Libertadores

Precisando voltar a vencer, Atlético-MG recebe um Caracas frágil e em crise profunda

Caracas parece o adversário perfeito para o Atlético retomar o caminho da vitória e fechar a fase de grupos da Libertadores

Depois de 12 jogos invictos, o Atlético-MG perdeu suas duas últimas partidas. Precisando voltar a vencer, o Galo receberá nesta terça-feira (28), às 19h, na Arena MRV, um dos piores times da Libertadores e da América no momento. O Caracas, que já era considerado o mais fraco do grupo, vive uma crise profunda desde fevereiro, e parece ser o rival ideal para o Alvinegro retomar o caminho das vitórias.

O Atlético vivia uma sequência de 12 jogos sem derrotas, mas acabou perdendo seus dois últimos jogos, para o Peñarol, justamente pela Libertadores, e para o Sport, na Copa do Brasil.

Ambas não afetaram tanto a temporada atleticana, já que o clube já estava classificado na competição continental e avançou na nacional mesmo perdendo. Mesmo assim, o Atlético precisa retomar o caminho das vitórias, e o adversário desta terça parece perfeito para isso.

O Caracas já era considerado o integrante mais fraco do Grupo G. Não à toa, o Galo aplicou uma goleada de 4 a 1 em sua estreia na Libertadores, mesmo jogando na Venezuela. Agora, na Arena MRV, é esperado que o roteiro não seja muito diferente.

Caracas vive crise profunda

O Caracas já não vivia grande momento quando enfrentou o Atlético pela primeira vez. Antes daquela partida, inclusive, eles trocaram de treinador. A mudança não surtiu efeito e, de oito partidas sem vencer, eles somam agora 16.

No Apertura do Campeonato Venezuelano, terminaram em 11° de 14 times. Já na Libertadores, somam apenas um ponto em cinco jogos. A última vitória dos venezuelanos foi no início de fevereiro.

Uma vitória na Arena MRV é muito improvável, mas seria a virada de chave necessária para o Caracas, que vai de mal a pior. Além disso, seria um feito histórico, já que um clube venezuelano nunca venceu o Atlético nos 11 confrontos que aconteceram até então.

Atlético terá importante retorno de Hulk

Além de encarar um adversário muito frágil, o Atlético terá uma arma e tanto de volta. O atacante Hulk, que ficou de fora do último jogo por questões pessoais, voltará ao time de Gabriel Milito para formar dupla de ataque com Paulinho. O camisa 7 não marca a nove jogos, mas vem contribuindo para o time de outras formas.

O Caracas parece o adversário ideal para Hulk acabar com essa sequência sem gols. Também é o ideal para o jovem zagueiro Rômulo estrear como titular e em casa. O defensor de 20 anos entrou muito bem em dois dos últimos jogos, e pode ganhar a chance no 11 inicial.

O Atlético não tem mais o zagueiro Jemerson à disposição, pois o negociou com o Grêmio. No meio, o volante Otávio, lesionado, também está fora. No último jogo, Alan Franco atuou como primeiro homem de meio, mas ficou claro que o time fica mais fragilizado assim. Até por isso, na etapa final, Milito corrigiu o time com Battaglia, que está jogando de zagueiro, avançado para primeiro volante, sua função “original”.

Como o Caracas é mais frágil e não deve atacar tanto o Galo, pode ser que o técnico argentino mantenha Battaglia de fato como zagueiro, ajudando na saída de jogo.

O provável Atlético: Everson; Saravia, Battaglia (Rômulo), Bruno Fuchs e Arana; Battaglia, Alan Franco, Zaracho e Scarpa; Paulinho e Hulk.

Milito e Paulinho, o artilheiro do Galo na Libertadores (Pedro Souza/Atlético)

Galo sonha com liderança geral da Libertadores

Com quatro vitórias em cinco jogos, o Atlético tem uma das melhores campanhas da Libertadores e sonha em terminar a fase de grupos na liderança geral, o que garante decidir as fases como mandante até a semifinal.

No entanto, a missão não é das mais fáceis, pois não depende só do Atlético. O Galo precisa torcer por tropeços de Talleres, River Plate e Palmeiras, que enfrentam São Paulo, San Lorenzo e Deportivo Táchira, respectivamente. Todos esses, no momento, estão com campanha melhor que a do Alvinegro.

Reencontro com a Arena MRV

O Atlético voltará a jogar na Arena MRV depois de quase um mês. A última vez que o Galo atuou na sua casa foi em 30 de abril, na vitória por 2 a 0 contra o Sport, pela Copa do Brasil. Desde então, entrou em campo quatro vezes, todas fora de casa, sendo duas pela Libertadores, uma pelo Brasileirão e outra pela Copa nacional.

Nesse tempo, era para o Atlético ter atuado na Arena contra Grêmio e Bahia, mas os jogos foram adiados devido à situação no Rio Grande do Sul. Jogos oficiais não aconteceram, mas, no último dia 11, quando enfrentaria o Tricolor Gaúcho, o Galo fez um treino aberto em prol do Sul e recebeu mais de 36 mil torcedores em sua casa.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo