Ásia/Oceania

Mas já? Jota deve ser o primeiro a deixar a Arábia Saudita e pode pintar no Tottenham

Sem espaço no Al-Ittihad, Jota pode ser o primeiro das recentes contratações de peso do Campeonato Saudita a voltar para Europa

]O mundo do futebol foi pego de surpresa no fim de 2022 com a ida de Cristiano Ronaldo para o Al-Nassr, da Arábia Saudita. Hoje em dia, no entanto, um craque de renome mundial ter seu nome ligado a algum clube do país do Oriente Médio não é um choque para ninguém. Com altos investimentos vindos do Fundo de Investimento Público (PIF), que adquiriu o controle dos quatro maiores clubes da competição, o Campeonato Saudita passou a ter jogadores que pouco tempo atrás brilharam na Europa e teve uma ascensão de popularidade e inevitavelmente, nível técnico. A tendência é que mais nomes importantes sigam os mesmos rumos de Neymar, Roberto Firmino, Sadio Mané e Karim Benzema, mas um nem tão consagrado assim já pode estar de saída.

Trata-se de Jota, atacante de 24 anos, que desde julho defende o Al-Ittihad. Suas duas temporadas de destaque pelo Celtic, onde somou 28 gols e 26 assistências em 83 partidas e conquistou cinco títulos, chamaram a atenção do atual campeão saudita, que desembolsou €29,1 milhões para ter o português. O valor foi quase quatro vezes mais que o gasto pelos Bhoys na temporada anterior, quando adquiriram o jogador em definitivo e pagaram €7,5 milhões ao Benfica. A maior venda da história do clube escocês, no entanto, não desempenhou o mesmo futebol na nova equipe e já pensa em uma mudança de ares menos de seis meses depois, segundo a mídia internacional.

Até o momento, Jota disputou somente 12 partidas pelo Al-Ittihad, sendo seis como titular, e balançou a rede uma vez. Com o Campeonato Saudita permitindo apenas oito estrangeiros por equipe, o atacante acabou ficando atrás na disputa com Abderrazak Hamdallah (Marrocos), Romarinho, Igor Coronado, Fabinho, Luiz Felipe, Marcelo Grohe (Brasil), Karim Benzema e N'Golo Kanté (França). Sendo assim, ele não é relacionado para um jogo da competição desde setembro.

O Al-Ittihad até tentou emprestá-lo ao compatriota Al-Ettifaq, mas o acordo entre os clubes aconteceu faltando trinta minutos para o fim da última janela de transferências. Sem tempo hábil para o registro das documentações no sistema da Fifa, o português permaneceu no plantel aurinegro.

Reencontro com Postecoglou pode ser a ponte para retorno à Europa

A situação em que Jota se encontra na Arábia Saudita ficou insustentável, mas aparentemente existe uma solução. De acordo com o tabloide inglês The Sun, o técnico Ange Postecoglou tem interesse em trazer o jogador de 24 anos para o Tottenham, que tem sofrido com desfalques por lesão. Ambos trabalharam juntos no Celtic e obtiveram muito sucesso, o que anima as duas partes.

Sob o comando de Postecoglou — eleito o melhor treinador da Premier League em setembro, outubro e novembro — Jota conquistou dois Campeonatos Escoceses, uma Copa da Escócia e duas Copas da Liga da Escócia. Na primeiro ano em Parkhead, o ponta esteve na seleção da Premiership, sendo decisivo na reta final da competição e terminando com 10 gols e 11 assistências. Após ser comprado em definitivo pelo Celtic, foi o vice-artilheiro do clube na temporada passada, com 15 gols, e se destacou nos clássicos contra o Rangers.

É difícil de acreditar que alguém que não conseguiu se destacar em um clube saudita vire alvo do Tottenham na janela de transferências de janeiro, ainda mais com a informação vindo do The Sun. Entretanto, a possibilidade de transferência é crível considerando a relação entre Jota e Ange Postecoglou e a extensa lista de baixas por contusão, sobretudo no setor ofensivo.

Principal contratação dos Spurs na última janela de transferências, James Maddison se recupera de uma lesão ligamentar no tornozelo e só deve estar novamente à disposição em 2024. Os casos dos atacantes Ryan Sessegnon, Manor Solomon, Ivan Perisic também são graves. Por um problema no tendão da coxa, Sessegnon é baixa desde fevereiro e precisou passar por uma cirurgia em julho. Solomon, por sua vez, sofreu uma ruptura de menisco e não tem previsão de retorno. Já Perisic pode perder o resto da temporada devido à lesão no ligamento cruzado anterior que sofreu em setembro.

O centroavante brasileiro Richarlison é outro que não está à disposição de Postecoglou atualmente, já que passou por uma cirurgia no púbis no início de novembro. A expectativa era de que o camisa 9 não voltasse atuar em 2023, mas o The Athletic informou que ele deve estar recuperado próximo do Natal.

Além dos atacantes (e James Maddison, que é um meia-ofensivo), o Tottenham também tem Rodrigo Bentancur e Ashley Phillips no departamento médico. Os meio-campistas Pape Mata Sarr e Yves Bissouma serão novas baixas em janeiro, quando estarão com suas seleções na Copa Africana de Nações. O torneio será realizado na Costa do Marfim do dia 13 de janeiro ao 11 de fevereiro.

Primeira chance na elite europeia?

Caso o interesse do Tottenham realmente se confirme e acabe se transformando numa proposta, Jota não apenas terá a chance de deixar a Arábia Saudita como também receberá sua primeira oportunidade em um clube de ponta das cinco principais ligas da Europa. Além de Al-Ittihad, Celtic e Benfica, ele teve uma passagem por empréstimo e de pouco destaque no Valladolid na temporada 2020/21.

A melhor em clubes foi pelo Celtic, mas Jota chamou a atenção muito antes pelas seleções de base de Portugal. Foram 73 partidas disputadas pelas equipes menores do país, do sub-15 ao sub-21, e 26 gols marcados. Em 2016, foi titular absoluto na conquista da Eurocopa Sub-17, terminando na seleção do torneio. Dois anos depois, sagrou-se campeão europeu sub-19 como melhor jogador e artilheiro da competição, com cinco gols (dois na semifinal e dois na decisão) e duas assistências.

Apesar da muita expectativa criada pelo bom desempenho nas seleções portuguesas de base, Jota não vingou no Benfica. Foram apenas dois gols e três assistências em 34 aparições pelo time principal dos encarnados. Também não obteve sucesso no Valladolid, não conseguindo se firmar como titular na equipe que terminou em penúltimo lugar em La Liga da temporada 2020/21. Foram 17 jogos e uma bola na rede pela primeira divisão espanhola.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo