Copa América

Dez partidas marcantes da história da Copa América

É um absurdo dizer que a Eurocopa é uma Copa do Mundo sem Brasil e Argentina. Embora as duas equipes sejam, sim, as tradicionalmente mais fortes do continente sul-americano, outras equipes da América do Sul já cansaram de provar sua capacidade de protagonizar belas histórias dentro de campo. A Copa América, é claro, foi palco para muitas delas, e o clichê em relação ao torneio europeu tira do sul-americano a grande relevância que tem.

Facilmente podemos encontrar partidas marcantes da competição de nosso continente, e o verdadeiro desafio nesta matéria foi escolher apenas dez momentos. Alguns históricos, como o título do Brasil em 1997, do “vocês vão ter que me engolir”, tiveram que ficar de fora, e esta é a nossa seleção final com dez partidas que garantiram lugar de destaque na história do torneio.

16 e 17 de julho de 1916 – Argentina 0x0 Uruguai

Argentina-1916

A primeira edição da Copa América, então Campeonato Sul-Americano, teve uma questão extra-campo como fato mais marcante da campanha. A disputa contava com apenas Uruguai, Argentina, Brasil e Chile. Com a vitória por 2 a 1 sobre os brasileiros em seu penúltimo jogo, os uruguaios precisavam de apenas um empate com os argentinos na última rodada para ficar com a taça. O tempo necessário, para isso, foi mais do que o esperado. Marcada para 16 de julho, a partida teve que ser encerrada logo aos cinco minutos por causa de uma briga nas arquibancadas do Estádio GEBA, em Buenos Aires. A briga terminou com parte das arquibancadas em fogo, e o jogo foi levado no dia seguinte para Avellaneda, onde o Uruguai segurou o resultado sem gols e se sagrou como o primeiro campeão sul-americano.

29 de maio de 1919 – Brasil 1×0 Uruguai                       

Brasil-1919

A primeira grande conquista da seleção brasileira. Foi isso que a campanha de 1919 representou para a equipe, e a sensação não ficou restrita apenas à posterioridade. Disputado no Rio de Janeiro, o Campeonato Sul-Americano teve todos seus jogos realizados nas Laranjeiras, e em 29 de maio, dia da decisão, uma quantidade considerável de pessoas já se encontrava no estádio às 9h da manhã, com cinco horas de antecedência. Maior que a expectativa pelo duelo foi a sensação de alívio no momento em que Friedenreich, aos três minutos do segundo tempo da prorrogação – cujas etapas duravam 30 minutos –, pegou rebote de finalização de Heitor e empurrou para a rede. El Tigre se alçava, ali, à condição de herói nacional.

22 de outubro de 1922 – Brasil 3×0 Paraguai

Brasil-1922-Sul-Americano

Após disputar e perder o Campeonato Sul-Americano de 1921 desfalcado de alguns de seus principais destaques pela ordem vergonhosa do então presidente Epitácio Pessoa de que não levasse jogadores negros, a Seleção voltou a ter força máxima para a disputa do torneio. Em 1922, a competição foi disputada no Brasil, em meio à celebração do centenário da Independência, e ao fim das quatro rodadas, os anfitriões e o Paraguai terminaram empatados com quatro pontos. No jogo do desempate, vitória por 3 a 0 da seleção brasileira, que, mesmo desfalcada de Friedenreich, seu principal craque – contundido logo no primeiro jogo –, conseguiu despachar os paraguaios com gols de Neco e Formiga, duas vezes, encerrando a campanha invicta, com duas vitórias e três empates.

24 de outubro de 1926 – Uruguai 2×0 Argentina

Uruguai-1926

Por quase toda a década de 1920, Uruguai e Argentina dominaram o futebol sul-americano. Entre eles, venceram todas as edições da Copa América da época entre 1923 e 1929, com três títulos para cada lado. A predominância continental também se espalhou pelo planeta, e entre 1926 e 1930, as duas equipes disputaram três títulos marcantes: Campeonato Sul-Americano de 1926, Olimpíadas de 1928 e Copa do Mundo de 1930. Neste primeiro dos três encontros entre uruguaios argentinos, no torneio realizado no Chile, a Celeste levou a melhor. Até o encontro com o Uruguai, a Argentina havia dado show, goleando a Bolívia por 5 a 0 e o Paraguai por 8 a 0. Os uruguaios haviam disputado apenas um duelo: triunfo por 3 a 1 sobre o Chile. No entanto, nenhum dos adversários dos argentinos nos jogos anteriores tinha a força da Celeste. O 2 a 0 uruguaio, com gols de Borjas e Castro, catapultou a equipe e derrubou o ritmo da Albiceleste, que apenas empatou com o Chile em sua última partida, deixando ambos com cinco pontos na segunda e terceira colocações. O 6 a 0 sobre a Bolívia e o 6 a 1 diante do Paraguai confirmaram o belo futebol e o sexto título uruguaio na competição, que estava apenas em sua décima edição.

31 de março de 1963 – Brasil 4×5 Bolívia

Comandada por Aymoré Moreira, com a Seleção de Minas Gerais, então campeã brasileira, como base do time e reforçada por cariocas e paulistas que não disputavam o Rio-São Paulo, a Seleção foi à Bolívia para a disputa do Campeonato Sul-Americano. Chegou ao jogo final, contra os anfitriões, sem chances de título, mas nem por isso deixou de oferecer resistência aos bolivianos. Com os mesmos nove pontos que o Paraguai, que já havia encerrado sua participação, a seleção boliviana entrou para o jogo precisando apenas de um empate, mas sabendo que havia a chance de ficar sem a taça dependendo do tamanho de uma possível derrota. A seu favor, segundo Nílton Alípio Reina, enviado da Gazeta Esportiva ao torneio, os donos da casa tiveram a arbitragem, que teria deixado de marcar três pênaltis claros para os brasileiros, além de assinalar uma penalidade “absurda” para os anfitriões. No final, um jogo maluco, repleto de gols e definido apenas aos 41 do segundo tempo, com Alcácer fazendo o 5 a 4 para a Bolívia e garantindo o único título sul-americano da história da equipe.

4 de outubro de 1975 – Peru 0x2 Brasil

Sem sede fixa, a Copa América de 1975, a primeira com esse nome, teve cada equipe disputando duas partidas em casa na fase de grupos, de um total de quatro jogos por chave. O melhor de cada grupo e o Uruguai, campeão da edição passada, então se encontrariam nas semifinais. Vencedor do Grupo A, o Brasil teve pela frente o Peru, líder do B, no jogo de mata-mata. Na primeira partida, disputada no Mineirão, a Seleção tropeçou em seu próprio excesso de confiança. Oswaldo Brandão, então técnico da equipe, afirmava antes do jogo que tinha certeza de que passaria pelos peruanos. Resultado: 3 a 1 para os visitantes em solo brasileiro. Na volta, o Brasil precisaria vencer por três gols para avançar direto ou por dois de diferença para decidir no sorteio. Em Lima, não deu outra: 2 a 0 para os brasileiros. O sorteio, feito com papeizinhos, apontou o Peru como vencedor, e houve quem reclamou da legitimidade do sorteamento. De qualquer forma, a lição que ficou para o Brasil, que disputou grande parte do torneio com um time formado por atletas de clubes mineiros, foi de que era preciso levar para as próximas competições o melhor que tinha disponível em todo o país.

3 de julho de 1987 – Brasil 0x4 Chile

Com apenas dois jogos na fase de grupos, o Brasil parecia ter deixado a classificação ao mata-mata encaminhada após o 5 a 0 na estreia contra a Venezuela. O Chile, que completava a chave, também bateu os venezuelanos, por 3 a 1, e foi para o duelo em Córdoba como azarão. Pelo lado brasileiro, discutia-se mesmo após apenas um jogo o tamanho da premiação em caso de conquista, e a vaidade de alguns atletas, como Mirandinha e Júlio César, insatisfeitos com a reserva, era outro problema com que a Seleção tinha de lidar. No final, nada importou tanto, já que, após perder algumas chances de gol no início, o Brasil tomou um passeio dos chilenos, que abriram o placar no fim do primeiro tempo, com Basay, e decretaram a goleada no segundo, com mais um do atacante e dois outros tentos de Letelier. Uma atuação desastrosa da defesa brasileira.

9 de julho de 1987 – Argentina 0x1 Uruguai

A Argentina era a grande favorita a levar o título da Copa América de 1987. Além de ser a detentora da Copa do Mundo, vencida no ano anterior sobre a Alemanha Ocidental, a Albiceleste ainda jogava em casa. Tinha como grande arma Maradona, que apenas um ano antes havia sido o grande destaque da conquista do Mundial, e teria a seu lado o Monumental de Núñez e o clima festivo do Dia da Independência para passar pelo Uruguai, campeão da edição anterior e que entrara na disputa justamente no jogo que definiria vaga na decisão. E todos esses elementos juntos é que tornaram tão grande a queda para a Celeste. O 1 a 0, com gol de Alzamendi – herói da conquista do Mundial de Clubes pelo River Plate no ano anterior –, após jogada tipicamente sul-americana, que começara segundos antes no tiro de meta do goleiro Eduardo Pereira, foi suficiente para o anticlímax geral que tomou conta do estádio dos Millonarios.

14 de julho de 1989 – Uruguai 2×0 Argentina

Após liderar o Grupo B na primeira fase da Copa América de 1989, disputada no Brasil, a Argentina teve desempenho para esquecer no quadrangular final. Perdeu dois e empatou um jogo dos três que disputou e ficou apenas na terceira colocação, vendo o arquirrival e anfitrião ficar com o título. Um lance em especial, no entanto, inevitavelmente ficou na memória dos argentinos – e de todos que acompanharam o campeonato. Em pleno Maracanã, no duelo com o Uruguai já na fase final, Maradona ajeitou a bola do meio do campo e, com a confiança digna de um dos maiores da história, arriscou de cobertura ao ver o goleiro adiantado. Enquanto a bola percorria seu caminho, o destino parecia certo, mas caprichosamente a trave frustrou aquela que foi a oportunidade em que o Pibe chegou mais perto de balançar a rede do estádio mais emblemático do futebol brasileiro.

25 de julho de 2004 – Brasil 2×2 Argentina

Brasil e Argentina chegaram à final da Copa América de 2004, a primeira vez que os rivais se encontravam na decisão da competição, e os hermanos eram os grandes favoritos. Marcelo Bielsa, então técnico da Albiceleste, havia levado seu grupo principal para o torneio, enquanto Carlos Alberto Parreira contava com um time alternativo, repleto de jogadores que ainda buscavam seu espaço na Seleção. Apesar da superioridade no papel, na prática a Argentina tinha dificuldade para impor seu jogo. Kily González e Luisão haviam feito os gols no primeiro tempo, e César Delgado, com um tento aos 42 da segunda etapa, dava o título aos hermanos com a vitória por 2 a 1. Diante da vantagem, os argentinos tiravam onda, e um ainda novato Carlos Tevez fazia gracinha, esperando o apito final. Eis que, já nos acréscimos, Adriano recebeu na área e mandou uma bomba para deixar tudo igual. Nos pênaltis, Julio César foi decisivo no gol, e o Brasil saiu com a taça do Estádio Nacional de Lima, no Peru.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo