Copa América 2024

Campeão Mundial em 2002 pede apoio à Dorival e diz que críticas são ‘irrelevantes’

Ex-jogador da seleção brasileira falou sobre a preparação do Brasil e comparações com outras gerações

Gilberto Silva, campeão da Copa do Mundo em 2002, concedeu entrevista para a Bet365, que realiza uma cobertura especial nesta Copa América.

Entre os vários assuntos debatidos, o ex-volante do Atlético Mineiro e do Arsenal comentou sobre sua expectativa em relação à seleção brasileira na competição.

De início, o ex-jogador comentou que o torneio continental deve servir de preparação para os próximos dois anos, cruciais para conseguir classificar e formar a equipe para a disputa da Copa do Mundo de 2026. 

— A minha expectativa para este torneio é que eles possam criar uma base para os próximos dois anos quando estiverem prontos para a próxima Copa do Mundo. Penso que esta é a melhor coisa que o Brasil pode esperar—, diz Gilberto Silva.

Para o ex-volante, Dorival Júnior precisa de todo o apoio necessário para formar uma seleção competitiva, que possa brigar pelo tão sonhado hexacampeonato mundial.

Gilberto Silva também destaca que a disputa da Copa América será uma grande oportunidade para o treinador se provar como técnico do Brasil.

— Temos de apoiar Dorival Junior na construção de sua equipe. Suas ideias, o conceito que ele queria de sua equipe, incluindo os jogadores, para construir a equipe mais forte possível. Acredito que a Copa América é uma grande oportunidade para ele, para os jogadores, se conhecerem melhor, porque não houve tempo para ele construir algo antes agora — afirma o ex-jogador.

Gilberto Silva evita fazer comparações entre gerações

O ex-jogador da seleção brasileira evitou fazer comparações entre a geração atual e a equipe campeã mundial em 2002 na Copa da Coreia e Japão.

Gilberto Silva valorizou os talentos individuais dos jogadores que estão representando o Brasil na Copa América deste ano, afirmando que o mais importante atualmente é que os atletas se concentrem em ganhar a competição.

— Vivemos com esta discussão com o Brasil de geração em geração. Experimentei algo semelhante. Algumas pessoas que são chamados especialistas, é irrelevante o que eles dizem. O importante é que os jogadores se concentrem apenas no que têm de fazer — diz Gilberto Silva.

O ciclo para a Copa do Mundo de 2002 foi doloroso, envolveu muitas mudanças, e por pouco não culminou com a não classificação do Brasil para o Mundial.

Gilberto Silva relembrou sobre o processo de transição vivida pela seleção brasileira no início dos anos 2000. Tal momento gera instabilidade em campo, o que segundo o ex-jogador é natural.

— Isso é o que fizemos no passado, especialmente quando comparo o meu tempo na equipe nacional em três períodos diferentes. Desde a Copa do Mundo em 2002 e depois a Alemanha em 2006 e, em seguida, a África do Sul em 2010, mudamos completamente de como começamos, o que é um processo normal — afirma o ex-volante que complementa:

— Os jogadores mudam, alguns foram substituídos, mas isso não significa que você não seja forte, ou que não consiga alcançar coisas porque conquistamos muito naquela época. Acho que agora é o momento de mostrar às pessoas o que cada um pode fazer, mostrando grandes resultados no campo.

Gilberto Silva

Gilberto Silva evita fazer comparações entre as gerações da seleção brasileira. Foto: Icon Sport

Momento é de focar em fazer o melhor na Copa América

Um dos pontos mais criticados pela torcida brasileira em relação ao desempenho da seleção brasileira atual é a falta de comprometimento dos jogadores.

Vestir a camisa do Brasil é uma das maiores responsabilidades e honras de um profissional do futebol, portanto, aumenta a pressão sobre quem representa o país internacionalmente.

Para Gilberto Silva, o momento é de focar em fazer o melhor, e levar o Brasil ao ponto mais alto do pódio nos Estados Unidos.

Ganhar ou perder será consequência do que acontecer durante a competição, mas cada atleta terá de estar disposto a fazer o seu melhor em campo.

— Quando você vai a uma competição, você só tem que manter o foco e certificar-se de que você faz as coisas certas. Ganhar ou perder é a consequência do que você faz no campo no dia do jogo. Mas é importante mostrar caráter, e seu espírito de luta — finaliza Gilberto Silva.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de SouzaRedator

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo