Libertadores

Flamengo dá resposta importante na Libertadores com volta do DNA ofensivo

Tite armou bem o Flamengo, que teve desempenho dentro do esperado na goleada sobre o Bolívar, pela Libertadores

Para o torcedor que sofreu com jogos fracos entre abril e maio, ver o Flamengo golear o Bolívar por 4 a 0 com intensidade e volume de jogo é de encher os olhos. O placar poderia até ter sido mais elástico, tamanha foi a proficiência da equipe de Tite e companhia. O DNA ofensivo, que esteve perdido ao longo do momento de oscilação do time, retornou.

Essa melhora do Flamengo tem mérito total do comandante, que soube identificar algumas carências, além do departamento médico ter recuperado atletas importantes. Todos os fatores culminaram na atuação desta quarta-feira (15), uma das melhores do time no ano.

Volume ofensivo grande do Flamengo

Assim como diante do Corinthians, o Flamengo superou e muito os seus gols esperados (xG) contra o Bolívar. Tudo começou logo no primeiro minuto de partida, quando Gerson marcou o tento mais rápido da equipe em 2024. A jogada de construção veio lá de trás, com o Rubro-Negro quebrando a primeira linha e contando com o brilhantismo de Cebolinha para achar o Coringa na cara do gol.

Essa marcação pressão imposta pelos bolivianos deixou o jogo muito franco. Como o próprio Tite frisou na coletiva, o Flamengo levava muito perigo quando conseguia quebrar essa primeira linha de defensores. Foi assim no segundo gol, marcado por Ayrton Lucas, e também no quarto, anotado por Pedro. Cebolinha deixou sua marca fazendo com que o Bolívar provasse do seu próprio veneno.

A grande atuação do Flamengo contra o Bolívar veio do coletivo (Foto: Thiago Ribeiro/AGIF/Sipa USA) – Photo by Icon Sport

Para se ter uma noção das barreiras que o Flamengo quebrou nesta noite, a equipe não marcava três ou mais gols em uma partida desde fevereiro, quando goleou o Boavista pelo mesmo placar que venceu o Bolívar. Todos os jogadores do ataque balançaram as redes e participaram de outros tentos.

No fim, o Rubro-Negro terminou com 23 finalizações, sendo oito no alvo, mais uma vez superando a média do período de oscilação, que era de 15 e quatro, respectivamente. Foram seis grandes chances criadas e uma boa precisão no passe, de 85%, tudo isso com apenas metade da posse de bola na partida. Tite e companhia souberam provar que menos é mais no Maracanã.

Retornos são fundamentais para melhora

É impossível comentar sobre o desempenho técnico superior sem levar em conta os retornos de Cebolinha e Arrascaeta, mais até o atacante do que o meia. Embora a ausência tenha coincidido com a crise de criatividade do elenco, Tite conseguiu encontrar um substituto no jovem Lorran, que gastou a bola diante do Corinthians, no último sábado (11). Para o camisa 11, contudo, foi mais difícil.

Por mais que Bruno Henrique seja um excelente reserva imediato, não tem a mesma capacidade de drible do que Cebolinha, fator fundamental para que o jogo ofensivo do Flamengo caminhe bem. Tite falou sobre o assunto na coletiva após a vitória sobre o Bolívar.

— Ficamos sem o Arrascaeta, que voltou hoje. Ficamos sem Cebola, agora sem o BH. O Gabi, o Erick, recuperamos o Allan. É importante deixar os atletas na melhor condição. A retomada foi consistente nos dois jogos, mas é parcial. Tem que continuar crescendo — analisou.

Tempo para descansar e pensar nos próximos passos

Diante da paralisação do Campeonato Brasileiro, por duas rodadas, o Flamengo não enfrentará o Vasco neste sábado (18) e terá uma semana livre para descansar e pensar no próximo desafio, que será na quarta-feira (22), diante do Amazonas, pela Copa do Brasil. Até lá, Tite e companhia buscarão corrigir o que é necessário, a fim de manter o bom momento.

Esse tempo, inclusive, também pode ser justamente o que o Flamengo precisa para recuperar de vez a parte física do elenco. Léo Pereira deixou o campo nesta quarta com dores, assim como De La Cruz. Pulgar e Bruno Henrique, como mencionado, também estão entregues ao departamento médico. É possível que todos estejam à disposição diante do Amazonas.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

É repórter na cobertura do Flamengo há três anos, com passagens por Lance! e Coluna do Fla. Fã de Charlie Brown Jr e enxadrista. Viver pra ser melhor também é um jeito de levar a vida!
Botão Voltar ao topo