França

Posição não era prioridade, mas PSG encontra em Donnarumma um goleiro potencialmente para muitos anos

O clube francês não resistiu à oportunidade de contratar um goleiro tão bom, tão jovem e que estava sem contrato após sua saída do Milan

Achraf Hakimi, Georgiinio Wijnaldum, Sergio Ramos e agora Gianluigi Donnarumma. Confirmando o que era certo há semanas, o Paris Saint-Germain oficializou nesta quarta-feira a contratação do goleiro de 22 anos, recentemente coroado herói da Itália com as defesas decisivas na disputa dos pênaltis da final da Eurocopa, e que estava sem contrato após a sua saída do Milan.

LEIA MAIS: Donnarumma explica por que comemorou de maneira tão fria: “Eu não tinha entendido que havíamos vencido”

O gol não era uma prioridade do Paris Saint-Germain, que conta com o tricampeão europeu Keylor Navas ainda em boa idade (34 anos) para mais algumas temporadas, mas era também difícil deixar passar a chance de contratar, sem custos de transferência, um goleiro para a próxima década da qualidade de Donnarumma.

De qualquer maneira, Novas, que teve que lidar com intermináveis especulações no Real Madrid mesmo fechando o gol em títulos consecutivos da Champions League até Courtois finalmente ser contratado para o seu lugar, encontra-se mais uma vez na situação de ser deixado de lado.

Tem mais três anos de contrato com os parisienses e pode tanto ficar para aquela tradicional rotação em que um goleiro joga o Campeonato Francês e outro as copas e a Champions League, ou buscar novos ares porque é uma opção de qualidade para quem precisar de goleiro. Em médio e longo prazo, porém, a posição muito provavelmente será de Donnarumma.

É fácil falar isso esta semana, logo depois de ele ser eleito o craque da Eurocopa, mas Donnarumma é um talento único. Com apenas 22 anos, já soma seis temporadas por um dos maiores clubes do mundo. Quando menos jogou na Serie A, em seu ano de estreia, entrou em campo 30 vezes. Nas outras cinco edições, variou entre 36 e 38 rodadas. Com Liga Europa e Copa Itália, chega a 251 partidas pelo Milan.

Raro não apenas nos dias de hoje, como na história do futebol, encontrar um jogador tão jovem com tanta experiência em alto nível – ele também soma 33 jogos pela seleção italiana. Claro que há uma lacuna em seu currículo. Como defendeu um gigante em baixa, nunca disputou um jogo sequer de Champions League, o principal objetivo do Paris Saint-Germain.

Não será um problema na prática porque Donnarumma acabou de provar que corresponde nas grandes ocasiões, e o PSG também recheou o seu elenco com muita casca de Champions League em outras posições. Além dos jogadores que colecionaram as cicatrizes dos últimos fracassos, trouxe Sergio Ramos e Wijnaldum, líderes de duas equipes que conquistaram a Orelhuda em temporadas recentes.

Preencheu lacunas nas laterais, com Hakimi, capaz de atuar nos dois lados e após ótima temporada pela campeã italiana Internazionale, no meio-campo e na defesa. Faz um alto investimento, mesmo que muitos desses reforços tenham chegado sem custos de transferência (considerando salário e luvas), e está indubitavelmente mais forte para tentar a inédita conquista da Champions League.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo