Copa do Brasil

Lucas repete Raí, e São Paulo domina o Corinthians para ir à final da Copa do Brasil

São Paulo vence o Corinthians por 2 a 0 no Morumbi lotado e reverte desvantagem na semifinal da Copa do Brasil

Se a vida imita a arte, ou a arte imita a vida, eu não sei. E pouco importa. O fato é que nesta quarta-feira (16), Lucas Moura imitou Raí, e a realidade repetiu a história no Morumbi. Tal qual o ídolo campeão mundial em 1998, o camisa 7 voltou da Europa às vésperas de uma decisão com o Corinthians em que o São Paulo vinha de desvantagem após perder o duelo de ida por 2 a 1.

Exatos 25 anos atrás, o Tricolor reverteu o placar e foi campeão paulista. Em 2023, o São Paulo dominou o Corinthians do início ao fim, venceu por 2 a 0, e garantiu a vaga na final da Copa do Brasil com uma atuação que é prova viva de que a torcida conduz, sim, a equipe. Ainda mais em noite de recorde. Foram mais de 62 mil presentes no Morumbi para empurrar Wellington Rato e Lucas Moura, autores dos gol que mantêm vivo o sonho são-paulino por um título inédito.

São Paulo

Se houvesse um verbete no dicionário para descrever a conexão entre arquibancada e campo, ele poderia tranquilamente ser escrito com inspiração no que se viu nesta quarta-feira no Morumbi. A “torcida que conduz” de fato conduziu o São Paulo desde a recepção com uma festa que coloriu o entorno do estádio de vermelho ao que foi um primeiro tempo em que o Tricolor jogou (e muito), e o Corinthians apenas tentou (em vão) se defender. Lucas Moura mostrou em cada um dos 45 minutos iniciais como ele faz muita diferença para a equipe. Em termos de entrega, de qualidade, de poderio decisivo… E por aí vai. Mas o camisa 7 ídolo que me desculpe. Porque o primeiro tempo foi de Wellington Rato.

Ele era surpresa de Dorival Júnior em uma escalação que amassou o rival com 16 finalizações apenas antes do intervalo. O Corinthians que entrou com uma formação conservadora para dar a vida por um empate no Morumbi virou presa fácil. E tudo começou num golaço de Rato. Aos 13, o meia-atacante recebeu na entrada da área e emendou de pé esquerdo, no ângulo, sem chances para Cássio. O Morumbi respondeu com uma explosão de uma festa que contagiou a equipe ao longo de toda a noite. Lucas Moura parecia o fio condutor dessa sinergia. Desarmava, levava perigo… Decidiu. Aos 32, ele levantou para Rato e correu para dentro da área. A devolução veio de cabeça, assim como a finalização do atacante, que ainda se embolou com o goleiro rival e entrou junto com a bola.

O segundo tempo começou, e a pressão que se esperava do Corinthians não veio junto com ele. Para falar a verdade, o São Paulo voltou do intervalo como se nem tivesse descido aos vestiários. Estava muito mais perto do terceiro gol do que de ver o rival descontar a vantagem. Calleri até tentou o que seria um golaço de letra, mas parou em Cássio e estava impedido. Foi Wellington Rato, porém, quem mandou para os ares (literalmente) a chance de encaminhar cedo a classificação. O meia-atacante recebeu dentro da área do centroavante argentino e bateu de primeira de pé esquerdo, para tentar tirar a bola dos defensores rivais em cima da linha. Tirou tanto, mas tanto, que mandou por cima do gol.

E chances como esta em um Majestoso de mata-mata costumam fazer diferença. Pois o São Paulo começou a errar muitos passes, e o Corinthians começou a ameaçar, especialmente com Wesley. O atacante infernizou a defesa do São Paulo. Em um lance, a bola chegou a Maycon, que chutou de dentro da área com perigo. Depois, o próprio Wesley chutou e fez a bola passar perto da trave de Rafael. Rafael que ainda faria uma grande defesa em finalização de Matías Rojas. O Tricolor até respondeu com Alisson, de cabeça, mas ele parou em Cássio. E enquanto a torcida se dividia entre fazer festa e contar os minutos até o fim do jogo, a equipe de Dorival Júnior se segurou. E o fim do jogo chegou, com classificação são-paulina à final.

São Paulo embolsa R$ 30 milhões e busca do título inédito

O torcedor são-paulino pode dormir sob a tranquilidade de quem está na final, à espera de Flamengo ou Grêmio, e embolsou mais R$ 30 milhões na Copa do Brasil – a premiação na competição já é de R$ 48,7 milhões. O Tricolor alimenta o sonho de conquistar o título inédito e retorna à decisão após 23 anos. Não bastasse tudo isso, a equipe também está viva na Sul-Americana: enfrenta a LDU na próxima quinta-feira, pelas quartas de final. Mas antes, o compromisso é neste sábado, contra o Botafogo, no Morumbi, pelo Brasileirão.

Ao Corinthians, resta sonhar com a Sul-Americana

Eliminado na Copa do Brasil, o Corinthians vê ruir o que era uma invencibilidade de 11 jogos sob o comando de Vanderlei Luxemburgo. E é justamente essa série invicta que permite à equipe não apenas jogar para encerrar o ano na elite, mas também sonhar com objetivos maiores na temporada. O Alvi-Negro segue vivo na Sul-Americana e terá pela frente o Estudiantes nas quartas de final já a partir da próxima terça-feira (22). No Brasileirão, a briga agora será para subir na tabela e tentar beliscar vaga na Libertadores de 2024. A equipe volta a campo no sábado (19), quando enfrenta o Cruzeiro às 21h (horário de Brasília), no Mineirão.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Jornalista pela PUCRS, é setorista de Seleção e do São Paulo na Trivela desde 2023. Antes disso, trabalhou por uma década no Grupo RBS. Foi repórter do ge.globo por seis anos e do Esporte da RBS TV, por dois. Não acredite no hype.
Botão Voltar ao topo