Futebol feminino

‘Definitivamente o mais difícil’: Emma Hayes coroa saída do Chelsea com penta inglês

Técnica fez história no clube, mas não enfrentou uma temporada fácil; Hayes agora vai para o comando da seleção feminina dos EUA

Assim que se ouviu o apito final no sábado (18), Emma Hayes sabia que tinha cumprido seu dever. Diante de mais de 3 mil torcedores do Chelsea que foram até Manchester para ver o baile do seu time em cima do United, na vitória por 6 a 0, a técnica empilhou seu 5º título seguido da Women’s Super League no comando do time inglês.

Quem olha apenas para o placar, acha que foi fácil. Mas a trajetória do Chelsea para o título da WSL dessa temporada não foi fácil. Só na última rodada, as Blues estavam empatadas em pontos com a equipe do Manchester City, e Emma Hayes sabia que precisava obviamente da vitória, mas também de muitos gols, para ser campeã — Chelsea e City terminaram na tabela com 55 pontos, mas no saldo, 53 e 46, respectivamente.

Em entrevista a Sky Sports, Emma Hayes lembrou de como foi o percurso até seu time colocar a mão na taça e ficou grata que finalmente a competição acabou.

— Não posso dizer que é o que eu mais gostei, mas foi definitivamente o mais difícil (o título da WSL), e por essa razão, sem dúvidas, é provavelmente o mais doce. Eu estou muito aliviada que acabou — disse a técnica.

Resumo da temporada do Chelsea

Na primeira metade da Women’s Super League, o Chelsea dominava na frente, mas foi em fevereiro, quando perdeu para o Manchester City por 1 a 0, que Emma e seu time viram o City embarcar na sua 14ª vitória consecutiva e assumir o posto de líder do campeonato.

Em maio, quando perdeu para o Liverpool por 4 a 3, ficando seis pontos atrás do City, a técnica Emma Hayes chegou a admitir que achava que o título não ficaria com as Blues esse ano. Tudo isso seguido de uma eliminação na Champions League Feminina para o Barcelona, na semifinal.

A sorte, entretanto, parecia estar do lado do Chelsea. Na rodada seguinte, o City perdeu para o Arsenal e as Blues aplicaram uma goelada monstruosa de 8 a 0 em cima do Bristol City. Ainda no campo de Kingsmeadow, Emma Hayes, eufórica com o placar extenso e com a derrota do City, declarou “ainda não acabou, p****”.

“O que eu mais amo no time é a nossa habilidade de ficar tranquilas. Nós vamos encontrar uma maneira de continuar performando bem no campo, não importa a pressão. Isso vai ser o que eu mais vou levar comigo. Não serão as vitórias, mas sim a habilidade do ser humano de continuar encontrando um jeito”, Emma Hayes, após vitória contra o Bristol.

Na penúltima rodada, o Chelsea venceu por 1 a 0 o Tottenham e deixou tudo igual para o último jogo. E o resto é história. Brilhou a estrela de Mayra Ramírez e Emma Hayes foi coroada como uma das maiores de todos os tempos.

— Nós ganhamos uma segunda chance. Isso não acontece muito e quando acontece, você tem que pegar. Foi o que fizemos. Vencemos o Bristol, o Tottenham e chegamos aqui até esse título com uma desempenho digno de estrelas — comentou a capitã do time Millie Bright.

Mas o que fez o Chelsea lutar até o final? Definitivamente Emma Hayes. É a cultura, o ambiente, a mentalidade. Após 12 anos, Emma se despede do Chelsea para virar técnica da seleção feminina dos Estados Unidos antes das Olimpíadas de Paris. Além dos 5 títulos nacionais, Emma também conquistou 5 FA Cups, 2 League Cups e um Community Shield enquanto estava no comando das Blues.

Foto de Gabriella Telles

Gabriella Telles

Gabriella Telles é jornalista formada pela UFRJ, faz pós-graduação em Gestão Estratégica de Marketing. Já trabalhou na TNT Sports na cobertura da Rio 2016, futebol internacional e eSports. Nascida e criada no subúrbio do Rio de Janeiro.
Botão Voltar ao topo