Brasil

Como a entrada de um zagueiro mudou o Atlético-MG e salvou classificação na Copa do Brasil

Explicamos como alteração de Milito no intervalo melhorou o Galo na derrota contra o Sport

O Atlético-MG perdeu por 1 a 0 para o Sport nesta quarta-feira (22), pela Copa do Brasil, mas ainda avançou por ter feito 2 a 0 no jogo da ida. A partida foi uma das piores do Galo no ano. Sem dúvida, a pior sob o comando do treinador Gabriel Milito, que chegou em março.

Quase todos os jogadores que participaram da partida foram mal, com poucos conseguindo se salvar. O principal deles foi o jovem zagueiro Rômulo, que entrou “na fogueira” e deu conta do recado, com grande exibição.

O que se viu no primeiro tempo do Atlético na Arena Pernambuco foi um time muito espaçado, que deu ao Sport várias chances. Os buracos no meio-campo e na defesa chamaram atenção por ser algo que não havia acontecido ainda com Milito.

Diante desse cenário, o treinador fez duas alterações no intervalo: colocou os zagueiros Igor Rabello e Rômulo e adiantou Battaglia, que estava na zaga, para a função de primeiro volante.

Essa mudança surtiu efeito e os buracos diminuíram na etapa final. Battaglia fechou o meio, Rabello foi importante nas bolas pelo alto e Rômulo teve grande atuação pela esquerda, utilizando da sua velocidade, como explicou o treinador.

— As substituições no intervalo se deram por questões não estruturais. Taticamente jogamos iguais, mas necessitávamos de mais força na metade do campo. Por isso decidi por adiantar o Battaglia, para controlar mais os ataques deles. O Igor para controlar a bola aérea. E o Rômulo, simplesmente, pois necessitamos de sua velocidade, sobretudo para jogar por fora, quando o Arana adiantava para marcar o lateral deles — Gabriel Milito.

Atlético não teve mudança tática do primeiro para o segundo tempo, mas sim de característica de jogadores. Os campinhos ilustram as alterações do primeiro para o segundo tempo (Reprodução / Share My Tactics)

Partida de gente grande

O jogo no Recife foi só o segundo de Rômulo como profissional. Mas, aos 20 anos, o defensor pareceu um veterano em campo. Entrou, mais uma vez, com muita personalidade, e foi dominante defensivamente. Ele não perdeu nenhum duelo, tendo um desarme crucial, além de outros ótimos números.

  • Rômulo contra o Sport
    55 minutos
    1 corte
    4 interceptações
    4 desarmes
    4/4 duelos ganhos no chão
    0 falta cometida

Dados: Sofascore

Fora o grande desempenho, Rômulo ainda teve a tranquilidade de pedir calma aos companheiros durante o jogo, mas também de subir o tom ao encarar os adversários já nos acréscimos do duelo.

Rômulo deve ganhar cada vez mais minutos no Atlético-MG

A grande atuação de Rômulo é excelente notícia para o Atlético, que negociou o zagueiro Jemerson com o Grêmioe tem um defensor a menos no elenco. Com isso, abriu-se um espaço o jovem da base, que deve ganhar mais minutos nos próximos jogos, como já foi contra o Sport.

Rômulo é o zagueiro com mais mobilidade do Atlético no momento, então deve ser acionado sempre que Milito precisar dessa característica, como ele mesmo citou após o jogo.

Além disso, a qualidade na saída de bola também o credencia para jogar. Antes do Sport, ele havia jogado o segundo tempo contra o Fluminense, quando também deu um ótimo cartão de visitas.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo