Brasil

Entenda a filosofia do lucro do Red Bull Bragantino

A marca de energético possui dobradinha na liderança do ranking sobre a idade média de contratações dos clubes pelo mundo

Nesta quinta-feira, 28, o CIES Football Observatory, divulgou o ranking sobre a idade média de contratações dos clubes de 48 ligas distintas. O Red Bull Bragantino se destacou como o segundo clube que mais rejuvenesceu seu elenco nos últimos quatro anos.

O levantamento analisou 800 times das 48 principais ligas de futebol do mundo, e revelou que o Bragantino, juntamente com o Salzburg, ambos clubes da empresa Red Bull, apresentaram a menor média de idade entre os jogadores contratados nas últimas 10 janelas de transferência, de julho de 2019 até hoje.

Enquanto o RB Salzburg, da Áustria, contratou atletas com média de 20,93 anos, o Massa Bruta tem média de idade de 21,72 anos por aquisição, mostrando o compromisso do clube em investir em jovens talentos.

Essa conquista está alinhada com a conhecida “filosofia Red Bull”, destacada por dirigentes e membros da comissão técnica. O clube de Bragança Paulista, interior de São Paulo, opta pela contratação, em sua maioria, de atletas jovens com potencial de crescimento, tanto nos gramados quanto no mercado.

O que é a filosofia Red Bull?

A Red Bull introduziu no futebol sua distintiva filosofia de “dar asas”, que se reflete não apenas no patrocínio e na identidade visual das equipes, mas também na maneira como elas são gerenciadas. A empresa adota uma abordagem inovadora e criativa, introduzindo novos métodos de treinamento, tecnologias avançadas e programas de desenvolvimento juvenil de alto nível.

Um dos fatores-chave do sucesso da Red Bull no futebol foi sua ênfase no desenvolvimento de jovens talentos locais. Em vez de concentrar-se exclusivamente na contratação de jogadores já estabelecidos no cenário nacional ou internacional, a Red Bull investiu em infraestruturas de formação, estabelecendo uma ligação entre o futebol de base e a equipe profissional.

No início de março, em entrevista concedida ao ge, Pedro Caixinha afirmou: “A nossa marca é uma bebida energética. Logo, nosso jogo tem que ser energético. Gosta de correr riscos. É proativo. Procurar sempre aquilo que é o ganhar. Para procurar o ganhar, tem que constantemente atacando. Ou atacamos o gol, ou atacamos a bola, ou atacamos o jogo. Essa juventude nos dá isso.”

Opiniões alinhadas

Recentemente, em entrevista coletiva, a Trivela questionou Diego Cerri, diretor esportivo do Red Bull Bragantino, sobre aspectos positivos e negativos de possuir um elenco majoritariamente jovem e com pouca “bagagem” no futebol.

“Ao ter uma equipe jovem, há vantagens e desvantagens. Como já é sabido: dentro da nossa filosofia e do estilo de jogo, o Red Bull Bragantino pressiona muito a bola, o adversário, e possui transições muito rápidas. É difícil fazer isso quando não se tem um elenco jovem. Essa abordagem no mercado, da forma como montamos nossas equipes, às vezes pode faltar um pouco de experiência? Pode faltar, em algum momento, mas a experiência não está apenas relacionada à idade, e sim ao acúmulo de partidas que o atleta disputa. Portanto, é claro que se montar um elenco muito experiente, terá algumas vantagens e desvantagens também, o que é mais ou menos esperado.” disse, Cerri.

Ranking exemplificado

Nesta quarta-feira, 27, em derrota para o Santos na semifinal do Campeonato Paulista, os atletas relacionados do Red Bull Bragantino possuíam média de idade 22,9 anos. Enquanto o Santos foi para a decisão com idade de média de 27,5 anos.

Em entrevista coletiva, na Neo Química Arena, após a eliminação para o Santos no Paulistão, o técnico Pedro Caixinha foi questionado sobre como equacionar o desafio de possuir uma equipe tão jovem e, ao mesmo tempo, manter a maturidade necessária para competir. Confira a resposta do treinador:

Sabe negociar

O Bragantino tem sido menos ativo em vendas desde a chegada da marca Red Bull. No entanto, algumas das negociações realizadas foram altamente lucrativas. Abaixo, apresentamos uma lista das cinco maiores vendas da história do clube:

  1. Claudinho: compra por R$ 2,5 milhões / venda por R$ 92 milhões / lucro de R$ 89,5 milhões;
  2. Léo Ortiz: compra por R$ 1,8 milhão / venda por R$ 37,6 milhões / lucro de R$ 35,8 milhões;
  3. Natan: compra por R$ 27 milhões / venda por R$ 53 milhões / lucro de R$ 26 milhões;
  4. Artur: compra por R$ 25 milhões / venda por R$ 45 milhões / lucro de R$ 20 milhões;
  5. Fabrício Bruno: compra por R$ 2 milhões / venda por R$ 15 milhões / lucro de R$ 13 milhões.
Foto de Leonardo Wisniewski

Leonardo Wisniewski

Jornalista pós-graduando em jornalismo esportivo na Cásper Líbero, apaixonado por contar histórias. Residente em Mairiporã-SP e comprometido em trazer análises perspicazes e narrativas envolventes do mundo esportivo.
Botão Voltar ao topo