Brasileirão Série A

Atlético-MG renasce com golaço de Hulk e ofusca estreia de Lucas Moura no São Paulo

Foram dez jogos, dois meses ou exatos 61 angustiantes dias sem vitória, uma palavra que Luiz Felipe Scolari ainda não conhecia no comando da equipe. Mas o Atlético-MG enfim voltou a vencer. Para azar do São Paulo, justo em um dia que era para ser de festa, com uma multidão que aplaudiu os reforços James Rodríguez e Lucas Moura antes da partida.

Para os mais de 50 mil são-paulinos que se acotovelaram no Morumbi, este foi praticamente o único motivo de aplausos – salvo a própria reestreia do camisa 7 após 11 anos, no segundo tempo. Sorte do Galo,  que viu Hulk marcar um golaço de falta logo no começo do jogo. Um petardo que abriu o placar para o triunfo por 2 a 0 dos mineiros, neste domingo, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. O segundo gol foi marcado por Pavón, após conversão de pênalti cometido pelo estreante Lucas Moura.

Golaço de Hulk ofusca estrelas rivais e revive o Galo

O São Paulo escreveu um roteiro com requintes hollywoodianos para este domingo. Seria um filme estrelado por James Rodríguez e Lucas Moura, com figurino especial – o lançamento do terceiro uniforme em alusão ao Tri do Brasileirão em 2008 – e o cenário de um Morumbi lotado por 53.460 torcedores. O enredo estava todo ensaiado para a estreia do camisa 7, que entrou em campo pelo clube após 11 anos no segundo tempo. Mas faltou combinar com Hulk, o salvador de um Atlético-MG que parecia ter esquecido como vencer.

Chame de mérito do cobrador, ou se preferir de falha (e não frango) do goleiro. O fato é que o camisa 7 atleticano abriu o placar com um senhor golaço no Morumbi. Logo aos 3 minutos, Hulk cobrou uma falta de longe, mas muito longe. Uma pancada que saiu forte, mas muito forte para vencer Rafael e entrar no ângulo. Parecia até que o atacante colocava toda a revolta por não vencer há tanto tempo em seu pé esquerdo. Falando nisso, da canhota de Rodrigo Nestor quase saiu um gol maradoniano no Morumbi. O meia arrancou em velocidade, aplicou dois dribles em marcadores – um deles, uma meia-lua – e chutou cruzado para fora, com muito perigo. Salvo uma cabeçada de Diego Costa, foram os únicos dois lances do São Paulo na primeira etapa.

Veio o segundo tempo, e com ele veio também a reestreia de Lucas Moura. O camisa 7 voltou do intervalo pronto para entrar na vaga de Talles Costa e incendiar a partida a dribles e velocidade. Mesmo sem jogar há meses, o atacante entrou em uma rotação bem mais elevada que os demais. Deu arrancadas, entortou marcadores e quase fez um golaço de falta. Imaginem, tricolores, quando ele estiver com o ritmo de jogo em dia. Mas enquanto isso não acontece, ele deu o azar de ajudar a sacramentar a derrota são-paulina no Morumbi. Não sem antes ver Calleri acertar a trave em um chute de dentro da área, na melhor chance da equipe.

O estreante Lucas Moura, tão insinuante quanto sempre, cometeu pênalti em Patrick, aos 21 do segundo tempo. Pavón deslocou Rafael na cobrança, sepultou as chances de uma reação do São Paulo e ainda despertou a ira da torcida. Tal qual Luciano no clássico contra o Corinthians, o atacante argentino comemorou com uma voadora na bandeira de escanteio com o escudo do time da casa. Tal qual Luciano, foi amarelado, após muita cobrança dos tricolores. Hulk ainda perdeu um gol sem goleiro. Mas a verdade é que o restante da partida foi mero protocolo. Tempo para os são-paulinos assimilarem a crise que bate à porta antes das decisões do ano, e para os atleticanos se encherem de esperanças por uma classificação na Libertadores.

São Paulo à beira da crise antes dos jogos que decidem o ano

Os papéis se invertem. Agora, é o São Paulo que amarga uma sequência (bem menor) de jogos sem vencer. São cinco. E o Tricolor chega à primeira das duas decisões que valem o ano à beira da crise. O Tricolor volta a campo na próxima quinta-feira (10), às 19h30 (horário de Brasília) para enfrentar o San Lorenzo pelo jogo da volta das oitavas de final da Sul-Americana. A missão é reverter a derrota por 1 a 0 sofrida no jogo de ida, na Argentina. No Brasileirão, a equipe estaciona em oitavo, com 26 pontos.

Atlético-MG renasce para tentar virada contra o Palmeiras

O Atlético-MG que encerrou um jejum de dez jogos sem vencer agora se prepara para um desafio de mesmo quilate pelas oitavas de final da Libertadores. A equipe perdeu o jogo de ida no Mineirão por 1 a 0 e precisa vencer o Palmeiras no Allianz Parque na próxima quarta-feira (9), às 21h30 (horário de Brasília), para avançar às quartas de final. Por ora, vale comemorar o respiro na tabela do Brasileirão: o Galo chega a 24 pontos e sobe para a 10ª colocação.

ESTATÍSTICAS DE SÃO PAULO 0 X 2 ATLÉTICO-MG – CAMPEONATO BRASILEIRO

  • Posse de bola: São Paulo 68% x 32% Atlético-MG
  • Chutes: São Paulo 18 x 7 Atlético-MG
  • Chutes no gol: São Paulo 3 x 2 Atlético-MG
  • Gols: Atlético-MG – Hulk (03′) e Pavón (69′)
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo DecontoSetorista

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo