Inglaterra

Investigação sobre morte de jogadora do Sheffield United isenta clube de supostas irregularidades

Apuração independente da morte de Maddy Cusack concluiu que o clube inglês não teve qualquer envolvimento na morte

Uma investigação independente concluiu que a morte da jogadora Maddy Cusack, do Sheffield United, não teve nenhuma evidência de irregularidades. Maddy foi encontrada morta em sua casa, em Derbyshire, cidade vizinha de Sheffield, no dia 20 de setembro, aos 27 anos. A meio-campista era a atleta mais antiga do plantel e também fazia uma jornada dupla como executiva de marketing do clube da Premier League

A apuração do caso foi feita por uma empresa especializada, em nome do Sheffield United, e começou depois que a família Cusack levantou questionamentos sobre a conduta do time antes da morte da jogadora. Havia uma suspeita dos familiares de que condutas do clube a teriam levado a jovem ao óbito. 

Em entrevista à BBC, em novembro, a mãe de Maddy, Deborah Cusack, falou que atletas estavam enfrentando muitas pressões no clube na última temporada. 

– No ano passado, as jogadoras tinham dois turnos de trabalho, o que significa que todos tinham empregos em tempo integral e ainda treinavam três vezes por semana e ainda jogavam aos domingos. Muitas vezes, viajavam aos sábados para jogar no domingo, por uma quantia mínima de dinheiro – desabafou.

– Acho que a Madeleine ganhou algo próximo de 6 mil euros (R$ 32 mil) na temporada passada para jogar futebol. Então, essas meninas estão tendo que conciliar dois empregos, estão tendo que treinar e se comportar como atletas do sexo masculino por uma ínfima quantidade de dinheiro que recebem. É demais, as pressões são demais. 

Após as acusações, o time se prontificou rapidamente a esclarecer os fatos. Nesta segunda-feira, publicou uma declaração oficial em seu site.

– A pedido e com a cooperação da família de Maddy, nomeamos uma empresa independente para realizar uma investigação formal sobre as preocupações levantadas pela por eles sobre os processos e conduta no clube – disse em um trecho. 

Pouco depois da morte, familiares e amigos de Cusack fizeram uma vigília pela meio-campista nos arredores do Estádio Bramall Lane. O United também prestou homenagem a Cusack durante o jogo contra o London City Lionesses, em outubro. 

Maddy ingressou no United em 2019 e fez 110 partidas, se tornando a primeira jogadora a alcançar esse feito na equipe. 

Leia o comunicado do Sheffield United na íntegra: 

Após uma análise minuciosa das valiosas contribuições fornecidas por cada uma das principais testemunhas apresentadas pela família de Maddy e pelo clube, a investigação não encontrou nenhuma evidência de irregularidades.

O clube está sempre em busca de formas de evoluir e refletir sobre os resultados e recomendações decorrentes da investigação para considerar como os processos e políticas podem ser melhorados.

Após a morte de Maddy, o clube proporcionou aos funcionários a oportunidade de se envolverem como apoio externo adicional. Como parte do compromisso do clube e com a melhoria contínua, revisamos e continuaremos a revisar e expandir o apoio ao bem-estar oferecido aos nossos funcionários e a aumentar as oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento para todos os funcionários, criando uma melhor cultura do bem-estar e da conscientização sobre a saúde mental.

Também fortalecemos recentemente a nossa estrutura com a adição de uma nova chefe para o departamento de futebol feminino, que é altamente experiente, além de outras nomeações importantes.

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo