Brasileirão Série A

Tinha um Dorival no meio do caminho: São Paulo pode frustrar de novos os planos do Flamengo em 2023

São Paulo pode tirar Flamengo do G4 com vitória no Morumbi, a depender também de outros resultados

Dorival Júnior deixou o Flamengo campeão da Libertadores e da Copa do Brasil em 2022, e tudo o que aconteceu desde então comprova que sua saída polêmica foi no mínimo – dos mínimos – um erro da diretoria rubro-negra. O técnico chegou ao São Paulo em abril para transformar 2023 em um ano histórico do clube, ao mesmo tempo em que cada eliminação fazia os flamenguistas sentirem saudades de seu ex-treinador.

Por uma das tantas ironias do destino, Dorival foi protagonista direto em uma das tantas frustrações do Flamengo no ano, ao superar o ex-clube na final da Copa do Brasil e conquistar um título inédito da competição pelo São Paulo. Por outra das tantas ironias do destino, as duas equipes se enfrentam na última partida de 2023, nesta quarta-feira (6), às 21h30 (horário de Brasília), no Morumbi, pela 38ª rodada do Brasileirão. E o treinador pode mais uma vez frustrar os planos de seu ex-clube.

Já sem objetivos na temporada, o Tricolor recebe um Rubro-Negro que tem uma chance tão, mas tão irrisória de título no Brasileirão, que ela nem deve ser considerada. Para ser campeã, a equipe de Tite precisaria vencer no Morumbi, torcer por um tropeço do Palmeiras contra o Cruzeiro e ainda livrar uma diferença de “apenas” 16 gols no saldo. Ou seja: impossível.

O Flamengo joga pela vaga direta na Libertadores. E aí, sim, o São Paulo pode atrapalhar os planos rubro-negros. A equipe carioca pode até ficar fora do G4 ao final da rodada. Para isso acontecer, teria de perder no Morumbi e ainda ver Grêmio e Botafogo vencerem Fluminense e Inter fora de casa respectivamente.

Apesar da relação ainda recente, Dorival se mantém alheio à situação do adversário na tabela. O treinador repete a cada entrevista que o São Paulo ainda não está de férias no Brasileirão, mesmo que já tenha garantido vaga direta na Libertadores de 2024 e hoje ocupe situação intermediária na classificação. Foi o que ele disse uma vez mais após a vitória por 1 a 0 sobre o Bahia, duas rodadas atrás, no jogo que garantiu matematicamente a permanência do Tricolor na Série A.

– A motivação é a mesma de sempre. Buscando o melhor resultado possível. Respeitando Atlético e Flamengo, os nossos dois adversários. O trabalho segue, é uma sequência natural. Não podemos nos dar por satisfeitos em momento algum. Temos que continuar trabalhando, intensificando e melhorando o rendimento do grupo – assegura o treinador

Verdade seja dita, o São Paulo colocou as palavras do técnico em prática já no jogo seguinte à partida em Salvador. A equipe fez um enfrentamento de igual para igual e poderia ter saído com melhor sorte da derrota por 2 a 1 para o Atlético-MG, no Mineirão, no último sábado (2).

Apesar de tudo e de tanto, Dorival foge de revanches

Com tanto vivido no comando do Flamengo, seria até natural que Dorival nutrisse um certo sentimento de revanche ao encarar o ex-clube em momentos decisivos. Mas o treinador foge deste sentimento. Minutos após receber um banho de gelo dos são-paulinos na entrevista do título da Copa do Brasil, o treinador garantiu que o título inédito era importante por si só.

– Era natural que tenha ficado chateado por tudo, mas jamais misturei as coisas. Jamais comecei a transferir responsabilidades. Eu sempre soube separar muito bem uma situação da outra. Não tinha o espírito de uma revanche em sentido nenhum, nenhum da palavra. Hoje eu joguei contra meus ex-comandados – disse.

A única mágoa que o técnico guarda dos tempos de Flamengo não tem a ver exatamente com o clube, mas com a opinião pública à época. De acordo com o treinador, a crítica dizia que qualquer um ganharia os títulos que ganhou pelo clube – a Copa do Brasil e a Libertadores. Depois, o discurso mudou, com a queda no Mundial, e passou a bater na tecla da necessidade de reforços.

– Eu só fico assim um pouco chateado porque quando nós ganhamos aquelas competições diziam que era um arroz e feijão e que qualquer um faria igual pela capacidade do elenco do Flamengo. Um mês depois, quando aquela mesma equipe, quando a mesma equipe não alcançava os resultados no Mundial, era uma equipe que precisava de reforços. Tinha acabado de ser campeão da Copa do Brasil e da Libertadores. Eu estranhei as colocações, porque 30 dias atrás diziam ser o melhor elenco da América. Foi muito estranho tudo o que aconteceu, tentando uma desqualificação do trabalho – afirmou Dorival.

Dorival defende invencibilidade contra o Flamengo

Sem mágoa ou qualquer sentimento de revanche, Dorival ainda assim é um adversário indigesto para o Flamengo. O treinador está invicto nas três partidas em que enfrentou o ex-clube em 2023. O primeiro jogo foi um empate válido pelo Brasileirão no Maracanã. Depois, vieram os dois jogos da final da Copa do Brasil: vitória fora de casa e empate em 1 a 1 que sacramentou o título no Morumbi.

O São Paulo se despede desta temporada na próxima quarta-feira (6), às 21h30 (horário de Brasília), quando enfrenta o Flamengo no Morumbi pela 38ª e última rodada do Campeonato Brasileiro. O Tricolor é 11º colocado na competição, com 50 pontos, e pode subir no máximo para a nona colocação, em caso de vitória.

 

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo