Brasil

Sem fugir de polêmicas, Ronaldo fala de temas sensíveis à torcida do Cruzeiro

Dono da SAF do Cruzeiro, Ronaldo Nazário concedeu entrevista ao Canal Samuel Venâncio e comentou algumas das polêmicas de temporada de 2023

Ronaldo Nazário, ex-jogador e atual dono da SAF do Cruzeiro, concedeu entrevista exclusiva ao Canal Samuel Venâncio e falou sobre diversos temas caros à torcida celeste. A Trivela repercutiu parte da entrevista, focando mais nos assuntos relacionados ao planejamento da Raposa para 2023. Mas além de falar dos planos organizacionais do clube mineiro, o “Fenômeno” também foi questionado acerca de temas sensíveis e polêmicos. Os torcedores podem ou não gostar de certas respostas, mas é fato que o gestor não se escondeu.

O executivo falou sobre possibilidades de venda de Cruzeiro e Valladolid, críticas recebidas por suposta ausência do dia a dia do clube, impressão de soberba e arrogância passada pela diretoria, trabalho de Paulo André e Pedro Martins, polêmica envolvendo Elias e ações de torcidas organizadas. Veja:

Ronaldo pretende vender o Cruzeiro?

Uma dos questionamentos polêmicos feitos pelo repórter Samuel Venâncio a Ronaldo foi sobre uma possível venda do clube no futuro e se Pedro Lourenço, o Pedrinho BH, dono de uma rede de supermercados e um dos principais investidores do clube, seria um potencial comprador. O Fenômeno então revelou ter uma forte relação de amizade com o empresário mineiro e deixou portas abertas para uma saída do Cruzeiro, mas garantiu que se trata de uma possibilidade ainda distante.

— Tenho um carinho enorme, um amor muito grande pelo que temos feito e pelo clube, mas não ficarei para sempre. E o Pedrinho será o primeiro a ser consultado neste caso. Está longe ainda, muito longe esse horizonte, mas o Pedrinho estando perto me dá uma garantia — revelou Ronaldo.

De acordo com o dono de 90% da SAF do Cruzeiro, Pedrinho hoje é um dos parceiros mais fortes do clube e está sempre disposto a ajudar. Ronaldo contou que muitas vezes a diretoria precisa frear o empresário, que quer investir e comprar grandes jogadores a todo momento. Para o Fenômeno, Pedro Lourenço, que em muitas oportunidades cedeu dinheiro ao clube em “fundo perdido”, ou seja, sem retorno, vê que hoje o que é aportado no clube é de fato um investimento, com potenciais ganhos futuros. R9 disse ainda que a diretoria celeste entende que tem em Lourenço uma “bala potente” para um investimento mais alto, mas que será feito “na hora certa”.

— A relação com o Pedro é maravilhosa, já virou um amigo. É um cruzeirense louco, apaixonado pelo nosso clube. Ajudou e ajuda muito no processo atual. Ele é fora da curva e o sucesso dele é justificável pela maneira de encarar a vida. Por ele, investia pesado. Ele quer comprar jogador, a gente tem que segurar. Mas na hora certa vamos usar essa bala potente do Pedrinho e voltar às glórias do Cruzeiro. Com calma, ele está entendendo muito mais a nossa gestão. Hoje ele vê que o investimento tem retorno — revelou o três vezes melhor jogador de futebol do mundo.

Ronaldo ainda deu a entender que enxerga um teto em seu trabalho na Raposa e que quando esse momento chegar, Lourenço poderá ser o homem certo para continuar subindo degraus.

— Chegará um momento em que o Cruzeiro precisará dar um passo a mais, e tenho certeza que o Pedrinho seria um cara perfeito para dar esse passo à frente — opinou Ronaldo.

E o Valladolid?

Ronaldo não quis revelar se pretende ou não vender o Real Valladolid, time de sua propriedade na Espanha, mas afirmou que tem sido muito desgastante gerir dois clubes. Por outro lado, disse que ainda tem prazer em gerir os dois clubes e que não sabe dizer o que vai acontecer no futuro.

Ausências de Ronaldo e críticas a Paulo André e Pedro Martins

Ronaldo comentou também sobre as críticas que recebe por muitas vezes não estar presente no dia a dia do clube. Para exemplificar, o gestor foi muito cobrado pelas viagens que fez durante o período em que o Cruzeiro vivia grande crise, com riscos de rebaixamento, no Brasileirão. Segundo ele, seus compromissos pessoais são importantes, é o trabalho dele, o seu ganha pão e algo que ele gosta de fazer. O Fenômeno afirmou que não é seu papel ser o porta-voz do clube e que tem gente muito competente no clube, pessoas que foram contratadas para assumirem essa função.

De acordo com Ronaldo, ele tenta se manter perto na medida do possível, mas que não se envolve em muitas áreas do clube, as quais acredita não ter competência. O empresário afirmou que sua maior valência para o Cruzeiro hoje é a capacidade que tem de escolher bons profissionais para gerirem o clube. O mandatário celeste acredita que possui a melhor equipe do futebol brasileiro e discordou das críticas a Paulo André e Pedro Martins, nomes fortes do futebol celeste.

— Primeiro é a confiança que eu tenho no trabalho dele (Paulo André), em como ele enxerga e pensa em fazer e desenvolver o futebol. O resultado esportivo muitas vezes não está em nossas mãos. No planejamento esportivo a gente não planeja que, por exemplo, o Gilberto faça só três gols (no Campeonato Brasileiro) e perca tantas oportunidades como perdeu. Ninguém imaginava isso e quando anunciamos ele foi unanimidade na torcida e entre os jornalistas que foi uma boa contratação, uma garantia de gols. Para mim, o Paulo é o cara que mais entende de futebol. Todo mundo pode errar, tomar decisões equivocadas, a gente pode oscilar, mas o gráfico está indo para cima e é isso que a gente quer. — começou Ronaldo.

— Acho que a minha grande habilidade nessa gestão foi escolher pessoas incríveis para estarem do meu lado, tanto no departamento de futebol com Paulo André e Pedro Martins, que na minha visão são os caras que mais entendem de futebol hoje no Brasil, que falam com profundidade de todo o ecossistema do futebol, não é uma conversa rasa, juntamente com o Paulo Autuori, que é uma lenda do nosso futebol e ouvir ele falando sobre isso soa como música. E na área administrativa, o Gabriel Lima é um dos melhores CEO do Brasil e hoje, com muita dificuldade, eu consigo mantê-lo porque grandes multinacionais já vieram atrás dele por causa do sucesso de gestão que eles está tendo. Mas é um cara comprometido comigo, com o projeto — completou o Fenômeno.

Soberba e arrogância?

Ronaldo disse, ainda, que a impressão de que a gestão do Cruzeiro é “arrogante” e que “acha que somente ela entende de futebol” é equivocada. Que ninguém no clube e nem ao seu entorno tem esse perfil e que sua equipe procura evoluir, aprender, respeita a opinião alheia, mas que é preciso ter convicção no que eles fazem, acreditar no que eles pensam de futebol.

— Não existe arrogância do nosso lado. O Ronaldo humilde, de sempre está aqui. As portas estão abertas para imprensa, torcida — afirmou o ex-atacante.

Ronaldo defende Elias

Ronaldo também defendeu o ex-jogador Elias, hoje uma espécie de olheiro de sua holding, que atua no controle do Cruzeiro e do Valladolid, time de propriedade do Fenômeno na Espanha. O ex-volante foi filmado junto de Fábio Santos, seu ex-companheiro de time e agora também aposentando, cantando músicas em exaltação ao Corinthians.

— Fábio Santos foi amigo dele, jogou com ele por muito tempo. É um detalhe sem importância (ter participado da festa). O mundo está com uma certa hipocrisia. Ele mapeia o mercado, está próximo no Valladolid e no Cruzeiro, mas isso não impede de ter as relações pessoais dele — defendeu.

O Fenômeno ainda comparou a situação de Elias com a de jornalistas/torcedores, perfil cada vez mais comum na imprensa. Segundo o mandatário, os alguns profissionais da área torcem, comemoraram quando seu time ganha e criticam quando perde, e que não deveria ser assim, que a imparcialidade aprendida na faculdade deveria ser colocada em prática.

Ele disse que enquanto seus funcionários estiverem entregando um resultado satisfatório, sendo esta a avaliação do que Elias tem feito, não haverá problemas em manifestações pessoais como aquela em questão.

Investidor que não investe?

Outro ponto comentado por Ronaldo foi às críticas que o colocam como um “investidor que não investe”. Mais uma vez, o empresário rechaçou a denominação e revelou que foi “o último para quem ofereceram o Cruzeiro”. Segundo ele, mais de 50 pessoas tiveram a possibilidade de comprar a SAF do clube, mas que ninguém quis e que ele viu uma oportunidade no negócio. O ex-camisa 9 da Seleção Brasileira afirmou que valorização de patrimônio e ganhos potenciais fazem parte do pacote e também tiveram seu grau de importância na aquisição.

Torcidas organizadas e “protestos financiados”

Ronaldo ainda apontou a necessidade da criação de uma “Lei Geral do Esporte”, para regulamentar as práticas do futebol brasileiro, principalmente em relação ao tema da violência. Segundo ele, é preciso combater quem não quer torcer com civilidade, por não ser justo quem trabalha no clube, o torcedor de bem, ser penalizado por atos criminosos de outras pessoas.

Ronaldo revelou, ainda, que desde que a SAF foi implementada no Cruzeiro, há um trabalho de mapeamento de alguns protestos que vem ou outra acontecem por meio de faixas que são colocadas por Belo Horizonte. De acordo com o Fenômeno, é utilizada a mesma fonte que “os caras das antigas utilizavam”, afirmando se tratar de “protestos financiados”. Apontou que é importante que o torcedor fique ciente disso.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo