Brasileirão Série A

Embalado, Atlético-MG volta ao Mineirão sonhando com o título brasileiro e se despede de um ídolo

Com uma sequência ótima de resultados e jogos, o Atlético encara o São Paulo para manter vivo o sonho do título e também se despedir de Réver

oito jogos sem perder e há três conquistados vitórias significativas que empolgaram o torcedor, o Atlético-MG entra em campo neste sábado (2) para seguir mantendo vivo o sonho do título do Campeonato Brasileiro. O Galo não terá a Arena MRV, sua casa própria, mas terá um Mineirão lotado e muito confiante.

Apesar de não depender só de si, o Atlético entra em campo neste sábado com o sonho do título muito vivo. A ideia do clube é fazer sua parte: vencer seus dois últimos jogos. Só depois o Galo vai se preocupar com o que ele vai ganhar no fim. Se fizer seu papel, o Alvinegro alcança seu objetivo principal, que é terminar o campeonato no G4 e garantir vaga direta para a próxima Libertadores.

Sobre título, o Atlético depende de dois tropeços do Palmeiras, o que parece improvável. Mas, em um campeonato que tudo possível aconteceu e, para um time marcado pelo “Eu Acredito”, sonhar é obrigação.

O título pode não vir como castigo pelo péssimo início de Felipão, que fez o time despencar de 4º para 13º, e o treinador sabe disso: “Nós lá atrás não fizemos por merecer, quem sabe não vamos receber o castigo agora. Mas estamos orgulhosos da equipe, dos jogadores, do ambiente e que conseguimos dar a volta por cima”. Na ocasião, o Galo ficou 10 jogos sem vencer, sendo oito deles pelo Brasileirão.

A primeira vitória do Atlético sob o comando de Felipão aconteceu justamente contra o São Paulo, no primeiro turno. Os times estavam em situações completamente diferentes das atuais. O Galo louco por uma vitória, como citado, e o Tricolor, que estava a frente do Alvinegro, entre jogos eliminatórios da Sul-Americana e da Copa do Brasil. Hoje, os mineiros disputam o título e os paulistas, campeões da Copa, não querem mais nada com a dureza.

Atlético sem a Arena MRV

O jogo deste sábado não vai acontecer na Arena MRV, isso porque o estádio vai receber um show neste fim de semana. Inicialmente, o jogo e show seriam na casa própria do Galo, mas, como a CBF alterou a tabela e adiou os jogos finais, eles agora coexistem no mesmo espaço e por isso a partida será no Mineirão.

A velha casa atleticana foi palco do clube até o fim do primeiro turno do Brasileirão, e não deu muito sorte ao Galo, que teve desempenho ruim. A inauguração da Arena MRV ajudou muito a melhorar como mandante.

Atlético como mandante no Brasileirão

Antes da Arena MRV

  • 9 jogos
  • 3 vitórias
  • 3 empates
  • 3 derrotas
  • 12 pontos – 44,44% de aproveitamento

Na Arena MRV

  • 9 jogos
  • 7 vitórias
  • 2 derrotas
  • 21 pontos – 77,7% de aproveitamento

Mas se tem uma coisa que não vai mudar para Atlético é o apoio da torcida. A expectativa é de mais de 50 mil torcedores no Mineirão, e o melhor, todos muito confiantes. Os desempenhos do time contra Grêmio e, principalmente, Flamengo, inflamaram o torcedor com expectativa e o sonho de ser campeão.

A última vez que o Atlético esteve no Mineirão foi na última rodada do primeiro turno, quando venceu o Bahia por 1 a 0. Naquela ocasião, o resultado colocou o Galo no 10° lugar do Brasileirão, com 27 pontos, 20 a menos que o líder Botafogo. Hoje, o time atleticano tem a mesma pontuação do clube carioca e está há três do líder Palmeiras. Uma campanha de recuperação – e de derrapada do Botafogo – incrível.

Jogo mais do que especial para um ídolo do Atlético

A partida deste sábado para o Atlético vale além de seguir no sonho pela liderança. Maior vencedor da história do clube, o zagueiro Réver, de 38 anos, vai se aposentar dos gramados. Ele foi homenageado pelo clube neste ano quando atingiu a marca de ser o jogador mais taças e, mais recentemente, confirmou sua aposentadoria.

Réver tem sido reserva em toda a temporada e entrado em campo apenas nos minutos finais, geralmente para ajudar a encorpar mais a defesa e segurar resultados. Contra o São Paulo, algo parecido deve acontecer. A diferença é que ele terá seu rosto estampado em todas as camisas dos jogadores, em uma homenagem através de um patch.

Pelo Atlético, Réver atuou em 355 jogos nas duas passagens que teve, somando 31 gols, sendo o segundo maior zagueiro artilheiro da história do clube, atrás apenas do ex-parceiro de defesa, Léo Silva. Ao todo, ele conquistou 12 taças com a camisa atleticana, as mais importantes delas a Copa Libertadores de 2013, quando foi o capitão e responsável por erguer o troféu, e o Campeonato Brasileiro de 2021. Ele soma ainda duas Copas do Brasil, uma Recopa Sul-Americana, uma Supercopa do Brasil e seis Campeonatos Mineiros.

Um São Paulo a passeio?

Rival do Atlético, o São Paulo está “de férias” há mais de dois meses, quando conquistou a Copa do Brasil e pôde “abrir mão” do Brasileiro. O Tricolor Paulista até tinha uma missão ainda na competição, que era vencer a primeira como visitantes, mas ela foi completa na última rodada, quando venceu o Bahia.

Sendo assim, o São Paulo chega ao jogo contra o Atlético bem tranquilo. O que pode mudar para o clube paulista ainda é a posição na tabela, que pode render um dinheiro a mais, mas nada que faça o Tricolor jogar o jogo como se fosse uma decisão, que é o caso do Atlético.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo