Conference League

Final da Conference League: data, sede e campanhas de Fiorentina e Olympiacos

Fiorentina e Olympiacos se enfrentam no final de maio na Grécia

Fundada há duas temporadas, a Conference League veio para trazer representatividade para clubes médios/pequenos das cinco grandes ligas da Europa, além de dar oportunidade de protagonismo para outros centros do Velho Continente. Indo para terceira final, dá para dizer que tem cumprido isso muito bem. Na primeira edição, a Roma foi campeã, primeiro título europeu desde a Taça das Cidades com Feiras de 1961, contra o Feyenoord, clube que não alcançava uma decisão europeia desde 2002. Já no ano passado, o West Ham quebrou um tabu de 43 anos sem saber o que era um título, contra uma Fiorentina que tem outra fila grande.

Para 2024, a escrita se mantém. A Viola chegou na decisão de novo, quinta final continental, e vão atrás do segundo título (primeiro e único é a Recopa Europeia de 1960/61). Para isso terão que superar o Olympiacos, tradicional na Grécia, mas indo para sua primeira decisão na Europa.

Duas ótimas história e um jogo difícil de prever pela trajetória da dupla. Confira neste guia da Trivela quando será a decisão, o local e as campanhas de Fiorentina e Olympiacos.

Conference League

Dia, sede e transmissão

  • Data e horário: 29/05/2024, às 16h (horário de Brasília)
  • Local: Estádio Agia Sophia, em Atenas, na Grécia
  • Onde assistir: SBT, Cultura, ESPN e Star+.

Histórico e campanha dos finalistas

Fiorentina

  • Títulos da Conference League: 0
  • Melhor campanha: Vice (2023)

Vice-campeã na temporada passada, superada por 2 a 1 pelos Hammers, a Fiorentina quer que a decisão em 2024 seja diferente. O que podemos esperar na final contra o Olympiacos é emoção, exatamente o que marca a campanha da equipe italiana desde o início da competição. Desde a fase de grupos, a Viola sofreu e se sobressaiu no detalhe. Na última rodada da chave F, liderando com 11 pontos, enfrentou o vice Ferencváros, naquele momento com nove, e perdia a partida até pouco antes dos 30 do segundo, resultado que os colocaria na segunda posição. Até que deu a sorte da bola sobrar para o zagueiro Luca Ranieri após um escanteio e confirmar o empate decisivo.

Direto nas oitavas de final, o time treinado por Vincenzo Italiano enfrentou os israelenses do Maccabi Haifa, jogando na Hungria por conta da guerra com Gaza, e parecia ser um duelo fácil. Só pareceu porque a vitória na ida, de virada e fora de casa, só veio aos 49 do segundo tempo, último minuto dos acréscimos, quando um chute desviado de Antonín Barák foi para o fundo do gol e confirmou o 4 a 3. Até agora, esse foi o único tento do atacante tcheco na temporada. O empate em 1 a 1 na volta confirmou o duelo com o Viktoria Plzeň, que permaneceu zerado por 180 minutos. A Viola só sobrou na prorrogação e bateu os tchecos por 2 a 0.

Na semifinal, mais emoção, gols e um duelo maluco. No Artemio Franchi, venceu o Brugge por 3 a 2 nos acréscimos do segundo tempo após sofrer dois empates. Os belgas começaram a volta melhores e levavam para prorrogação, mas Lucas Beltrán fez o do empate e da classificação aos 39 da etapa final. Foi uma trajetória daquelas para Fiorentina.

Olympiacos

  • Títulos da Conference League: 0
  • Melhor campanha: Final (2024)

Absoluto na Grécia, 47 vezes campeão nacional (mais que o dobro do segundo), o Olympiacos chega para sua primeira final europeia na história. E justamente na primeira edição da Conference que disputou, ainda vindo eliminado como terceiro colocado no grupo A da Liga Europa. É uma história daquelas, que ganha um ingrediente a mais com a decisão sendo disputada no Agia Sophia, casa do rival AEK Atenas. A torcida do Thrylos fará uma festa inesquecível.

Como a Fiorentina, o time vermelho e branco sofreu para chegar na final. O mais incrível é que a eliminatória mais fácil foi justamente contra o Aston Villa, de longe o adversário mais qualificado, derrotado tanto na Inglaterra quanto no Georgios Karaiskakis. Nos playoffs antes das oitavas, o Ferencváros sofreu do mesmo veneno, mas batido em ambas pelo placar mínimo.

Os gregos penaram mesmo nas oitavas e quartas. Primeiro, na ida com o Maccabi Tel Aviv, simplesmente tomou 4 a 1 em casa, sendo três em apenas 30 minutos. Por sorte, mostraram a mesma força para repetir o placar na Sérvia e, na prorrogação, fechar em 6 a 1. As quartas poderiam ter sido mais fáceis se a equipe de Jose Luis Mendilibar (assumiu em fevereiro) não tivesse cedido dois gols ao Fenerbahce após abrir três no Karaiskakis. Na Turquia, perdeu de um e teve que contar com Konstantinos Tzolakis pegando três pênaltis – o brasileiro Rodinei desperdiçou um deles.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo