Imagine realizar o sonho de jogar pelo time da sua infância, aquele que você sempre defendeu jogando bola na rua, brincando com os amigos e que torceu inúmeras vezes no rádio, na televisão ou mesmo na internet. Jogadores de futebol têm muitos privilégios, mas este, particularmente, é um que poucos conseguem ter. terá. O meia, de 32 anos, alemão de nascimento e de origem turca, jogará pelo clube pelo qual torcia. Para realizar esse sonho, reduziu seu salário em 80% e, na coletiva de apresentação, ressaltou a felicidade. E lembrou de um ídolo brasileiro.

Um dos grandes jogadores da história do , possivelmente o maior, é o brasileiro Alex, que defendeu o clube de 2004 a 2012. Fez história, conquistou títulos e quebrou marcas. Foram 245 jogos, 136 gols e 107 assistências. Por isso, quando Özil foi perguntado com quem gostaria de ter jogado de toda a história do Fener, ele respondeu: “Eu gostaria muito de jogado com Alex e Emre Belözoglu”.

Belözoglu, atualmente com 40 anos, se tornou diretor esportivo do Fenerbahçe e participou ativamente da contratação de Özil. Embora tenha sido revelado pelo Galatasaray, tornou-se ídolo do Fenerbahçe depois de rodar por grandes clubes importantes europeus, como Internazionale, Newcastle e Atlético de Madrid. Encerrou a carreira em 2020 jogando pelo Fener, em sua terceira passagem. O meio-campista pendurou as chuteiras com 227 jogos, 33 gols e 28 assistências. Jogou com Alex, formando um dos maiores setores de meio-campo da história do clube.

A operação para contratar Özil

O presidente do Fener, Ali Koc, comentou sobre a negociação para tornar tudo isso possível. Já antes mesmo do dia 16 de janeiro, quando o jogador rescindiu com o Arsenal, havia o interesse. “Algo me chamou a atenção ali. Nesse momento, Mesut Özil falou sobre o sonho de jogar na equipe que amava na sua infância e disse que não se preocuparia com os problemas econômicos. Depois, começaram as negociações. O processo se completou e aqui estamos hoje. O Fenerbahçe conseguiu outra contratação que se acredita ser impossível, como outras vezes fez no passado”, afirmou o dirigente.

Para poder se adequar à realidade financeira do Fanerbahçe, o jogador, que recebia cerca de €16 milhões por ano, receberá €3 milhões por temporada, uma redução de mais de 80%. O diretor Emre Bolozoglu, ex-jogador do clube, também comentou sobre a chegada de Özil e ressaltou a vontade do jogador em defender o amarelo e azul. “Também é um sonho para Mesut. Temos uma boa equipe. Junto com ele, ficaremos mais fortes, juntos levantaremos muitos troféus”.

Antes mesmo de jogar, Özil já percebeu o quanto a sua vida mudaria no Fenerbahçe. Mais de 300 mil pessoas acompanharam  o seu voo de Londres a Istambul. Além disso, foi recebido no aeroporto com muito carinho. Mesmo sem poder se aglomerar por causa da pandemia, tirou foto com torcedores. O anúncio oficial da sua contratação só viria no último domingo.

Özil: “Um sonho para o Fenerbahçe e um sonho para mim”

“Acredito que teremos uma temporada de sucesso. Estou muito emocionado e feliz. É um sonho para o Fenerbahçe e é um sonho também para mim. Será uma grande relação para ambas as partes. Espero eu possa ajudar a equipe com o meu talento. Acredito que ganharemos o título da liga turca com o Fenerbahçe, é o objetivo da equipe em cada temporada. Espero que consigamos”, disse Özil, agora como jogador do Fener.

A coletiva de apresentação teve perguntas de torcedores. O meia foi perguntado quem do elenco atual ele mais gosta. “Eu gostava de Okocha quando assistia ao Fenerbahçe. Agora eu gosto muito de Pelkas, porque jogamos na mesma posição. Ele é um jogador muito talentoso. Então, eu diria o Pelkas”.

O jogador foi perguntado sobre como é o sentimento de, sendo turco, mas nascido e criado na Alemanha, voltar ao país dos seus pais. “É uma situação de orgulho para mim. Eu estou muito feliz. Estou ansioso. Eu quero estar em campo o quanto antes para ajudar o time. É uma questão muito emocional. Algo que eu sonhei desde que era criança. Estou muito feliz por estar aqui”.

Özil diz que não voltará à Bundesliga e nem à seleção alemã

Algumas pessoas se perguntaram por que Özil não voltou para a Bundesliga, onde começou a sua carreira. Embora tenha saído brigado com o Schalke 04, ele tinha uma boa relação com o Werder Bremen, seu último clube no país. O meia, porém, foi contundente na sua resposta quando perguntado se gostaria de voltar à Bundesliga um dia. “Não, não vou voltar a jogar na Alemanha”, respondeu, enfático. Também foi curto e direto quando perguntaram sobre uma possível volta à seleção alemã. “Eu nunca vou voltar. Eu desejo sucesso à seleção alemã”, disse.

A escolha pelo número 67 (por enquanto)

“Nós falamos com Mesut. Seria o número 11 ou 67. Ele disse 67. Eu nasci em 67, mas não é por minha causa, é o código postal de Zonguldak [região de onde veio a família do jogador]. Mesut queria vestir a 67. A camisa especial com sua assinatura nesta cerimônia de apresentação estará à venda”, afirmou o presidente Ali Koc, explicando a escolha pelo número pouco usual de camisa. “Mesut irá vestir a camisa 10 na próxima temporada, uma cortesia de Samatta”. O tanzaniano Mbwana Samatta é o atual dono da camisa 10, mas já disse que entregará ao novo craque do time na próxima temporada, sem qualquer problema. Nem poderia ser diferente.