Brasileirão Série A

‘Vai estourar joelho, tornozelo’: Flamengo reforça coro por isonomia no Brasileirão

Tite e dirigentes rubro-negros pediram que a CBF tome cuidado, pois está prejudicando o clube nesse momento de Copa América

A festa pela vitória sobre o Bahia acabou rapidamente no pós-jogo do Flamengo. Tanto Tite quanto Luiz Carlos, gerente de futebol, detonaram a postura da CBF com o clube nesse período de desfalques. Segundo eles, a falta de isonomia é gritante e está prejudicando o Rubro-negro, que se recusa a perder.

O que Tite disse durante a coletiva?

  • Explicou porque o Flamengo teve dificuldades contra o Bahia;
  • Valorizou o grupo como um todo, ainda mais em momento complicado, de vários desfalques;
  • Mandou um recado direto à CBF sobre isonomia no Brasileirão;

Principal aspa de Tite

—  Eu vou falar direto para ele, para o Julio Avellar que é o cara responsável pelo calendário. Ele tem que cuidar direitinho da sua atividade, da organização e do tempo de descanso das equipes. Tem atletas que vão estourar porque vão jogar em menos de 72 horas. Vai estourar lesão, joelho, tornozelo. Isso prejudica o clube, prejudica uma campanha, o atleta individualmente. Cuidado. Vou dar de novo o nome: Julio Avellar. Faça as coisas corretas.

Diante dos problemas, o treinador ainda valorizou a entrega dos jogadores do Flamengo. Quando aliada com a sinergia das arquibancadas, esse elenco é muito forte. Pelo menos esse é o modus operandi de um Rubro-Negro invicto, mesmo com as baixas.

— Talvez a metáfora que tu tenhas usado de lutar é jogar. Jogou muito no segundo tempo, mas jogou muito. Engoliu o primeiro tempo, que teve bastante dificuldade. Jogou muito. Teve espírito que erradia do torcedor para o campo, nas ações que os atletas fazem. Esse unir de força faz ter esses momentos — explicou.

Pronunciamento oficial do Flamengo

Na figura de Luiz Carlos, gerente de futebol, o Flamengo se pronunciou contra a CBF e seu calendário. Segundo o dirigente, o Rubro-Negro vai para o segundo jogo consecutivo com menos de 72 horas de descanso, dois desafios complicados diante de Athletico, e, agora, Fluminense. As cobranças foram veementes.

David Luiz, herói humilde

Autor do gol da vitória do Flamengo, David Luiz falou bastante com a TV Globo após o apito final. Ainda na adrenalina de um tento no último suspiro, o zagueiro, agora titular, exaltou a força do grupo rubro-negro, além de, também, fazer elogios ao Bahia.

— No último jogo, contra o Athletico, foi com o Evertton Araújo, um menino de ouro, um menino que trabalha todos os dias para crescer, para melhorar, quietinho. Sabemos que o futebol nos dá muitas mensagens. Aquela mensagem foi uma mensagem muito importante para nós, que sempre acreditamos na força do grupo. O Tite sempre frisa muito isso. Para ganhar um campeonato, você precisa de mais de 20 jogadores. Então, graças a Deus, as coisas têm acontecido melhor, não só para mim, mas para todo o elenco.

— Hoje jogamos contra um time muito qualificado. O Bahia fez um grande jogo. O Bahia teve o controle da maior parte do jogo. A gente fez o jogo com uma estratégia totalmente diferente, uma estratégia mais sem a bola e tentando ser mais letal. E a gente conseguiu fazer isso logo no final da partida — finalizou.

David Luiz comemora o seu gol contra o Bahia (Foto: Alexandre Loureiro/AGIF/Sipa USA) – Photo by Icon Sport

O próximo desafio do Flamengo será pelo Campeonato Brasileiro, no próximo domingo (23), quando Tite e companhia enfrentarão o Fluminense, pela 11ª rodada. A bola rola a partir das 16h (de Brasília), no Maracanã, em clássico de muitas vertentes.

Veja outros pontos abordados na coletiva

Estilo de jogo do Flamengo

— Nós marcamos na altura da bola. Tiro de meta, marca alta, conseguiu sair jogando e furar um primeiro bloqueio, compacta atrás da linha da bola, pressão média, conseguiu furar o bloqueio transita retorna e marca baixo. Essa é a ideia.

— Duas formas. Uma que ela é de velocidade. Se der espaço não vai nos controlar, porque é muita velocidade e qualidade dos lados. Vai ter mais posse de bola, mas não vai nos controlar. Nós vamos criar oportunidades. É inevitável, como aconteceu hoje. E em número de oportunidades mais vivas e mais claras. Quando tu tem um articulador pelo lado, tu tem mais jogo, uma ou outra, das duas formas a equipe se encontrou.

— Dois homens de frente agudos, que fazem uma flutuação, porque o primeiro meio campista deles faz uma iniciação e, por vezes, entra no meio dos zagueiros para fazer essa articulação. É uma equipe completa e muito boa equipe. Posse de bola é muito boa. Daqui a pouco não tem transição, mas em uma equipe você não vai ter tudo. E quando você tem o Gabi que pode ser jogado dessa forma, você tem jogadores agudos e agressivos, de combinação curta de último terço do gramado.

Desfalques e valorização dos atletas

— Tem a dedicação de alguns atletas fazendo funções que nunca tinham feito tão rotineiramente. E atletas voltando antes do que a gente esperava. Sacrifício. Parabenizo o departamento médico e físico, e principalmente os atletas, que se propuseram a antecipar o processo. No último jogo estávamos sem 10 atletas. Hoje sem sete.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme XavierSetorista

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Botão Voltar ao topo