Eurocopa 2024

Classificação deprimente da Bélgica pode marcar fim da ‘geração de ouro’ que nunca ganhou nada

Empate por 0 a 0 contra a Ucrânia garantiu vaga, mas belgas terão vida muito difícil contra a favorita França

Ucrânia e Bélgica empataram por 0 a 0 no último jogo da primeira fase do Grupo E da Eurocopa. O resultado, apesar de ruim e perigoso para os belgas, garantiu a classificação da equipe para a próxima fase.

Porém, nas oitavas de final, o time enfrenta a toda poderosa França, que não teve vida fácil no Grupo D, mas chega como franca favorita para o duelo. Favoritismo esse que diz muito mais sobre a Bélgica, e o seu fraco rendimento, do que sobre a França.

A ‘geração de ouro’ belga que nunca venceu nada pode ter um fim melancólico

Na última década, tudo que se falava de Bélgica vinha acompanhado por uma grande expectativa na boa geração de jogadores individuais que surgiu no país. Nomes que, por muitos anos, fizeram – e ainda fazem – parte dos grandes clubes europeus. Alguns deles como protagonistas.

O primeiro nome que vem a mente, claro, é o do meio campista Kevin de Bruyne, uma das principais estrelas do Manchester City e dessa geração dourada belga. Porém, de cabeça, não é difícil lembrar de nomes marcantes como o goleiro Courtois, os zagueiros Vertonghen e Kompany, o meio-campista Eden Hazard, e os atacantes Dries Mertens e Lukaku.

De 2014 para cá, a seleção belga passou a figurar entre os prováveis favoritos nas competições europeias e internacionais, após ficar duas edições fora da Copa do Mundo e outras três da Eurocopa. Nesse período de favoritismo, a geração dourada chegou no seu auge.

Nas quartas de final da Copa de 2014, os belgas eliminaram a Seleção Brasileira em um jogo que ainda teve um pênalti não marcado em Gabriel Jesus na segunda etapa. Na fase seguinte, foram eliminados pela França – que terminou como campeã da edição – e ficaram com o terceiro lugar contra a Inglaterra.

Mas, na Copa seguinte, em 2022, decepcionou e caiu ainda na primeira fase. Ali, a seleção, que chegou a liderar o ranking da FIFA por três anos, já dava indícios de que a sua super geração estava próxima do fim. Mas, se olharmos para o que a Bélgica fez na Eurocopa, esse “ouro” da geração nunca esteve nem próximo de acontecer.

Em 2016, depois 12 anos fora da disputa, a Bélgica voltou à competição europeia. Se classificou na segunda colocação, mas caiu ainda nas quartas para o modesto País de Gales, que em tinha em Gareth Bale sua única esperança. Na edição seguinte, em 2020, caiu nas quartas de final para uma das seleções italianas mais fracas dos últimos anos.

No jogo desta quarta-feira (26), ao menos quatro dos jogadores dessa era dourada estiveram em campo no empate murcho contra a Ucrânia. E um lance, ainda no primeiro tempo, é a cara do fim deste ciclo. O atacante Lukaku perdeu um gol incrível cara a cara com o goleiro, que daria a liderança para os belgas, além de um adversário muito mais acessível nas oitavas da Euro. Em outros tempos, essa bola no pé esquerdo do camisa 10 – que é 9 -, era praticamente gol.

O medo da eliminação fez a Bélgica aceitar encarar a favorita França

Quando a Bélgica entrou para o último jogo embolado Grupo E, tinha três opções: voltar para casa mais cedo, vencer e terminar como líder, ou ter que encarar a França, principal favorita e seleção a ser batida na Europa.

O que pareceu, nos poucos mais de 90 minutos de bola rolando, foi o medo de ser eliminado tomar conta dos belgas, que não produziram o suficiente para vencer a Ucrânia. E quando produziu, ainda no primeiro tempo, viu a sua principal referência de gols pipocar na frente do goleiro ucraniano.

Os belgas até tiveram mais posse de bola que os ucranianos, mas chutou apenas quatro vezes ao gol de Anatoliy Trubin, goleiro do Benfica, e nenhuma delas com algum perigo real. E nos últimos minutos de jogo, já que não conseguia vencer a defesa adversária, a Bélgica desistiu de atacar e se preocupou apenas em não tomar gol para evitar uma eliminação precoce.

A classificação ainda chegou depois de um toque de sorte. Todas as quatro seleções terminaram a primeira fase da Eurocopa empatadas com quatro pontos cada (1 vitória, 1 derrota e 1 empata) e o que garantiu a classificação de Romênia e Bélgica foi o saldo de gols.

Contra a França, a Bélgica vai ter que o que não fez em uma década da “geração de ouro” e surpreender se quiser eliminar a melhor seleção europeia dos últimos anos.

Foto de Márcio Júnior

Márcio JúniorRedator de esportes

Baiano formado pela Faculdade Regional da Bahia. Cobriu de carnaval a Copa do Mundo na TVE Bahia, onde venceu o prêmio de reportagem do mês. Passou pela ALBA, Rádio Educadora, Superesportes e Quinto Quarto antes de se tornar repórter na Trivela.
Botão Voltar ao topo