Brasil

Cinco pontos do Palmeiras de 2024 que não dá para entender

Palmeiras vai caminhando nas competições, mas escolhas de Abel Ferreira confundem a torcida

O Palmeiras conquistou o Campeonato Paulista, caminha para fazer a melhor campanha da fase de grupos da Copa Libertadores e está nas oitavas da Copa do Brasil. Mas não falta palmeirense descontente com o desempenho do time no ano. Em 2024, o Palmeiras ainda não conseguiu enfileirar uma sequência de bons jogos.

O mesmo time que goleia o Liverpool no Allianz (5 a 0), na Copa Libertadores, perde para o Athletico-PR (0 a 2) em Barueri, pelo Campeonato Brasileiro.

Vira sobre o Del Valle, jogando heroicamente no Equador (3 a 2), e depois empata em 0 a 0 com o São Paulo, sem qualquer inspiração, no Morumbi, também pelo Nacional.

A pontuação no Campeonato Brasileiro talvez seja a fotografia mais clara do que é a inconstância do Palmeiras neste ano. Em nono, no meio da tabela, o time tem duas vitórias, dois empates e duas derrotas em seis jogos, com três gols feitos e três tomados.

Sem poder assistir aos treinos, algo jamais permitido por Abel Ferreira e sua comissão técnica, fica difícil entender algumas decisões.

Abaixo, a Trivela lista algumas das principais dúvidas dos palmeirenses sobre o Palmeiras deste ano:

1. Por que Flaco López deixou de ter sequência?

Artilheiro do time no ano, com 11 gols, Flaco López deixou o time após a conquista do Paulista. Foi titular no Brasileiro, pela última vez, em 29 de abril, contra o São Paulo. Dali em diante, ou entrou com o jogo andando, ou nem sequer foi a campo.

Pela Libertadores, começou jogando contra o Independiente, no dia 15. Mas, contra o Botafogo-SP, na noite de quinta (23), assistiu ao jogo do banco. Abel mesmo reconheceu que Flaco não rendia antes por falta de sequência. Pois é justamente isso que está acontecendo de novo.

2. Por que Rômulo não pode começar um jogo no lugar de Raphael Veiga?

Raphael Veiga está jogando inegavelmente mal nesta temporada. Aparece e acerta muito pouco. Rômulo, ao contrário, sempre que tem uns minutos, vai bem. Na vitória que, em última instância, garantiu a vaga na Copa do Brasil, (2 a 1, em 2 de maio, sobre o Botafogo-SP), deu a assistência mágica do jogo para Estêvão definir a vitória. No duelo de volta, sequer entrou.

Abel tem seus processos, respeita hierarquias, fala em “subida de montanha”. Ok. Mas o critério principal para a escalação de um jogador não deveria ser seu rendimento quando entra nos jogos?

3. Por que Luis Guilherme não joga nunca como meia?

Foi na armação que Luis Guilherme se destacou nas categorias de base. Foi atuando como meia que ele fez o gol salvador contra o Del Valle (3 a 2). Mas, toda vez que entra, embora Veiga não jogue bem há muito tempo, vai para a ponta-direita. Não daria para testá-lo no setor?

4. Por que Rony é o jogador que mais atuou na temporada?

Exceto pelos primeiros jogos, quando chegou, em 2020, Rony nunca viveu uma fase tão ruim quanto a de agora. Mesmo assim, ganhou a disputa com seus pares e voltou a ser a opção número 1 para qualquer vaga do ataque. Com 29 jogos, o camisa 10 lidera no número de jogos disputados, com três jogos de vantagem para Aníbal, Piquerez e Ríos.

5. Por que o Palmeiras sempre joga mal após paradas mais longas

Entra como uma dúvida de 2024, mas o problema, na verdade, já vem dese 2022. Seja devido a datas-Fifa, seja por paralisação forçada ou qualquer outro motivo: se houver um intervalo maior do que três dias entre um jogo e outro, o time de Abel Ferreira vai voltar rendendo abaixo do que estava antes da parada.

Para mitigar tal problema, a comissão já instaurou ideias como jogos-treino e até treinos-coletivos com os jogadores uniformizados. Nada dá certo. O time parece perder foco e competitividade. Curiosamente, não existe uma entrevista em que Abel não mencione que o time está desgastado e peça intervalos maiores entre as partidas.

Próximos jogos do Palmeiras: datas, horários e onde assistir

  • Palmeiras x San Lorenzo — Copa Libertadores — quinta-feira, 30 de maio, às 19h, no Allianz Parque — Paramount+ (Streaming).
  • Criciúma x Palmeiras — Campeonato Brasileiro — domingo, 2 de junho, às 16h, no Heriberto Hülse — Globo (TV Aberta) e Premiere (Pay Per View)
Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo