Brasil

Não precisar reformular elenco é um grande trunfo do Cruzeiro para 2024

Após contratar 26 jogadores de 2022 para 2023, o Cruzeiro conseguiu montar uma base sólida e poderá focar em qualidade

Diferentemente do início de 2023, quando o Cruzeiro entendeu que precisava reformular o elenco campeão na Série B no ano anterior, para pode ter um time à altura do Brasileirão Série A, a Raposa chega no planejamento visando a temporada de 2024 com outras necessidades em seu plantel. Após lutar para não cair no último nacional, é evidente a necessidade de reforços, mas com uma base sólida e de bons valores individuais, além de peças de composição interessantes, o clube celeste pode ser mais pontual nas investidas que fizer no mercado. E isso é algo muito positivo.

Dono da SAF do Cruzeiro, o ex-jogador e hoje empresário, Ronaldo Nazário, deixou claro como funcionará o planejamento da Raposa para o ano que chega. Segundo ele, em entrevista ao Canal Samuel Venâncio, o clube celeste terá um orçamento maior para contratações e que um número reduzido de atletas será contratado.

— No próximo ano, nosso orçamento aumentará consideravelmente. A prioridade é reforçar o elenco. Teremos reforços pontuais, para elevar o nível do time. Depois de uma mudança drástica, com 25 jogadores novos, o time já tem certa identidade, e temos só que melhorar o elenco com algumas peças importantes. Temos que respeitar e honrar nossas dívidas. Isso é inegociável. Temos contas a pagar, e isso tira dinheiro do futebol, mas, como aumentaremos a receita no próximo ano, logicamente o investimento no futebol aumentará também — revelou o Fenômeno.

Além disso, a tendência é que as perdas de jogadores, como é o caso do atacante Bruno Rodrigues — que não deve continuar no Cruzeiro após receber propostas que o clube celeste não entende que sejam viáveis igualar ou superar —, sejam compensadas com quantias financeiras, o que permitiria reposições à altura.

Essa possibilidade é muito interessante, pois o Cruzeiro pode focar nas posições em que mais necessita de reforços — destaco as de primeiro volante, ponta-esquerda e centroavante — e concentrar investimentos em atletas que irão chegar e jogar, reduzindo a margem de erro e a necessidade do departamento de futebol tocar diversas negociações simultâneas.

Além disso, com parte do grupo adaptado ao clube, a torcida e a cidade, além de manterem um entrosamento vindo de outra temporada, a tendência é que o time consiga se acertar e entregar um desempenho mais coeso de forma mais rápida, o que não aconteceu em 2023, onde pouco se levou dos primeiros quatro meses do ano.

Cruzeiro montou base interessante gastando pouco

Um fato a ser elogiado na montagem do elenco base do Cruzeiro é que algumas peças importantes e destaques do time chegaram ao clube sem custos, por valores baixos ou vindos das categorias de base. Hoje, pode-se dizer que o goleiro Rafael Cabral, os laterais William e Marlon, e o meia Matheus Pereira são titulares absolutos do time e devem formar a espinha dorsal da equipe.

Outros nomes, como Zé Ivaldo, João Marcelo, Lucas Oliveira, Kaiki, Lucas Silva, Filipe Machado, Ramiro, Japa, Ian Luccas, Robert e Arthur Gomes são boas opções para, se não serem encaixados no time titular, ficarem como opção de banco para eventuais necessidades. Mesmo que alguns dos nomes sejam questionados, é preciso entender que o Cruzeiro ainda não tem o patamar financeiro para ter “dois times titulares”, poucos times do Brasil têm, então é natural que haja uma redução no nível do onze inicial para os suplentes.

E esse time não precisou de muito para ser montado. Destaca-se somente os R$ 16 milhões, ainda sendo pagos em pequenas parcelas, pelo ponta Arthur Gomes. E levando em consideração os valores praticados no futebol brasileiro, não é nenhum absurdo. Além disso, Matheus Pereira tem uma cláusula de compra no valor de 12 milhões de euros, que podem ser pagos de forma parcelada, a partir do encerramento de seu contrato de empréstimo, que vai até o final de junho de 2024. Se adquirido, seria, até então, o grande investimento deste elenco.

Algumas gratas surpresas, como William e Marlon, não tiveram custos e o panorama dos jovens da base é bastante positivo e alguns deles devem ser capazes de se firmarem no time principal, como é o caso de Japa, o que faria que a formação do núcleo do elenco celeste no quesito custo x benefício se tornasse ainda mais elogiável.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo