Brasil

Palmeiras da dupla ‘Endrick e Leila’ é o grande vencedor da Data-Fifa até o momento

Camisa 9 e presidente do Palmeiras colocaram Palmeiras em evidência na semana sem jogos

Não houve jogos entre clubes no Brasil na última semana. Mas o Palmeiras, sem dúvida, foi o grande vencedor dos primeiros seis dias da Data-Fifa iniciada no último dia 18.

Embalado por vitória políticas, pelo posicionamento acertado da sua presidente Leila Pereira e por Endrick, que deixou sua marca dentro e fora de campo com a Seleção Brasileira, o Palmeiras conquistou muito pontos para sua imagem institucional sem entrar em campo. Por falar em “campo”, a primeira vitória do Palmeiras tem relação com o termo.

Allianz Parque liberado e jogo no dia 28

No dia 18, sob os olhos da cúpula do futebol alviverde, o time sub-20 treinou pela primeira vez no “novo campo” do Allianz Parque.

Com um mês de atraso em relação à primeira data prometida ao Palmeiras, a Real Arenas/WTorre enfim concluiu a reforma do gramado, instalando cortiça no lugar do composto termoplástico que fazia o amortecimento no campo.

No dia seguinte, após inspeção, a Federação Paulista de Futebol liberou o local da interdição imposta em 2 de fevereiro. No dia 20, no congresso técnico da semifinal do Paulista, o Allianz Parque foi apontado como local da disputa com o Novorizontino.

Mas a escolha do estádio não foi a única vitória verde. A data do jogo, no dia 28, quinta-feira, também favoreceu e era o desejo do Palmeiras.

O time poderá contar com Murilo e Endrick, que voltarão no jato da presidente Leila Pereira, chefe da delegação e da seleção brasileira da qual ambos fazem parte, após Espanha x Brasil. Richard Ríos, da seleção colombiana, também estará em Madri e virá da Europa com os colegas.

Leila deu significado a cargo fictício

A nomeação de Leila Pereira para a chefia da delegação brasileira na excursão de estreia do técnico Dorival Júnior foi histórica desde seu princípio. Foi, afinal, a primeira vez que uma mulher ocupou tal cargo.

Para além do ineditismo, Leila ainda fez questão de conferir utilidade a uma posição que é pouco mais que figurativa. No dia 21, a dirigente fez questão de se posicionar sobre as prisões de Robinho e Daniel Alves por estupro, ao UOL.

“Ninguém fala nada, mas eu, como mulher aqui na chefia da delegação da Seleção Brasileira, tenho que me posicionar sobre os casos de Robinho e Daniel Alves. Isso é um tapa na cara de todas nós mulheres, especialmente o caso do Daniel Alves, que pagou pela liberdade. Acho importante eu me posicionar. Cada caso de impunidade é a semente do crime seguinte”, disse a dirigente, jogando luz sobre o absurdo que se anunciava.

Não é possível mensurar o quanto o discurso de Leila interferiu, mas Neymar Pai, ao contrário do que foi amplamente noticiado, não pagou a fiança de 1 milhão de Euros que a Justiça Espanhola queria para dar liberdade provisória a Dani Alves.

Vale sempre lembrar que foi a fortuna da família Neymar que pagou a indenização de R$ 150 mil Euros (R$ 810 mil) à vítima de Alves que atenuou sua pena.

Endrick joga pouco e joga muito

É, ao mesmo tempo, difícil e fácil falar sobre Endrick. Fácil porque o jogador de 17 anos não para de oferecer façanhas a serem registradas pelos jornalistas. Mas a tarefa de escapar de exageros, ufanismo e certa pieguice ao falar delas não é tarefa das mais simples.

No X, mais de um post aponta a mesma questão: toda foto de Endrick parece épica. Desde a primeira, com a camisa da seleção, com a seleção sub-17, após a conquista do torneio de Montaigu (2022), uma infinidade de retratos dele parecem prontos para a eternidade.

Brazil's Endrick (left) celebrates scoring the opening goal of the game during the international friendly match at Wembley Stadium, London. Picture date: Saturday March 23, 2024. – Photo by Icon Sport

Foram pouco mais de dez minutos na bola no último sábado (23) em Wembley. Que bastaram para o atleta do Palmeiras fazer seu primeiro gol pela seleção adulta, se tornar o quarto brasileiro mais jovem a anotar pela equipe nacional e o jogador de futebol masculino com menos a idade a marcar em um jogo de seleção no lendário campo inglês – além de garantir a vitória por 1 a 0 sobre a Inglaterra.

O feito de Endrick, é claro, correu o mundo. E embora já esteja com contrato acertado com o Real Madrid, em todas as reportagens que circularam, está a informação de que os merengues foram buscá-lo no Palmeiras, onde ele se formou.

Ao longo das muitas entrevistas que concedeu, Endrick mostrou que, mesmo garoto, já sabe bem o peso do seu feito em Wembley. O atacante revelou que é fã de sir Bobby Charlton, lendário atacante do Manchester United e da seleção inglesa, campeão da Copa do Mundo de 1966 ali mesmo naquele estádio. Tudo começou com uma pesquisa sobre Ferenc Puskás. Depois, o brasileiro começou a usar Charlton em seu time no vídeo game.

– Eu sempre via algumas coisas do passado. Fui procurar um pouco do Puskàs e pude ver ele. E depois que ele foi lançado no Fifa, a primeira coisa que fiz foi comprar ele para o meu time. Depois, fui procurar um pouco mais a história dele. Infelizmente ele faleceu. Eu fico lisonjeado de jogar nesse estádio, onde ele é ídolo e pôde fazer gol – disse Endrick.

Pela menção a Charlton, Endrick foi parar nas redes sociais oficiais do Manchester United.

Em negociações com fornecedores de material esportivo, muito se fala em internacionalização de marca. Mas não há camisa pendurada em loja que faça bem maior à imagem institucional de um clube de futebol do que formar um jogador como Endrick.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo