Brasil

Como escalar Renato Augusto? Fluminense demora a encontrar encaixe para reforço

Grande reforço do Fluminense para 2024, Renato Augusto ainda não deslanchou, e Fernando Diniz tenta encaixá-lo no time

O Fluminense que venceu o Sampaio Corrêa por 2 a 0 na Copa do Brasil teve muitas mudanças, e algumas delas corresponderam. Um dos grandes nomes entre os escalados, entretanto, ainda não se encontrou na equipe: Renato Augusto. O técnico Fernando Diniz demora a achar um encaixe para o camisa 20, o que na teoria parecia fácil quando o jogador foi contratado.

A qualidade de Renato dispensa comentários. Desde a estreia, quando atuou como um meia por dentro, o jogador de 36 anos mostrou que poderia ajudar muito o Tricolor na temporada. Embora tenha chegado em janeiro, antes mesmo dos titulares que tiraram férias após o Mundial de Clubes, entretanto, o veterano ainda não tem um lugar no time. E não por falta de tentativa.

Ainda sem deslanchar no Fluminense, Renato Augusto jogou como um falso 9 contra o Sampaio Corrêa na Copa do Brasil - Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC
Ainda sem deslanchar no Fluminense, Renato Augusto jogou como um falso 9 contra o Sampaio Corrêa na Copa do Brasil – Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC

Fernando Diniz já tentou utilizar Renato Augusto em diferentes funções. Nas últimas chances que teve, o meia de ofício atuou mais avançado, no ataque. Antes, já tinha jogado em sua posição original e até mais recuado, quase como um volante, outra função que já desempenhou na carreira.

— É um jogador que dispensa comentários, história linda no futebol, extremamente talentoso, que decide jogo. Todas as informações são que ele é um grande profissional, excelente caráter e ótimo amigo. Jogador para mim fala a partir de seus gestos dentro do campo. Há muito tempo admiro o Renato e para a gente vai ser uma alegria e honra muito grande contar com tamanho talento e tamanha integridade pessoal — comentou Diniz após o acerto com Renato Augusto, em dezembro.

A experiência de Renato Augusto como atacante no Fluminense

Para ter Renato Augusto junto a jogadores importantes como Arias e Ganso, Diniz tentou alguns arranjos. Nos clássicos contra Vasco e Flamengo pelo Campeonato Carioca, a ideia do treinador foi ter o camisa 20 em uma função quase única no futebol.

Mais do que como um falso 9, Renato simulava uma ideia dos estudos táticos de recriar o que Johan Cruyff fazia na Holanda de 1974, comandada por Rinus Michels. Assim joga Thomas Muller no Bayern de Munique e na Alemanha.

Fernando Diniz ainda não encontrou a melhor maneira de utilizar Renato Augusto no Fluminense - Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC
Fernando Diniz ainda não encontrou a melhor maneira de utilizar Renato Augusto no Fluminense – Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC

Não como um ponta ou um centroavante. A expressão alemã raumdeuter, um “intérprete de espaços” em tradução livre, é o que define a função.

Na vitória sobre o Sampaio Corrêa, Renato Augusto cumpriu a função pedida por Fernando Diniz, mais próxima a um falso 9. E, taticamente, funcionou. O camisa 20 conseguiu mexer nas linhas de defesa do time maranhense e abrir espaço para os meias e pontas na entrada da área. Mas participou pouco do jogo com a bola, o que é um desperdício.

As novas funções de Renato Augusto no Fluminense

Tudo é diferente para Renato Augusto no Fluminense. Desde 2013, quando voltou ao Brasil pela primeira vez, o jogador atuou apenas pelo Corinthians, onde criou identificação e se tornou um ídolo. Tanto que, ao reencontrar a Fiel na Neo Química Arena, na semana passada, ele foi muito aplaudido.

Mas dentro de campo, Renato cumpre funções que não fazia há tempos. O mapa de calor de 2024, embora sejam apenas 13 jogos, mostra um posicionamento muito diferente em relação a 2023, sua última temporada no Corinthians.

Renato Augusto e Ganso jogaram pouco juntos no Fluminense

Nos clássicos, a tentativa de ter o meia junto aos titulares de 2023 deu certo em alguns momentos, mas o Flu se ressentiu de mais profundidade. Exceto na semifinal contra o Fla, quando nada funcionou no time. Não por culpa de Renato Augusto.

— Mas a gente não criou e a gente não marcou. É sempre essa coisa fácil, e o futebol não é fácil assim. Não é porque jogou o Renato Augusto e o Ganso. A gente errou uma enormidade de passes, saiu jogando mal, escolheu mal se saia jogando curto ou longo. O time não existiu por conta de um todo, não é por causa dessa coisa fácil. Se quiserem achar isso podem achar — opinou Diniz.

Renato Augusto e Ganso estiveram juntos por poucos minutos no Fluminense em 2024 - Foto: Divulgação/CONMEBOL
Renato Augusto e Ganso estiveram juntos por poucos minutos no Fluminense em 2024 – Foto: Divulgação/CONMEBOL

Ainda assim, foram apenas quatro oportunidades de Ganso e Renato Augusto juntos. Além dos jogos contra Flamengo e Vasco, os dois dividiram minutos contra Bangu e Sampaio Corrêa-RJ no Campeonato Carioca. Mas Diniz ainda não desistiu disso, e com todos à disposição, voltará a buscar arranjos para tê-los lado a lado no Fluminense.

— O Ganso é craque. É um jogador que admiro bastante, mas já passei por situações assim na minha carreira — opinou Renato Augusto.

— Isso cabe ao Diniz. Em alguns momentos, um joga e outro não. Em outro momento, os dois podem jogar juntos. O importante é ter opções em um calendário violento como o nosso. Se você não tiver opções, você começa a abrir mão de competições. O pensamento é mais de ajudar do que brigar por posição. Eu acredito que o elenco é o que te dá títulos — finalizou o meia.

Mesmo sem vaga no time, Renato Augusto é líder no elenco

Aos 36 anos, Renato Augusto pode não ser titular do Fluminense até aqui, mas engana-se quem pensa que o jogador não tem um papel importante. Mesmo recém-chegado, o meia já é um dos líderes do elenco.

Experiente, líder e vencedor, Renato Augusto já chegou campeão da Recopa pelo Fluminense em 2024 - Foto: Icon sport
Experiente, líder e vencedor, Renato Augusto já chegou campeão da Recopa pelo Fluminense em 2024 – Foto: Icon sport

Isso ficou claro nas últimas semanas, em meio à má fase que o Tricolor viveu — dentro e fora de campo, de acordo com apuração da Trivela. Ao seu estilo, Renato se mostrou favorável a uma segunda chance aos jovens afastados por indisciplina, bem como os outros líderes do elenco.

No vestiário e nos treinamentos, é normal vê-lo dando instruções e conselhos aos companheiros. Se ainda não deu a resposta esperada dentro de campo, fora dele, Renato Augusto já se mostra uma aposta acertada do Fluminense na leitura da cúpula de futebol.

Próximos jogos do Fluminense

Veja os próximos confrontos do Fluminense na continuação da temporada:

  • Fluminense x Atlético-MG — Campeonato Brasileiro — sábado, 4 de maio — 16h (horário de Brasília);
  • Colo-Colo x Fluminense — Libertadores — quinta-feira, 9 de maio — 21h (horário de Brasília);
  • São Paulo x Fluminense — Campeonato Brasileiro — segunda-feira, 13 de maio — 19h (horário de Brasília).
Foto de Caio Blois

Caio Blois

Caio Blois nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e se formou em Jornalismo na UFRJ em 2017. É pós-graduado em Comunicação e cursa mestrado em Gestão do Desporto na Universidade de Lisboa. Antes de escrever para Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo