Eurocopa 2024

Zagueiro da Turquia recebe punição pesada por gesto ligado à extrema-direita na Eurocopa

Merih Demiral pega dois jogos de suspensão e está fora até de possível semifinal, caso turcos passem pela Holanda

O zagueiro Merih Demiral foi o grande herói da classificação da Turquia para as quartas de final da Eurocopa 2024 ao marcar os dois gols da vitória por 2 a 1 sobre a Áustria na última terça-feira (2).

Porém, seus gols ficaram ofuscados pelo gesto feito pelo defensor na comemoração.

Com as duas mãos, o jogador exigiu o que seria a cabeça de um lobo, símbolo ligado ao grupo de extrema-direita Juventude Idealista, mais conhecido como Lobos Cinzentos.

Essa organização, considerada terrorista para alguns países, defende ideias ultra-nacionalistas, neofascistas e islamita turca.

Como a Uefa tem sido dura com qualquer manifestação política, investigou e tratou de punir o jogador turco, segundo o jornal alemão Bild.

Demiral pega dois jogos de suspensão e está fora de quartas da Eurocopa

A informação do periódico detalhou que o atleta recebeu 2 partidas de suspensão, o que tirará Demiral do jogo das quartas contra a Holanda, neste sábado (6), às 16h (horário de Brasília), e até de uma possível semifinal.

A Federação Turca de Futebol afirmou ao Bild, nesta quinta-feira (4), que não tinha a informação da punição. Eles teriam até amanhã para apresentar a defesa e argumentos para não acontecer a sanção.

Também ao jornal alemão, o jogador de 26 anos demonstrou não saber que o símbolo se tratava de uma organização de extrema-direita.

– A forma como comemorei tem algo a ver com a minha identidade turca. Vi gente no estádio também fazendo esse gesto – justificou.

Nas redes sociais, após a partida, Demiral publicou a imagem com o gesto e a legenda “quão feliz é aquele que diz: sou turco“, lema utilizado pelo fundador da República da Turquia, Mustafa Kemal Atatürk, em 1933.

A repercussão pelo gesto de Demiral

Logo após o jogo, diversas manifestações tomaram as redes sociais sobre o que fez o zagueiro da Turquia.

O símbolo da extrema-direita turca não tem lugar nos estádios. Utilizar a Eurocopa como plataforma para o racismo é completamente inaceitável. Esperamos que a UEFA investigue o caso e imponha sanções — escreveu Nancy Faeser, ministra do interior alemão, em suas redes sociais.

Na mesma linha, a organização internacional de direitos humanos Society for Threatened Peoples publicou uma nota na qual exigiu um pedido de desculpas do jogador.

– Exibir a saudação do lobo de forma tão proeminente no aniversário do massacre de Sivas [incêndio criminoso que matou 37 pessoas em um hotel em 1993, na cidade de Sivas, Turquia] é um escândalo absoluto, e celebrá-lo com uma foto do gesto nas redes sociais é uma zombaria das vítimas alevitas do massacre. Exigimos um pedido de desculpas de Merih Demiral aos milhões de alevitas [minoria religiosa turca] para quem a saudação do lobo é um símbolo de opressão e perseguição. Além disso, a seleção turca deve se distanciar publicamente de exibir o símbolo extremista de direita.

Já a Turquia não aceitou a investigação da Uefa, feita a pedido de Berlim, e convocou o embaixador alemão para uma reunião com representantes turcos.

Segundo o governo do presidente Recep Tayyip Erdoğan, o gesto é um “símbolo histórico e cultural durante uma celebração alegre em um evento esportivo” e a investigação seria “inaceitável“.

– Um relatório da Organização para a Proteção da Constituição da Alemanha enfatiza que nem todas as pessoas que fazem a saudação do Lobos Cinzentos podem ser definidas como extremistas de direita. O símbolo não é proibido na Alemanha e as reações por parte das autoridades são em si xenofobia – defendeu Hakan Fidan, ministro das Relações Exteriores da Turquia.

Uefa pesa mão em qualquer manifestação

A entidade máxima do futebol europeu não tem aceitado qualquer tipo de manifestação que fuja do campo esportivo.

As federações de Sérvia, Croácia e Albânia foram multadas em milhares de euros pelos gritos nacionalistas emitidos por suas torcidas.

As sanções chegaram aos gramados antes de Demiral.

O atacante Mirlind Daku, da Albânia, pegou dois jogos de punição após emitir gritos nacionalistas contra sérvios e macedônios com um megafone após o empate com a Croácia, ainda na fase de grupos.

Depois, Jude Bellingham recebeu multa de 20 mil euros por fazer um gesto obsceno, na região genital, supostamente em direção ao banco de reservas da Eslovênia na vitória por 2 a 1 pelas oitavas.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo