Brasil

Diniz se permite ousar e deve ter Seleção mais ‘autoral’ em jogos contra Colômbia e Argentina

Sem Neymar e Casemiro, Diniz convoca Seleção de olho em legado com Endrick e companhia

Tão logo Neymar deixou o Estádio Centenário de muletas após a derrota do Brasil por 2 a 0 para o Uruguai pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2026, Fernando Diniz já começava a maquinar as soluções para a ausência de seu principal jogador. Uma tela (quase) em branco para o treinador dar um toque mais autoral à seleção brasileira. Esta foi a impressão colhida pela reportagem da Trivela com pessoas do entorno do treinador na Seleção ainda em Montevidéu.

A confirmação veio pouco menos de um mês mais tarde, em 6 de novembro, quando o treinador anunciou uma convocação cheia de caras novas para os jogos contra Colômbia e Argentina nesta Data Fifa. Sem Neymar, que acaba de passar por uma cirurgia para reconstrução do ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, nem Casemiro, com uma lesão muscular, Diniz se permite ousar para escalar a Seleção. Justamente em dois jogos cruciais que são também dois de seus maiores desafios no cargo.

A terceira lista de Diniz é também a lista em que ele mais se permitiu pensar no futuro ao definir os 24 convocados. Parecia até que o treinador que tem contrato apenas até a metade do ano que vem já começava a pensar em seu legado para o que virá pela frente com Carlo Ancelotti. Por isso, nomes como Endrick, Paulinho, Douglas Luiz, João Pedro e Pepê, naquela que é a última convocação do técnico para jogos de Eliminatórias da Copa do Mundo de 2026.

– No caso do Endrick, especificamente, é um jogador que tem potencial para ser um daqueles grandes talentos. A gente não sabe se vai se confirmar ou não. A convocação não é pressão, é um prêmio, e também uma visão de futuro do que ele pode ser. Um menino nascido em 2006 conseguir produzir o que ele produz há muito tempo me chama muito a atenção, e nesse momento específico da convocação ele vive seu melhor momento jogando contra as grandes equipes aqui do Brasil e conseguindo se sobressair – disse Diniz.

Endrick é novidade na lista de um Diniz que se permite ousar também na Seleção (IconSport)

Veja a lista completa de Diniz:

  • Goleiros: Alisson (Liverpool), Ederson (Manchester City) e Lucas Perri (Botafogo)
  • Laterais: Carlos Augusto (Inter de Milão), Emerson (Tottenham) e Renan Lodi (Olympique Marseille)
  • Zagueiros: Bremer (Juventus), Marquinhos (PSG), Gabriel Magalhães (Arsenal), Nino (Fluminense)
  • Meio-campistas: André (Fluminense), Bruno Guimarães (Newcastle), Douglas Luiz (Aston Villa) Joelinton (Newcastle), Raphael Veiga (Palmeiras) e Rodrygo (Real Madrid)
  • Atacantes:  Endrick (Palmeiras), Gabriel Jesus (Arsenal), Gabriel Martinelli (Arsenal), João Pedro (Brighton), Paulinho (Atlético-MG), Pepê (Porto), Raphinha (Barcelona) e Vini Jr (Real Madrid).

O que pensa Diniz para suprir ausência de Neymar

A lista cheia de caras novas deve se refletir em pequenas doses na equipe titular. A posição mais aberta é a de substituto de Casemiro no meio-campo. O capitão virou referência ainda maior para o esquema de jogo do treinador. A bola passa sempre por seu pé quando a Seleção tem a bola. A ausência dele abre espaço para André ganhar a primeira chance como titular, mas ele disputa posição com Douglas Luiz, convocado pela primeira vez pelo treinador.

A solução do treinador para a ausência de Neymar, porém, não deve vir de um dos novos nomes da lista. Conforme apurado pela Trivela, o treinador deve optar por centralizar Rodrygo na vaga que costuma ser do camisa 10 e optar por um outro extrema pela direita. A tendência é de que Raphinha seja o escolhido. Ele atuou por ali na primeira Data Fifa de Diniz e acaba de voltar a ficar à disposição do Barcelona depois de uma lesão muscular.

– Ficar sem o Neymar é sempre muito ruim, é um prejuízo para o futebol brasileiro e para o futebol como um todo. Trata-se de um gênio do futebol, um dos grandes jogadores da história, essa é a minha opinião. O Rodrygo é uma possibilidade porque ele já jogou muito em aproximação com o Neymar, mas ainda não tem nada definido – admite o treinador.

Rodrygo deve ser o substituto de Neymar (Foto: VItor Silva/CBF)

Incógnita sobre Gabriel Jesus

Nesta convocação, Diniz deu outra amostra de ousadia ao expor um ruído de comunicação entre CBF e Arsenal sobre as lesões de atletas do clube inglês. O técnico afirmou que os Gunners não informaram com detalhes a situação de Gabriel Martinelli antes da última Data Fifa. O atacante ficou fora da lista devido a uma lesão muscular, mas voltou a jogar antes dos jogos contra Venezuela e Uruguai.

Desta vez, quem tem uma lesão muscular é Gabriel Jesus. O técnico preferiu convocar o atacante para que a comissão técnica e o departamento médico da Seleção possam avaliar as reais condições do jogador.

Gabriel Jesus
Gabriel Jesus se recupera de lesão muscular (Foto: IconSport)

O treinador diz acreditar que Jesus estará em campo nos jogos contra Colômbia e Argentina. Mas caso ele não consiga atuar, Diniz se preveniu com a lista de 24 jogadores. Não precisará chamara um novo atleta para a vaga do camisa 9.

– E o Arsenal, por conta disso também, vamos trazer o Gabriel, para saber as reais condições. A gente tem ainda 15 dias para os jogos. Então a gente acredita, pela lesão que ele teve, que vai poder ter boas condições para jogar. É um jogador que eu gostaria muito de contar nos dois jogos. Então a gente trouxe para ver. Se vocês repararem na lista tem 24 jogadores. Caso aconteça alguma coisa com ele, vamos ter 23 e não vamos precisar fazer uma nova mexida na convocação – explicou o treinador.

Quando joga a Seleção?

O Brasil enfrenta a Colômbia no próximo dia 16, às 21h (horário de Brasília), no Estádio Metropolitano de Barranquilha, pela 5ª rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo. Depois, a Seleção terá pela frente o clássico com a Argentina, no dia 21, às 21h30 (horário de Brasília), no Maracanã.

Após dois tropeços na última Data Fifa, a seleção brasileira precisa se recuperar contra dois rivais complicados. O Brasil ocupa a terceira colocação na tabela das Eliminatórias, com sete pontos após quatro partidas.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo