Champions LeagueFrançaItália

Donnarumma relata saída do Milan, se diz torcedor do clube e confia que Itália vai para a Copa

Aos 22 anos, Donnarumma é uma das estrelas do PSG e conta como foi a saída conturbada do Milan, a vida no clube francês e as expectativas com a seleção italiana

O goleiro Gianluigi Donnarumma é um dos melhores do mundo na sua posição e parece já ter mais idade do que tem. Do alto dos seus 22 anos, ele se tornou um fenômeno muito jovem, ainda aos 16, quando começou a aparecer no time principal do Milan. Seu relacionamento com o clube é profundo, segundo ele mesmo conta, mas a saída foi conturbada. Em entrevista à Gazzetta dello Sport, o italiano contou sobre como a saída aconteceu, a vida no PSG e comentou também sobre a seleção italiana.

VEJA TAMBÉM: Messi conquista sua sétima Bola de Ouro, eleito o melhor jogador do mundo pela France Football

A saída do Milan

“Só posso agradecer ao clube por tudo que fizeram por mim. Melhorei como homem e como jogador no Milan”, afirmou Donnarumma à Gazzetta dello Sport. “Todo mundo me culpa, sem pensar no que aconteceu do outro lado. A última ligação do Milan foi para me dizer que contrataram outro goleiro. Foi assim que acabou”.

“Acho que o PSG estava no meu destino. Eles me acompanharam por muitos anos e sempre fizeram questão que soubesse do interesse deles. Todo mundo no clube me faz me sentir importante, do presidente Al-Khelaifi ao diretor Leonardo. Estou feliz e orgulhoso por estar aqui”, disse o goleiro.

VEJA TAMBÉM: Posição não era prioridade, mas PSG encontra em Donnarumma um goleiro potencialmente para muitos anos

Concorrência no gol do PSG

A concorrência com Keylor Navas já deixou o italiano insatisfeito, mas ele mostrou estar mais habituado à situação no momento. O técnico Mauricio Pochettino tem revezado os dois goleiros na meta dos parisienses. Donnarumma fez 15 jogos na temporada até aqui, enquanto Navas tem 18 – Sergio Rico, terceiro goleiro, jogou uma partida.

“Sabia que essa era a situação quando assinei pelo PSG. Não sei o que ele [Kkeylor] pensa, mas estou ok com isso porque todo mundo aqui me faz me sentir importante. Não é verdade que não estamos em bons termos, há um excelente relacionamento entre nós, ele é um grande cara e não há problemas”, comentou o goleiro.

Torcedor do Milan

Apesar de ter deixado o Milan, ele segue acompanhando o clube. “Como torcedor, sempre acompanho todo jogo com paixão. Frequentemente falo com meus ex-companheiros, mas também com Pioli e estou feliz em como as coisas estão acontecendo para eles”, admitiu. “Espero que eles percorram todo o caminho. Estou feliz pelo Milan e pelos torcedores pela vitória no derby”.

Perguntado sobre o seu substituto no Milan, o goleiro Mike Maignan, ele foi só elogios. “O acompanho de perto, ele deixou uma excelente impressão até aqui. Eu o parabenizo pelo que ele está fazendo, estou feliz por ele e pela sua grande temporada pelo Milan”, avaliou Donnarumma.

VEJA TAMBÉM: Donnarumma: “Chegou o momento de dizer adeus ao Milan”

A estreia na Champions League

Ainda que tenha brilhado muito pelo Milan, Donnarumma nunca tinha jogado uma Champions League, já que o clube italiano estava afastado dessa competição há anos. Ele estreou no torneio europeu pelo PSG e falou sobre o favoritismo sobre os parisienses.

“Foi algo único jogar a minha primeira partida de Champions League com este time. É claro, há muita expectativa sobre nós, enfrentamos todo jogo da melhor forma. O jogo contra o Real Madrid será muito difícil, mas podemos lutar para vencer e ir até o final. A Champions League é um dos nossos objetivos”, admitiu o goleiro.

Confiança na seleção italiana

Donnarumma foi um dos principais destaques da Itália que ganhou a Eurocopa, um título que fica marcado em sua carreira. Ele ainda foi eleito o melhor jogador do torneio, certamente muito influenciado pelo papel que teve nas disputas por pênaltis.

“É especial vencer com a camisa da Itália. A vitória na Eurocopa foi uma obra-prima, algo extraordinário que conseguimos graças ao trabalho de Mancini e sua comissão técnica”, afirmou Donnarumma.

“Nos faltaram gols durante as Eliminatórias, mas estou convencidos que iremos para a Copa do Mundo porque sabemos como reagir em momentos difíceis. Nos faltou algo depois da Euro, mas iremos compensar isso”.

VEJA TAMBÉM: A Itália ganhou a Euro com um goleiro que decide e Donnarumma promete um futuro ainda mais brilhante pela frente

Treinar com Messi, Mbappé e Neymar

Estar no PSG significa treinar em um time estrelado, com nomes como Lionel Messi, Kylian Mbappé e Neymar, três dos melhores jogadores do mundo. “Eles todos são fenômenos. Posso ver no dia a dia no treinamento. Uma vez fiquei no meio de um bobinho que me deu dor de cabeça. É especial estar aqui porque você melhora todos os dias ao treinar com campeões desse calibre”.

Donnarumma foi perguntado especificamente sobre Kylian Mbappé, já que o jogador só tem contrato com o PSG até junho e já deixou claro que não pretende renovar, apesar das incansáveis tentativas do clube parisiense. O goleiro italiano, como não poderia deixar de ser, disse que a decisão é do jogador.

“Tenho um grande relacionamento com Kylian, brincamos constantemente, mas não falamos sobre essas coisas. É decisão dele e não serei eu a falar o que ele deve fazer. Sei apenas que somos felizes no PSG. Ele é um cara legal e o único que sabe qual é a melhor escolha”, disse o italiano.

VEJA MAIS:
A Europa é azzurra! A grandeza da Itália merecia mais uma Eurocopa e, depois de 53 anos, a seleção é bicampeã dentro de Wembley
Donnarumma explica por que comemorou de maneira tão fria: “Eu não tinha entendido que havíamos vencido”

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo