Eurocopa

Sem Courtois, Bélgica terá apenas três remanescentes da sua grande geração na Euro 2024

Com Thibaut Courtois confirmando que não disputará a Eurocopa de 2024, apenas Vertonghen, De Bruyne e Lukaku participaram da Copa do Mundo de 2014 e devem estar no torneio na Alemanha

Faltam pouco menos de sete meses para o início da Eurocopa de 2024, mas a Bélgica já sabe que terá um desfalque de peso. O goleiro Thibaut Courtois precisou passar por uma cirurgia em agosto após romper o ligamento cruzado anterior (LCA) do joelho esquerdo durante um treino do Real Madrid e, mesmo recuperado, não fará parte do grupo que disputará o torneio de seleções mais importante da Uefa.

Em entrevista à Sporza, marca multimídia da rede belga de rádio e televisão VRT, Courtois pregou cautela na recuperação e disse que não tem pressa para retornar aos gramados. O arqueiro, que disputou as últimas três Copas do Mundo e últimas duas Euros com a seleção belga, afirmou que talvez dispute uma partida novamente em maio e acredita que não reunirá as melhores condições possíveis até junho do ano que vem.

— Devido à lesão, não haverá Eurocopa para mim de qualquer maneira. Primeiro, tenho que recuperar 100%, e depois é melhor não fixar uma data. Se tiver sorte, poderei jogar outra partida em maio. Mas você nunca estará 100% pronto para um grande torneio (em tão pouco tempo) — declarou.

— Acho que é melhor fornecer imediatamente essa clareza à seleção nacional. Não vou estar no gol a 80%, enquanto tivermos outros bons goleiros. Estou deixando minha honra de lado e serei apenas um torcedor extra em junho. Torceremos por um título europeu — completou.

Courtois ainda deixou claro que está focado na recuperação para retribuir a confiança que tem recebido do Real Madrid durante o período no departamento médico.

— O clube deixou bem claro que quer que eu me recupere 100% e certamente não volte tão cedo. Não quero trair essa confiança. Se eu não jogar mais nenhuma partida nesta temporada, tudo bem — frisou.

A Bélgica está no Grupo E da Eurocopa de 2024, junto com Eslováquia, Romênia e quem vencer a Repescagem B (Israel, Islândia, Bósnia ou Ucrânia). Os Diabos Vermelhos vão estrear no torneio, que será realizado na Alemanha, no dia 17 de junho diante da Eslováquia.

Os remanescentes da ‘grande geração belga’

Thibaut Courtois é um dos poucos remanescentes da ‘grande geração belga’ . Hoje, ver a Bélgica disputando um grande torneio é extremamente comum, mas até pouco tempo atrás a realidade era completamente outra.

A Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, foi a primeira disputada pela seleção belga desde 2002. Com a eliminação para a Argentina (que viria a ser vice-campeã naquele ano) nas quartas de final, a Bélgica fez sua melhor campanha em um Mundial desde 1986, quando terminou na quarta colocação.

Com destaques em grandes ligas europeias — como Eden Hazard, Vincent Kompany e o próprio Courtois — e garotos promissores que eventualmente estariam entre os melhores jogadores do mundo, a equipe então comandada por Marc Wilmots começou há quase 10 anos atrás a estabelecer a Bélgica como a força que é atualmente. Em questão de poucos anos, o país deixou de ser ausência em grandes torneios para ser terceiro lugar na Copa do Mundo de 2018 e se classificar pela primeira vez para três Eurocopas consecutivas.

Não à toa, o grupo que representou a Bélgica em solo brasileiro em 2014 foi apelidada de ‘grande geração belga’. O tempo, no entanto, é implacável. Dos 23 convocados para aquele Mundial, apenas 14 ainda não penduraram as chuteiras. Destes, somente quatro ainda defendem a seleção nacional: Jan Vertonghen, Kevin De Bruyne, Romelu Lukaku e Thibaut Courtois, que será desfalque nesse seleto grupo na Alemanha no ano que vem.

O mais novo do quarteto é Lukaku, com 30 anos. Já o mais velho é Vertonghen. Aos 36 anos, o defensor está fora da elite do futebol de clubes desde que deixou o Tottenham em 2020, ficou ainda mais distante do alto nível ao trocar o Benfica pelo Anderlecht em 2022 e provavelmente se despedirá da seleção belga na Euro 2024. De Bruyne tem 32 anos, enquanto Courtois tem 31.

O desmanche da ‘grande geração belga’ já começou há algum tempo. Eden Hazard, seu grande símbolo, se aposentou da seleção após a precoce eliminação na Copa do Mundo de 2022 e recentemente anunciou sua aposentadoria como jogador de futebol. A reta final da histórica safra ganhará um novo capítulo na próxima Eurocopa, mas seu verdadeiro término ainda está reservado para 2026 ou 2028.

Os substitutos de Courtois

A Bélgica não tem um substituto à altura de Thibaut Courtois e terá de apostar em goleiros já com 31 anos na Euro 2024. Desde que Domenico Tedesco assumiu o comando dos Diabos Vermelhos, Koen Casteels e Matz Sels tem a mesma idade e foram os únicos que receberam oportunidades debaixo das traves além do arqueiro do Real Madrid.

Koen Casteels (esquerda) e Matz Sels (direita) vão disputar posição no gol da Bélgica com Thibaut Courtois fora da Euro 2024 (Foto: Icon sport)

A escolha natural para substituir Courtois é Casteels. Titular absoluto do Wolfsburg desde 2017, ele recebeu suas primeiras convocações em 2013. Apesar de só ter estreado pela seleção em 2020, Casteels soma oito partidas pela Bélgica e esteve nas Copas do Mundo de 2018 e 2022. Com Tedesco, foram quatro partidas, quatro vitórias e dois gols sofridos.

Matz Sels, por sua vez, defende o Strasbourg desde 2018 é chamado para defender a Bélgica desde 2015. Atuou pela primeira vez com os Diabos Vermelhos em 2021 e esteve no grupo que disputou a Eurocopa naquele ano, mas acabou ficando de fora do Mundial do Catar. Ao todo, foram seis jogos pela seleção, quatro deles sob o comando de Domenico Tedesco.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo