Brasileirão Série A

Por que São Paulo considera a contratação de James Rodríguez um bom negócio

As atuações até dizem que não, mas acredite: James também deu certo no São Paulo

Cada exibição de luxo de James Rodríguez pela Colômbia na Copa América só faz crescer a sensação de que a contratação do meia pelo São Paulo foi um fracasso. Mas o clube não entende assim. Nos bastidores, o Tricolor considera que a chegada do colombiano é um negócio que deu certo — fora de campo, claro.

Antes de mais nada, que se diga o óbvio: James decepciona o São Paulo por seu rendimento. Especialmente na comparação com as suas atuações pela seleção colombiana.

O meia é pela Colômbia o protagonista que nunca conseguiu ser pelo clube, a ponto de não fazer parte dos planos de Luis Zubeldía. O meia soma apenas 22 jogos pelo clube, com dois gols e quatro assistências.

O James Rodríguez de dentro de campo decepciona. Mas a avaliação muda quando o São Paulo leva em conta tudo o que a sua contratação trouxe de positivo para o clube.

Por que o São Paulo vê James como contratação que deu “certo”

  • clube vê James como jogador que extrapola o mundo do futebol;
  • James ampliou alcance do São Paulo e exposição da marca nas redes sociais;
  • a avaliação é de que negócios fechados pelo clube foram impulsionados por James;
  • nos bastidores, clube entende que chegada de James ajudou a “convencer” Lucas;
  • chegada do colombiano também mudou ambiente para semifinal da Copa do Brasil.
Com seis do futebol brasileiro, Colômbia anúncia pré-lista para Copa América
James Rodríguez não cansa de ser protagonista pela seleção colombiana (Foto: Icon Sport)

James mudou São Paulo de patamar

O São Paulo entende que James Rodríguez mudou o clube de patamar tão logo ele foi oficializado como reforço. A começar pelas redes sociais. O vídeo do anúncio do atleta publicado pelo Tricolor supera as 11 milhões de visualizações no “x”.

No Instagram, as publicações em colaboração com o meia ajudaram a impulsionar o perfil do clube. James tem 51,1 milhões de seguidores — quase dez vezes mais do que os 6,6 milhões de seguidores do São Paulo.

Clube e atleta prometeram “coisas incríveis” no anúncio. Elas não aconteceram dentro de campo, mas sim nos negócios feitos pelo São Paulo.

A avaliação interna é de que toda essa exposição global ajudou o clube a “furar a bolha” do futebol e atingir outros seguimentos do mercado. E isso se refletiu diretamente nos negócios com patrocinadores e parceiros firmados pelo São Paulo no início do ano.

A diretoria entende que o clube só alcançou as cifras mais elevadas nestas negociações porque tinha o meia como chamariz em seu elenco.

Foi assim que o Tricolor fechou, por exemplo, o acordo com a Superbet para ser sua patrocinadora máster por um valor de R$ 52 milhões por temporada. O mesmo vale para a venda dos naming rights do MorumBIS, por R$ 75 milhões em três anos.

Negócios fechados pelo São após James

  • Naming Rights do MorumBIS — R$ 75 milhões por três anos;
  • Superbet como patrocinadora máster — R$ 156 milhões por três anos;
  • Exploração do MorumBIS para shows — R$ 60 milhões por cinco anos.

E acredite: James também “ajudou” em campo

Aí vai uma frase no mínimo polêmica (para não dizer contraditória): o São Paulo só conquistou o título inédito da Copa do Brasil graças a James, mesmo que ele não tenha atuado um minuto sequer no decorrer da campanha.

É que o São Paulo acredita que a contratação de Lucas Moura só foi possível pela chegada anterior do colombiano. Na janela de meio de temporada no ano passado, a contratação de Lucas era tratada como um sonho bastante distante — se não, impossível.

Mas o clube anunciou James no dia 29 de julhoE três dias mais tarde, chegava a um acordo com o atacante. E o camisa 7 viria a ser decisivo no título da Copa do Brasil. Ele marcou o gol da classificação sobre o Corinthians na semifinal.

James jogou apenas 22 partidas pelo São Paulo (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

São Paulo cogita reintegrar James

As boas atuações pela Colômbia na Copa América (ainda) não alteram os planos do São Paulo para James. O clube ainda pretende negociar o atleta e conta com seu destaque na competição para isso.

O trabalho da diretoria do clube a partir de agora será reduzir o prejuízo ao mínimo possível. James tem contrato com o São Paulo até o junho de 2025.

A grande questão é que ele tem 2 milhões de euros (R$ 11,12 milhões) a receber referentes a luvas e a uma cláusula em seu contrato. Este é o valor que o Tricolor precisará resolver para liberá-lo.

Com tudo isso, o Tricolor até cogita reintegrar James caso não surjam equipes interessadas em sua contratação. Mas a utilização do meia dependeria também de uma conversa com Zubeldía.

— Terminando a Copa América, se não tiver nenhuma proposta de saída que nos atenda, ele volta ao elenco. Óbvio que a escalação do James ou não é uma decisão do treinador. A gente não se mete nisso. Nós estamos observando. O James nunca nos deu nenhum tipo de problema

— É mais uma questão de adaptação ao futebol brasileiro, que não é tão simples. O futebol brasileiro é voltado à intensidade, e isso o James tem sofrido um pouco. Mas ainda há possibilidade de ser reintegrado ao elenco, ele se dá bem com todo mundo — Carlos Belmonte, diretor de futebol, à CazéTV.

> Os próximos três jogos do São Paulo

  • São Paulo x Red Bull Bragantino — Brasileirão — sábado (6), às 21h (horário de Brasília);
  • Atlético-MG x São Paulo — Brasileirão — quinta-feira (11), às 21h30 (horário de Brasília);
  • São Paulo x Grêmio — Brasileirão — quarta-feira (17), às 20h (horário de Brasília).
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo DecontoSetorista

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo