disse o treinador.

A minha relação é essa, é simples, é olho no olho. É dizer o que sinto e acabou. Não vou ficar aqui fazendo coisas que não devo fazer. A nossa torcida deve torcer para o nosso time. São homens que fazem o melhor, mas podem errar. Se não aceitam o erro, devem pensar que, todo dia trabalhamos e fazemos algo que às vezes não dá certo. Queria que a torcida olhasse isso e valoriza-se nossos jogadores – Felipão.

Essa história entre torcida e Felipão não se encerrou, e terá ainda (aparentemente) muitos capítulos. O próximo é no sábado (9), quando o Atlético recebe o América-MG no primeiro jogo da semifinal do Mineiro. Com Scolari, o Galo ainda não venceu clássicos, mas agora precisará, já que o Coelho tem a vantagem. Resta saber se “só” o campo (com vitórias e boas atuações) vão fazer essa relação melhorar. É algo que o treinador acredita, como respondeu à Trivela há uma semana.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo