Copa América

Ospina é o herói nos pênaltis, e Colômbia elimina o Uruguai na Copa América

Após 0 a 0 no tempo regulamentar (e duas eliminações seguidas nos pênaltis), a Colômbia foi mais eficiente e avançou à semifinal

Eliminada nos pênaltis na Copa do Mundo de 2018, e também na Copa América do ano seguinte, desta vez a marca do cal foi favorável à seleção colombiana, que contou com duas defesas de David Ospina para eliminar o Uruguai, após um 0 a 0 brigado, bem disputado, mas com poucas chances de gol no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. Enfrentará Argentina ou Equador na semifinal.

Zapata brilha

Sem Juan Cuadrado, suspenso, a Colômbia entrou com um quarteto ofensivo formado por Santos Borré, Luis Díaz, Luis Muriel e Duván Zapata. Enfrentou o tradicional 4-4-2 do Uruguai, com Rodrigo Bentancur, Matías Vecino, Federico Valverde e Arrascaeta um pouco mais solto, alimentando Cavani e Suárez.

Durante um primeiro tempo de poucas emoções, quem se destacou foi Zapata. Aos 27 minutos, recebeu o passe de Cuéllar pela esquerda, dominou abrindo para a batida. Muslera defendeu com a perna – e de qualquer maneira ele parecia impedido. O atacante da Atalanta foi novamente acionado por aquele setor, mas acabou caindo após ser pressionado por José Giménez. A um minuto do intervalo, fez uma grande jogada individual pela esquerda, passou por Giménez e, quase em cima da linha de fundo, bateu sem ângulo. Muslera defendeu, e Muriel mandou o rebote para fora.

No outro lado, o Uruguai fez muito pouco. Apenas uma finalização, para fora, e a melhor chance acabou sendo uma furada de Arrascaeta. Valverde cruzou rasteiro da direita e, dentro da área, em boa posição, o meia do Flamengo não conseguiu acertar o chute.

Uruguai melhora

Depois do intervalo, o Uruguai conseguiu chegar um pouco mais. Logo aos quatro minutos, Nández deu um cruzamento-meio-chute da ponta direita que pegou uma curva em direção ao ângulo oposto da Colômbia. De alguma maneira, Ospina conseguiu se recuperar e espalmou com uma das mãos. Arrascaeta também testou o goleiro colombiano, que agarrou o chute da entrada da área sem problemas.

Mas a primeira grande chance de verdade da etapa final foi novamente de Zapata. Borré fez um cruzamento na medida da direita, Zapata apareceu na segunda trave e cabeceou firme, para baixo. Muslera fez a defesa com o corpo. Tabárez tentou mudar o panorama com o garoto Facundo Torres na vaga de Arrascaeta. Rueda trocou Muriel e Borré por Yimmi Chará e Miguel Borja. Ninguém, porém, conseguiu evitar a disputa de pênaltis.

Pênaltis

Zapata abriu os trabalhos com uma batida alta. Cavani, com muita confiança, empatou em 1 a 1. Davinson Sánchez também bateu bem, mas Giménez cruzou para a defesa de Ospina. Vantagem para a Colômbia. Mina abriu 3 a 1, Suárez descontou com um chute rasteiro e Borja ampliou para 4 a 2. Caso o Uruguai perdesse o pênalti seguinte, seria eliminado. Viña bateu cruzado de perna esquerda, Ospina voou alto e espalmou para fora. Colômbia classificada.

.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo