Futebol feminino

Denunciado por suposta perseguição à Maddy Cusack, treinador agora é acusado de ter se relacionado com atleta menor de idade

Jonathan Morgan, ex-treinador do Sheffield United, teria se relacionadohttps://trivela.com.br/?p=988491&preview=true com uma jogadora menor de idade no período em que treinava a equipe do Leicester City

De tempos em tempos, o caso que envolve a morte da jogadora Maddy Cusack, do Sheffield United, ganha novas camadas. Neste mês, o site britânico The Athletic publicou uma reportagem sobre o treinador Jonathan Morgan, acusado pela família de Cusack de perseguição, que destaca o motivo de sua demissão do comando das Blades, oficializado na última sexta-feira (2). Segundo a publicação, Morgan teria se relacionado com uma menina menor de idade no período em que treinava a equipe do Leicester City, entre 2014 e 2022.

Quando o assunto chegou ao conhecimento da diretoria do Sheffield, rapidamente a decisão de demitir Morgan foi tomada e divulgada oficialmente. O anúncio do desligamento foi seguido pela rescisão de contrato entre o ex-técnico e a agência que geria a sua carreira.

A jogadora, que concordou em conceder deu depoimento ao jornal britânico em anonimato, conta que que tinha 17 anos quando o relacionamento com Morgan começou. Na época, o treinador, então com vinte e poucos anos, teria se aproveitado da imaturidade para manter um relacionamento em sigilo. Também de acordo com o depoimento da vítima, o relacionamento era abusivo.

Além disso, a mãe da jovem descreveu o comportamento de Morgan como “inapropriado e imoral”.

– Ele não gostaria de manter o relacionamento em segredo, a menos que soubesse que não estava fazendo algo errado. Era a idade dela (o grande problema), mais do que tudo. Ele deveria estar em uma posição de confiança – afirmou a mãe.

Jonathan Morgan, agora com 35 anos, insistiu em resposta ao site inglês que as informações estão incorretas e que a menina tinha 18 anos quando eles iniciaram o relacionamento. No entanto, ele aceita que cruzou a linha ética e do que é considerado aceitável entre treinador e jogadora. Vale ressaltar que a jogadora em questão ingressou no time principal do Leicester ainda com 16 anos.

Por fim, Morgan afirma ter sido vítima de uma “caça às bruxas”, desde que a história de Maddy Cusack veio à tona pela primeira vez. Aliás, ele teme que esse seja o seu fim no futebol.

Atenção “extra” do treinador e relacionamento antiético

A atleta anônima contatou o The Athletic, apoiada por sua família, após ler a história dos pais de Maddy Cusack, que enviaram uma carta de sete páginas de denúncia para a direção Sheffield United contra o ex-treinador. Nesta carta, David e Deborah detalham o comportamento abusivo de Morgan em relação à filha antes de ela tirar a própria vida, em setembro de 2023.

Como na maioria dos casos de assédio sexual dentro do futebol feminino, a jovem atleta que fez a recente denúncia tinha uma relação estritamente profissional e normal com seu técnico, mas aos poucos começou a notar uma “atenção extra” dele.

Morgan estava em seu primeiro cargo como técnico e, como ele próprio admitiu, sabia que era eticamente errado iniciar um relacionamento com uma de suas próprias jogadoras.

No entanto, os flertes pelas redes sociais, como mensagens pelo app Snapchat, com comentários sobre suas roupas e fotos, foram evoluindo para atitudes fora do campo virtual. Outra vez, ela conta que ele lhe deu uma caixa chocolates para parabenizá-la por um bom jogo.

– Ele me disse que se eu marcasse um gol na próxima partida, ele me levaria a um restaurante. Eu marquei um gol, então fomos para esse restaurante. Esse foi o início de um relacionamento que durou até os meus 20 anos – contou a atleta, que hoje tem mais de 25.

Botão Voltar ao topo