Brasil

Gol, pivôs e bom posicionamento: a estreia de Juan Dinenno no Cruzeiro

Contratado para resolver o problema do ataque celeste, Juan Dinenno mostrou que tem faro de gol e deu ótimo cartão de visitas

O Cruzeiro sofreu muito na temporada de 2023 pela má fase de seus centroavantes, que não entregaram bom desempenho e muito menos gols. Em diversas partidas onde o time celeste jogou bem e criou boas chances, muitas oportunidades, algumas claras, foram desperdiçadas pelo ataque da Raposa e isso fez com que o clube brigasse contra o rebaixamento até o fim do Campeonato Brasileiro. Querendo mudar esse cenário, a diretoria celeste apostou em um nome para ser o 9 da equipe em 2024: o argentino Juan Ignacio Dinenno.

Juan Dinenno, de 29 anos, foi contratado junto ao Pumas, do México, sob o aval do novo treinador Nicolás Larcamón, que enfrentou o agora comandado em diversas ocasiões na Liga MX. Em Belo Horizonte, o atacante disse entender a responsabilidade de marcar gols e reforçou o desejo de marcar seu nome na história do Cruzeiro.

E essa história começou a ser escrita nessa quarta-feira (24), quando o camisa 9 estreou com a camisa estrelada, na partida contra o Villa Nova, válida pela primeira rodada do Campeonato Mineiro. Pensando na expectativa criada pela chegada do reforço, a Trivela conta tudo sobre o desempenho e comportamento do argentino em seu primeiro jogo oficial pelo Cruzeiro.

Dinenno marca em sua estreia

As primeiras aparições de Juan Dinenno pelo Cruzeiro aconteceram fora da área, quando o atacante caiu pelo lado direito para dar opção para seus companheiros na construção de jogo. Logo aos 9 minutos, o argentino deu bom passe acionando Robert pela direita com um bom passe em infiltração, que terminou num cruzamento cortado pela defesa do Villa Nova.

Quando recebia a bola longe da área, Dinenno tratava de distribuí-la rapidamente e já se posicionar dentro da área para buscar a concretização das jogadas. Normalmente centralizado, ainda buscava fazer um papel de pivô em bolas longas, tentando as famosas “casquinhas”, para achar jogadores vindo em velocidade de trás.

Ainda não se sabe como será a temporada de Juan Dinenno com a camisa do Cruzeiro, mas a estreia do camisa 9 foi com o pé direito — ou melhor, com o esquerdo. Aos 28 do primeiro tempo, Arthur Gomes deu belo passe em profundidade para Matheus Pereira, que cruzeiro forte para a área. O goleiro Gabriel Parra tentou cortar, mas deixou a bola passar e o centroavante argentino estava lá, dentro da pequena área, para, de canhota, balançar a rede do Villa.

O camisa 9 voltou a aparecer aos 38, quando recebeu bola em boas condições, avançou livre, invadiu a área e bateu, mas o chute foi ruim e não assustou Gabriel Parra. Ele ainda veria o Villa Nova empatar o jogo nos acréscimos da primeira etapa.

Na parte pessoal, é bom. Mas temos que pensar agora e tentar fazer o gol. Foi um gol parecido do jogo-treino, mas temos que ser mais concisos para ficar à frente disse Dinenno, ao Premiere, no caminho para o vestiário.

Segundo tempo de menor participação

Assim como foi na primeira etapa, Dinenno voltou para o segundo tempo querendo jogo e mostrando suas qualidades como pivô. Além disso, já no segundo minuto, subiu alto e completou cobrança escanteio de cabeça, obrigando Gabriel Parra a trabalhar.

Com o Cruzeiro sofrendo para criar oportunidades na segunda etapa, Dinenno ficou mais sumido na partida, tendo poucas ações com a bola até os 20 minutos. O atacante viria a aparecer somente aos 29, quando participou de jogada que resultou em gol anulado da Raposa.

A última participação de Dinenno no jogo aconteceu aos 41, quando ganhou bola na área e girou batendo forte, mas a zaga do Villa Nova se recuperou e conseguiu se jogar na frente da bola, antes que ela chegasse ao gol. Já no minuto seguinte, o camisa 9 foi substituído por Rafa Silva, encerrando sua participação no jogo.

Estreia de Dinenno foi positiva

Apesar de Juan Dinenno não ter visto o segundo gol do Cruzeiro, marcado por João Pedro, de dentro do campo, pode se dizer que o camisa 9 deixou ótima impressão em sua estreia. Além do gol, de oportunismo, coisa que faltou em 2023, o argentino mostrou qualidade nos pivôs e com a bola nos pés. Ainda buscou sempre o melhor posicionamento e teve raciocínios rápidos ao receber passes. Uma grande estreia, coroada com uma bola na rede para renovar as esperanças do torcedor.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo