Brasileirão Série A

Priorizar logística custou ao Grêmio mais uma derrota e atrito com a torcida

Tricolor Gaúcho teve muito menos torcedores, mesmo como mandante, no jogo contra o Botafogo, em Cariacica/ES

A espetacular atmosfera criada pela torcida nos jogos da Libertadores indicou que o Couto Pereira, em Curitiba, poderia ser a sede fixa do Grêmio enquanto a Arena é recuperada depois das inundações em Porto Alegre. Mas não foi bem assim.

Ao priorizar a logística, já que na última quinta-feira (13) enfrentou o Flamengo, no Rio de Janeiro, o Grêmio acertou com o Botafogo que os jogos entre as duas equipes no Campeonato Brasileiro seriam em campo neutro. O do primeiro turno, no Kleber Andrade, em Cariacica/ES. O do segundo, no Mané Garrincha, em Brasília.

O primeiro encontro, teoricamente com mando gremista, não foi positivo para o Tricolor Gaúcho, que perdeu por 2 a 1 no início da noite de domingo (16). Cuiabano, na Lei do Ex, e Júnior Santos marcaram para o Botafogo, enquanto Gustavo Nunes fez para o Grêmio.

Esta foi a quarta derrota consecutiva do Tricolor Gaúcho no Campeonato Brasileiro. Com o novo insucesso, que sucedeu aos para Bahia, RB Bragantino e Flamengo, o Grêmio entrou na zona de rebaixamento. Ocupa a 17ª colocação, com 6 pontos em 7 jogos.

Renato lamenta jogar fora de casa, mas diz que Grêmio fez a melhor escolha

Além do desgaste oriundo da sequência de jogos a cada três dias, que obrigaram Renato Gaúcho a mexer no time, outro aspecto que ajuda a explicar a última derrota gremista é o ambiente criado no Kleber Andrade. Com cerca de 500 km de Cariacica ao Rio de Janeiro, contra aproximadamente 2.000 km de Porto Alegre, as arquibancadas do estádio contaram com predomínio de botafoguenses, como ressaltou o próprio treinador gremista.

— É muito difícil jogar fora de casa. Hoje o mando era do Grêmio, mas 90% do estádio era do Botafogo. Peço que o torcedor entenda nossa situação — lamentou Renato.

Ao ser lembrado por um repórter que a escolha de mandar o jogo em Cariacica foi consentida pelo Grêmio, Renato explicou que era a alternativa mais viável. Até para não precisar, efetivamente, jogar como visitante no segundo turno.

— Eram os dois jogos em Brasília, mas teve um show. Se jogássemos em qualquer outro lugar, teríamos que jogar o jogo do segundo turno no Engenhão, na grama sintética. Esse foi o acordo que os presidentes fizeram. Eu entendo que o torcedor quer a gente próximo, mas foi a melhor decisão — ressaltou.

Declaração do presidente Alberto Guerra pega mal com a torcida

Antes do jogo, o presidente Alberto Guerra já havia se pronunciado sobre o tema em entrevista coletiva. E relembrou da única partida que o Grêmio mandou em Curitiba pelo Campeonato Brasileiro.

— Provavelmente esses que estão reclamando não estiveram no jogo do Bragantino. Tinham só 7 mil pessoas.

A declaração não pegou nada bem entre a torcida do Grêmio. Guerra e seus pares de direção tem sido muito criticados nas redes sociais. Ainda mais, é claro, depois da derrota.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho, formado em jornalismo pela PUC-RS e especializado em análise de desempenho e mercado pelo Futebol Interativo. Antes da Trivela, passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo