Futebol feminino

Mayra Ramírez brilha e Chelsea completa Era Emma Hayes com 5º título inglês seguido

Manchester City e Chelsea disputaram o caneco até a última rodada, mas as Blues levaram a melhor no saldo de gols

A última rodada da Women’s Super League foi com emoção pela disputa do título: Manchester City e Chelsea jogavam com chances de levantar o caneco. Empatado com o rival em pontos, o Chelsea fez o que precisava fazer: goleou o Manchester United, por 6 a 0, fora o baile de Mayra Ramírez, para ser campeão no saldo de gols.

O título coroa a grandiosa história de Emma Hayes no futebol inglês e, em especial, no Chelsea. No comando do time desde 2012, a treinadora empilhou títulos: 14 no total, e agora, 5 títulos consecutivos da Women’s Super League (2019–2024). Não é para qualquer um. A técnica agora vai comandar a Seleção Feminina dos Estados Unidos.  

Mayra Ramírez infernizou defesa do United

O Manchester United já não podia arrumar mais nada no nacional e vinha até embalado após um título da FA Cup Feminina em cima do Tottenham, mas as Red Devils não apareceram no jogo. Sir Alex Ferguson estava no estádio para acompanhar a partida, mas não trouxe sorte.

Com um time totalmente descompactado na partida, que não se entendia e sofria com problemas de recomposição e posicionamento defensivo, o United foi atropelado pelo Chelsea — que viu seu dinheiro valer a pena: brilhou a estrela de Mayra Ramírez. A colombiana foi contratada do Levante, da Espanha, por 500 mil euros (R$ 2,6 milhões), no que foi até então a maior transação da história do futebol feminino mundial.

No jogo, Ramírez fez o que quis. Marcou o primeiro gol, deu assistência para a Johanna Rytting Kaneryd fazer o segundo, iniciou o terceiro com uma jogadaça e assistência para Nüsken empurrar para o gol, e ainda deixou mais um dela mesma.

Ela só não participou do 5º gol, marcado pela Melanie Leupolz e nem do 6º, marcado já no final do 2º tempo por Fran Kirby, que também encerrou sua passagem pelo clube.

Sem sofrer e com Ramirez inspiradíssima, o Chelsea botou as mãos no título de forma bem tranquila.

E o Manchester City?

A disputa pelo título da Women’s Super League foi até a última rodada. Empatados em pontos, City e Chelsea jogavam para ver quem levantava a taça. Enquanto o Chelsea foi jogar fora de casa contra o United, o City foi visitar o Aston Villa.

O time de Manchester começou com um desfalque importante: Khadija ‘Bunny’ Shaw, eleita a jogadora do ano da FWA, que estava machucada. O City começou a partida abrindo o placar, tomou o empate e voltou a marcar novamente, fechando o jogo em 2 a 1, mas nada que fosse o suficiente para tirar o título das Blues. Isso porque na tabela, 55 pontos para Chelsea e City. No saldo de gols, 53 para o Chelsea e 46 para o City.

Despedida de Emma Hayes

Em novembro de 2023 o Chelsea anunciou que a técnica Emma Hayes não estaria mais no comando do time. Emma é conhecida como uma das técnicas mais influentes do futebol e com certeza criou no Chelsea uma dinastia vencedora e soberana no futebol inglês.

Técnica pentacampeã Emma Hayes com o Chelsea. Foto: Icon Sport

Hayes sempre trabalhou de forma diferenciada, usando a ciência e pesquisas para melhorar o desempenho das jogadores e também da comissão técnica. Com Hayes, o Chelsea viu seu elenco se compor com grandiosas jogadoras como a australiana Sam Kerr e a dinamarquesa Pernille Harder e se tornar um time influente e poderoso no futebol feminino. Além da sua importância nos títulos, a técnica sempre foi uma voz ativa em causas que são comuns ao futebol feminino, como ciclo menstrual e gravidez.

Foto de Gabriella Telles

Gabriella Telles

Gabriella Telles é jornalista formada pela UFRJ, faz pós-graduação em Gestão Estratégica de Marketing. Já trabalhou na TNT Sports na cobertura da Rio 2016, futebol internacional e eSports. Nascida e criada no subúrbio do Rio de Janeiro.
Botão Voltar ao topo