Libertadores

Palmeiras goleia Liverpool, reabilita Veiga e vê Endrick ser personagem de tumulto

Verdão atropelou o campeão uruguaio e está praticamente classificado para as oitavas de final da competição

Não valeu a vaga nas oitavas da Copa Libertadores, ainda. Mas, além da excelente vitória por 5 a 0, a goleada sobre o Liverpool, no Estádio Centenário, teve duas funções.

Uma foi, de certo modo, reabilitar Raphael Veiga. Autor de dois dos quatro gols do time — Endrick, Gómez e Rony completaram o placar — Veiga fez uma grande partida, depois de muito tempo.

A outra foi aproximar o time da possibilidade de fazer a melhor campanha da fase de grupos. Com 10, o Palmeiras abre seis de San Lorenzo, Del Valle e Liverpool. E agora torce para o Atlético-MG, que tem 12, perder pontos.

A se destacar negativamente, uma confusão no mínimo bizarra aconteceu com Endrick. O camisa  9 fez sua imitação de King Kong, que já havia acontecido no Equador, contra o Del Valle, ao fazer o terceiro do jogo.

Mas, desta vez, os adversários entenderam as batidas no peito, características do personagem, como provocação. Talvez, por estarem bem na frente do lugar onde Endrick comemorou. E invadiram o campo para agredi-lo.

Após o jogo, Endrick explicou ao canal Paramount+, que transmitiu o jogo, que se tratava de uma alusão ao filme.

Veiga brilha

Mesmo sofrendo um gol aos 2 minutos — anulado por impedimento –, o Palmeiras foi melhor que o Liverpool desde o apito inicial. Com dois pontas bem abertos e Endrick centralizado, o Palmeiras passou a maior parte do primeiro tempo nos arredores da área adversária

A função de auxiliar o camisa 9 por dentro do ataque era de veiga e de Gabriel Menino. Mas, a maioria das jogadas do Palmeiras veio de tentativas solo do atacante. Aos 6, por exemplo, ele arrancou pelo meio da zaga e levou uma mãozada na cara ao tentar furar o bloqueio se De los Santos.

De volta ao time, Raphael Veiga fez um bom jogo. Aos 16, após uma jogada que começou com um lançamento de Piquerez para Estevão e passou por uma embaixadinha de cabeça de Endrick, o camisa 23 acertou o travessão com um belo chute da entrada da área.

Na metade do 1º tempo, o Liverpool equilibrou um pouco o jogo, com chegadas em contra-ataques. Mas perigo, mesmo, os uruguaios não conseguiram levar.

Enfim, aos 43, o Palmeiras abriu o placar. Marcos Rocha fez uma enfiada perfeita de três dedos, pelo chão. Veiga invadiu a área em velocidade e, mesmo de direita, acertou um belo chute no alto, sem chance para o goleiro Lentinelly.

Goleada

O Palmeiras não voltou para a segunda etapa na mesma pegada em que terminou a primeira. Mas, com a vantagem no placar, administrava bem o Liverpool, que não conseguia chegar.

Aos 15, aproveitando que Aníbal Moreno pediu para sair com dores na região da face, Abel fez logo três trocas. Além do argentino, o técnico sacou Estêvão e Lazaro. Colocou Zé Rafael, Luis Guilherme e Rony.

O time melhorou e ganhou velocidade na transição. Foi desse modo, em uma enfiada de Endrick, da meia-lua, que Veiga recebeu e bateu na saída do goleiro para fazer o segundo, aos 26.

Aos 30, o Verdão ia tendo um pênalti contra si. De fato, após chute de Luciano Rodrigues, a bola bate na mão de Murilo, e o árbitro aponta a infração. Mas o VAR percebe um impedimento no início da jogada e anula o lance.

E, pouco tempo depois, Endrick fez o terceiro gol, que gerou um tumulto inexplicável. Rony ganhou o escanteio no alto e a bola sobrou para Endrick subir alto no segundo pau e fazer 3 a 0.

Ao anotar o gol, Endrick comemorou imitando o King Kong. Primeiro, arrastando os braços pelo chão. Depois, batendo no peito, tal qual o personagem. O gesto, de algum modo, despertou a ira do banco de reservas uruguaio, que entrou em campo para tirar satisfação.

Ato contínuo, Endrick deixou o campo, substituído por Flaco López. O jogo já estava decidido, afinal. Mas houve tempo para Rony ainda fazer o quarto, depois de receber cruzamento de López, matar no peito e fuzilar rasteiro, aos 47.

Rony ainda sofreria um pênalti digno de pelada. Rosso simplesmente deu um pontapé na canela do camisa 10, aos 49. Gómez bateu e converteu, com tranquilidade, aos 51.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo