Brasil

Fluminense avalia trabalho, mas acredita em mudanças com Fernando Diniz

Diretoria não vê técnico como único culpado pelo mau momento, e ainda crê em evolução sob seu comando

O Fluminense está em péssimo momento em 2024. A equipe tem seu pior início de Campeonato Brasileiro na era dos pontos corridos, mas Fernando Diniz não será demitido. Ao menos não agora.

A Trivela apurou que a diretoria avalia o trabalho e sabe que o Tricolor precisa melhorar rápido. Com apenas seis pontos em 10 jogos, o time não tem o tempo que gostaria para corrigir os problemas. Por isso, espera — e acredita — que mudanças aconteçam.

Fluminense vê evolução mesmo com derrota para o Cruzeiro

A derrota para o Cruzeiro não é vista como parâmetro para avaliar Fernando Diniz. Além dos muitos desfalques, a avaliação é que o Fluminense jogou melhor e que resgatou boas coisas do trabalho. O problema é o clássico contra o Flamengo.

Mais do que o resultado, a diretoria avalia o desempenho da equipe. Em alguns jogos, até mesmo a comissão técnica concorda que o time foi mal. Mas outras partidas são vistas como deslizes no percurso.

Há um consenso que o 2024 é aquém do esperado. Mas o grupo, montado para o estilo de Fernando Diniz, não é nada convencional. Uma mudança precisaria ser mais profunda do que a troca de treinadores, o que não é nem praxe no Fluminense.

Uma derrota no Fla-Flu, com placar elástico, por exemplo, pode dar fim ao trabalho. Mas o martelo ainda não foi batido.

Mário Bittencourt só demitiu três treinadores no Fluminense

O presidente Mário Bittencourt não é adepto de demissões de treinadores. Desde que assumiu o clube em 2019, ele só fez isso três vezes.

Fernando Diniz foi o primeiro. Motivado por rusgas com o então vice de futebol Celso Barros, ainda no início da gestão, Mário o demitiu em agosto de 2019, na 15ª rodada. Logo depois, seu substituto, Oswaldo de Oliveira, foi o segundo, com apenas 38 dias de trabalho.

Mário Bittencourt renovou o contrato de Fernando Diniz até o fim de 2025 - Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC
Mário Bittencourt renovou o contrato de Fernando Diniz até o fim de 2025 – Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC

Apenas uma demissão foi feita após a ruptura com Barros: o técnico Roger Machado caiu em agosto de 2021 por conta de eliminação na Libertadores e maus resultados.

As outras mudanças no comando técnico foram por demissão, como Abel Braga, em 2022, ou proposta, com Odair Hellmann, em 2020. De toda forma, uma mudança de rumos não está descartada.

Diretoria mantém confiança em Diniz, e elenco dá respaldo

A Trivela já revelara na última semana que as lideranças do elenco apoiam Fernando Diniz. O respaldo do grupo é mais um motivo para a diretoria manter a confiança no treinador.

Também por isso, o entendimento interno de que uma mudança no comando não facilitará a evolução do quadro. E uma demissão de Diniz, por outro lado, pode acelerar a saída de jogadores como André, Jhon Arias e até John Kennedy.

Jogadores também estão sob pressão no Fluminense

Os jogadores também estão sendo bastante avaliados pela má fase. Dessa forma, cresce no clube a insatisfação de alguns deles com improvisações e discursos de Fernando Diniz. Mas, no geral, o grupo confia no treinador e acredita, também, que é mais fácil sair dessa situação com ele do que sem ele.

Não é só a comissão técnica que está sendo avaliada. Por isso, o elenco sofrerá mudanças durante a janela de transferências. Em consequência, alguns jogadores podem deixar o clube. A diretoria, por outro lado, avalia que a culpa pelo mau momento não é apenas do comando técnico.

Como está o Fluminense em 2024

Próximos jogos do Fluminense

Veja os próximos confrontos do Fluminense na continuação da temporada:

  • Fluminense x Flamengo — Campeonato Brasileiro — domingo, 23 de junho — 16h (de Brasília);
  • Fluminense x Vitória — Campeonato Brasileiro — quinta, 27 de junho — 19h (de Brasília).
Foto de Caio Blois

Caio Blois

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo