Brasil

Vini Jr tem última chance de ser protagonista na Seleção antes da Copa América

Principal jogador brasileiro em atividade, Vini Jr tenta (novamente) ser pela Seleção o que ele já é pelo Real Madrid

Seja no Wembley que será palco da próxima final da Champions League, ou no Santiago Bernabéu que aprendeu a chamar de casa, Vini Jr atrairá boa parte dos olhares assim que colocar os pés em campo pela seleção brasileira nesta Data Fifa. As câmeras estarão apontadas para aquele que é o principal jogador brasileiro em atividade no futebol mundial.

Com o declínio vertiginoso de Neymar, o atacante merengue tanto herdou quanto fez por merecer este título e toda a responsabilidade que ele carrega. Na Europa, isso é verdade absoluta. Mas em campo pelo Brasil, trata-se apenas de uma esperança que teima em não virar realidade.

Na estreia de Dorival Júnior na seleção brasileira, Vini tem a missão de ser em verde e amarelo o protagonista que ele é há temporadas a fio quando veste o branco do Real Madrid. O Brasil enfrenta os seus primeiros rivais europeus desde a eliminação para a Croácia na Copa do Mundo de 2022. Dois amistosos, contra Inglaterra neste sábado (23) e Espanha no próximo dia 26. Com um caráter de decisão para o atacante merengue.

“Feliz de estar aqui mais uma vez. A emoção é como se fosse a primeira e cada vez estamos mais preparados para o nosso objetivo, que é a Copa América. Para isso, precisamos nos preparar com grandes jogos” (Vini Jr)

Vini vive temporada mais goleadora da carreira

Vinicius, aliás, chega (muito) em alta a esta Data Fifa. E não falamos apenas dos dois gols que ele marcou na goleada do Real Madrid sobre o Osasuna no último fim de semana. Nem dos elogios fervorosos e recorrentes de Carlo Ancelotti após a partida.

– É um jogador extremamente decisivo, que marcou dois e mesmo assim quer sempre mais. Ele tem sido eficaz em todas as jogadas, com e sem bola”, definiu o italiano. Dei os parabéns, porque fez um jogo extraordinário, movimentando-se muito bem, gerando perigo. Foi aí que ele melhorou, porque com a bola sempre foi ótimo, mas agora está sendo espetacular sem ela. É muito rápido e se move com bom tempo – afirmou o italiano.

O atacante se apresentou à Seleção em meio à temporada mais goleadora de sua carreira. Ao menos, na média de gols. Ele marcou 18 vezes em 28 jogos em 2023/24. Uma média de 0,64 gol por partida que é muito superior à sua melhor marca anterior, de 0,42 gol por partida em 2021/22.

> Vini Jr pelo Real Madrid em 2023/24

  • 28 jogos
  • 18 gols
  • 6 assistência
  • Média de 0,64 gol/jogo
  • Participa em média de 0,85 gol/jogo
Vini Jr ainda não conseguiu repetir este sorriso quando joga pela Seleção (Foto: Divulgação/Real Madrid)

Vini teve 2024 de lesões e atuações discretas na Seleção

Muito do ano ruim de Vinicius Júnior pela Seleção tem a ver com as lesões. O atacante foi convocado por Diniz, mas acabou fora das primeiras duas partidas pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2026 por conta de uma lesão muscular. Curiosamente, foram as duas únicas vitórias do Brasil até agora, sobre Bolívia e Peru.

Vini só pôde atuar, de fato, a partir da Data Fifa de outubro. Chegou cercado de sorrisos e expectativas para os jogos contra Uruguai e Venezuela. Mas a despedida condiz muito mais com a realidade: um Vini taciturno e realista, que se dirigiu em silêncio rumo ao ônibus da delegação.

Mas antes disso, ainda nos corredores do Estádio Centenário, em Montevidéu, o próprio atacante admitiu que deixou a desejar na última Data Fifa – a sua primeira, com Fernando Diniz. Em entrevista à TV Globo, Vini foi sincero e disse que foi “muito mal” contra Venezuela (empate por 1 a 1) e Uruguai (derrota por 2 a 0).

– Faltou um pouco de tudo. Fui muito mal na partida, fui muito mal na última partida também. Tenho muito que melhorar, a equipe também tem muito que melhorar. Mas é estar com a cabeça tranquila pra poder fazer o melhor pela Seleção. Sempre que a gente vem aqui é com muita alegria pra defender o nosso país, dessa vez fomos mal. Mas agora é descansar, voltar pro clube. Todo mundo tentar melhorar, pensar no que a gente tem que evoluir pra colocar a Seleção onde ela merece – afirmou o atacante.

Sem Neymar na Data Fifa de novembro, as esperanças de ver Vini Júnior como protagonista cresceram ainda mais. Especialmente pelos duelos que vinham pela frente. Era a sequência mais difícil de Diniz, contra Colômbia e Argentina. O momento em que o técnico mais precisava de seu protagonista… E ele sucumbiu. O atacante sofreu uma lesão muscular na derrota para a seleção colombiana em Barranquilha. Sequer esteve em campo em mais uma derrota, dessa vez para a Argentina.

Vini Jr já é referência para mais novos

Mesmo sem assumir o protagonismo esperado, Vini ainda é o “sucessor” de Neymar para ser a grande referência da Seleção em futuro a médio prazo. Aliás, foi assim ao longo do ano passado, especialmente na Data Fifa. Em uma convocação em que Fernando Diniz se permitiu ousar – e foi sua última – o atacante do Real Madrid foi exemplo para uma legião de atletas mais novos que se apresenta na Granja Comary.

Nomes como Endrick, Paulinho, Douglas Luiz e João Pedro tiveram olhos de admiração para acompanhá-lo no dia a dia de trabalhos. Especialmente Endrick, que trilha uma trajetória na carreira semelhante, prestes a defender o Real Madrid. Não será diferente agora com Dorival Júnior e outros garotos convocados para os amistosos contra Inglaterra e Espanha.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo