Brasileirão Série A

Guerra fria entre Flamengo e CBF ganha novo capítulo, com farpas de Tite e dirigente

Luiz Carlos Azevedo, gerente de futebol, encabeçou o coro rubro-negro contra a arbitragem e o calendário do Campeonato Brasileiro

Para quem achou que os primeiros movimentos após a vitória sobre o Atlético-MG seriam tranquilos, algumas figuras do Flamengo trataram de provar o contrário. O triunfo em Belo Horizonte não impediu mais um capítulo da rusga entre clube e CBF, em vigor por conta da decisão de não paralisar o Brasileirão na Copa América.

Luiz Carlos Azevedo, gerente de futebol, e Tite, técnico da equipe profissional, expressaram toda a insatisfação do Flamengo com a arbitragem e o calendário enxuto da competição.

Pronunciamento forte contra a arbitragem

Antes da coletiva começar, o Flamengo mandou Luiz Carlos Azevedo fazer um pronunciamento contra a arbitragem de Ramon Abatti Abel.

Na opinião do gerente de futebol, o pênalti cometido por Allan, que rendeu um dos gols do Atlético-MG, não existiu, e que o Rubro-Negro ainda teve um pênalti sonegado, sofrido por Erick Pulgar.

— Ontem assistimos com indignação a Seleção ser prejudicada por um pênalti claro no Vinicius Jr, simplesmente o VAR não chamou. Hoje tivemos uma incrível vitória, contra um grande adversário, venho aqui para entender o critério do VAR. A comissão de arbitragem tem recebido nossa diretoria, tem um diálogo, mas novamente nosso time foi prejudicado — disse, antes de completar:

— No nosso entendimento, não foi pênalti do Allan. Nosso atleta toca primeiro a bola. O árbitro de campo não marca e o VAR chama. Quero entender o critério do VAR para a não marcação do pênalti no Erick [Pulgar]. Não existe contato do adversário na bola. Nosso atleta toma rasteira, cai e o VAR não chama. Um jogo de alta intensidade, importante. Mais uma vez não entendemos o critério — frisou.

O que Tite disse durante a coletiva?

  • Exaltou a união do grupo, líder do Brasileirão em momento complicado de desfalques;
  • Criticou calendário e arbitragem da competição;
  • Se esquivou ao falar da negociação do Flamengo com Lucas Paquetá;
  • Confirmou que Pedro foi preservado por conta da parte física.

Tite pede apoio da torcida e detona calendário

—  Pedir para o torcedor nos auxiliar, passem o carinho para os atletas. Eles merecem. O quanto estão se dedicando, o quanto estão aplicados. Em um jogo extremamente difícil. Terceiro jogo em seis dias. Não somos só nós, são todas as equipes em uma calendário que precisa ser melhorado.

Ainda deu tempo do treinador também reclamar da arbitragem. Segundo Tite, falta critério à arbitragem para apitar os jogos do Campeonato Brasileiro.

— Eu tomei o terceiro cartão amarelo e eu errei porque eu reclamei. E eu consenti. Eu não quero nada profissionalmente, não quero ganhar com vantagem, mas não quero que tire meu queijo. O lance no Erick. Rodrigo Alonso, que é o cara do VAR, que dá o pênalti que o Allan toca na bola e na sequência dá e não dá o pênalti que o cara toca direto no pé do Pulgar, eu não consigo entender, juro que não consigo. Qual é esse critério, porque um sim e o outro não. Vou me permitir publicamente falar, porque quando reclamo à beira do campo sou punido. Só usem o mesmo critério — explicou.

Tite elogiou o grupo do Flamengo antes de criticar arbitragem e calendário do Brasileirão (Foto: Icon Sport)

Problemas não começaram contra o Atlético-MG

Como mencionado, Flamengo e CBF vivem guerra fria por conta do calendário durante a Copa América. Apesar do coro dos clubes, a entidade máxima do futebol brasileiro decidiu não paralisar o Brasileirão sob o argumento da falta de datas disponíveis. Quem teve convocados, como o Rubro-Negro, se deu mal. 

Tite já havia subido o tom com o calendário desorganizado da CBF após a vitória sobre o Bahia, em que citou Júlio Avellar, nominalmente. A entidade soltou uma nota dizendo que os comentários haviam sido agressivos, mas eles não foram retirados, pelo contrário, o comandante os reiterou na coletiva seguinte. Uma espécie de cabo de guerra.

A arbitragem também já foi tema em outros momentos. Diante do Red Bull Bragantino, por exemplo, Bruno Spindel detonou o critério dos árbitros, após pênalti não marcado em Luiz Araújo. O pronunciamento, inclusive, rendeu uma suspensão ao executivo de futebol do Flamengo, por parte do STJD.

Não é nem a primeira vez que Luiz Carlos fala sobre o assunto, já que também esteve no palanque do Maracanã após o triunfo em cima do Bahia. O desta quarta-feira (3), contudo, foi bem mais incisivo. Acima de tudo, o Flamengo reclama mesmo saindo vitorioso.

— Estamos aqui depois de uma vitória. Se falarmos depois de um resultado diverso vão dizer que foi muleta. O Flamengo se sente prejudicado e quer entender o critério do VAR — disse o gerente de futebol.

O incômodo do Flamengo é nítido e não deve desaparecer de uma hora para a outra. Ainda que alguns membros da diretoria tenham se reunido com a CBF na sede da entidade, Zona Oeste do Rio de Janeiro, o clima continua complicado. O líder detona o organizador.

O próximo desafio do Flamengo será pelo Campeonato Brasileiro, no sábado (06), quando Tite e companhia enfrentarão o Cuiabá, pela 15ª rodada. A bola rola a partir das 20h (de Brasília), no Maracanã, em jogo que mudou de horário por conta de Brasil x Uruguai, válido pela Copa América.

Veja outros pontos abordados na coletiva

Pedro foi poupado?

— Pedro sentiu a perna ontem à tarde. Ele correu o risco de não vir, ele se predispôs a vir. Eu não sou maluco. Externei para o presidente, Era um risco começar com ele, ele iria estourar. A gente procura ter esse bom sendo em relação a tudo isso.

E a negociação com Paquetá?

— Lorran, Gerson, Matheus, Arrasca… É o nosso real aqui.

Grupo unido

— O Campeonato é muito difícil, o mais difícil do mundo. Não estou dizendo que é o melhor, é o mais difícil. Futebol não é só parte técnica e tática. Tem uma série de outras relações, que são humanas, de sentimentos. Isso só quem vive o vestiário pode sentir. A gente procura trabalhar e valorizar os atletas que estão aqui. Muito fácil colocar o Pulgar, jogador de seleção. Uma equipe é formada por uma série de aspectos que não são só futebol.

Preparo físico do time

— Atleta não é máquina, e eu tenho que saber disso, eu estudei para isso, eu acompanho e não sou louco. Posso ter alguns repentes de maluquice, mas não sou na essência.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme XavierSetorista

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Botão Voltar ao topo