Inglaterra

Jim Ratcliffe, CEO da INEOS e dono do Nice, declara que quer comprar o Manchester United

Atual dono do Nice, Jim Ratcliffe, dono da INEOS, está disposto a comprar o Manchester United, se os Glazers estiverem dispostos a vender

O bilionário britânico Jim Ratcliffe declarou que quer comprar uma participação no Manchester United com o objetivo de assumir controle do clube se os Glazers estiverem dispostos a receber um novo investimento. Em entrevista ao Times, o CEO da INEOS confirmou o interesse, em um momento em que a venda do clube é especulada e vista como possível pelo mercado.

“Se o clube estiver à venda, Jim é definitivamente um comprador potencial”, afirmou um porta-voz da INEOS. “Se algo assim fosse possível, nós estaríamos interessados em conversar sobre uma propriedade a longo prazo”.

A declaração veio como uma resposta à notícia publicada pela Bloomberg. A publicação afirma que os Glazers consideram vender ações minoritárias do clube, o que levou a um aumento acentuado das ações do clube na bolsa. Isso apesar de um início bastante ruim da temporada do clube em campo, com duas derrotas em dois jogos pela Premier League.

O porta-voz da INEOS afirma que o novo investimento poderia ser usado para melhorar a infraestrutura do clube, incluindo o estádio de Old Trafford, que é visto como um grande estádio que precisa muito de melhorias. O Centro de Treinamentos do clube também é visto como uma estrutura desatualizada para os padrões atuais.

“Isso não é sobre o dinheiro que foi gasto ou não. Im está olhando para o que pode ser feito agora e, sabendo o quanto o clube é importante para a cidade, sente que é o momento de uma reinicialização”, disse ainda o porta-voz da INEOS.

Ratcliffe entrou tardiamente com uma proposta para comprar o Chelsea, ainda em maio. Sua proposta não teve sucesso e ele mostra que tem muita vontade de entrar no futebol. Neste caso, é ainda mais pessoal para o empresário, porque ele é torcedor do Manchester United.

A proposta para a compra do Chelsea foi de £ 2,5 bilhões iniciais e mais £ 1,75 bilhão diluídos nos próximos 10 anos, totalizando, assim, £ 4,25 bilhão. O Chelsea foi comprado pelo consórcio liderado por Todd Boehly em um valor total de € 5,24 bilhões (£ 4,4 bilhões), entre investimento inicial e mais o valor a ser investido ao longo dos próximos 10 anos.

A INEOS já é dona do Nice, na Ligue 1, comprado em 2019 por um valor maior que o do PSG, mas com um projeto bastante diferente. O clube tem o projeto de chegar entre os principais da França e tem ficado sempre entre os primeiros colocados. Nesta temporada, o clube levou Kaspar Schmeichel e Aaron Ramsey, dois veteranos, mas tem se caracterizado por contratar e desenvolver jovens jogadores.

A torcida do Manchester United protesta contra os donos há muito tempo. Os Glazers compraram o clube em 2005 e desde então há protestos constantes contra o grupo. Especialmente porque o clube tem tomado más decisões esportivas há anos, ficando muito atrás dos rivais até mesmo em infraestrutura. Tanto o estádio Old Trafford quanto o Centro de Treinamento em Carringtron já foram referências, mas atualmente são vistos como ultrapassados se comparados a rivais.

A venda do Manchester United era vista como improvável e o próprio clube tratou de negar as últimas vezes que surgiram os rumores. Desta vez, porém, matéria do Independent, outro veículo de peso no Reino Unido, falou sobre consultas a fontes do mercado que acreditam que a venda é possível. Segundo citado na matéria, uma série de fontes da indústria insistem que a maior compra na história global dos esportes é uma forte possibilidade dentro dos próximos dois anos.

O maior fator de mudança de postura dos próprios Glazers foi a venda do Chelsea. Era esperado que os Blues fossem vendidos por um preço bem menor do que foi, € 5,24 bilhões. Isso porque o bilionário dono do clube, Roman Abramovich, foi sancionado no contexto da guerra da Rússia contra a Ucrânia.

A expectativa, segundo as fontes do mercado, era que o clube fosse vendido pela metade desse valor. Com isso, a valorização chamou a atenção inclusive dos Glazers, que passaram a considerar a possibilidade.

A família Ricketts, que é dona do Chicago Cubs e foi outra a tentar comprar o Chelsea e desistiu, também seria uma candidata a comprar o Manchester United. A venda do Manchester United, porém, seria um processo mais longo que o do Chelsea. O mais relevante é que quando alguém como Ratcliffe se presta a declarar que está disposto, é porque ele sabe que há uma possibilidade do negócio acontecer. A pressão dos torcedores pela saída dos Glazer pode ajudar, embora os protestos não tenham tido sucesso até aqui nesse sentido.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo