Copa do Brasil

O retorno do Urso: John Kennedy volta a marcar e Fluminense avança na Copa do Brasil

Camisa 9 balança as redes pela primeira vez após afastamento por indisciplina, e Tricolor carimba vaga para oitavas de final da Copa do Brasil

O Fluminense cumpriu seu papel, venceu o Sampaio Corrêa por 2 a 0 e se classificou na Copa do Brasil. O jogo em ritmo lento foi praticamente um treino de luxo para o time de Fernando Diniz, que tomou alguns sustos no primeiro tempo, mas foi largamente superior que o fraco adversário. Arias e John Kennedy marcaram os gols da vitória no Maracanã.

Fluminense aproveita superioridade e abre o placar cedo

Antes mesmo de a bola rolar, o jogo no Maracanã mais parecia um treino de luxo que qualquer outra coisa. O horário das 19h e a vantagem conquistada pelo Fluminense na partida de ida faziam o estádio estar mais vazio que de costume.

Quando Edina Alves Batista apitou pela primeira vez em campo, a partida tinha ritmo lento. Mesmo assim, o Flu aproveitou a vasta superioridade técnica e não demorou a abrir o placar. Aos 19, Ganso recebeu de Martinelli do lado esquerdo da área e passou para Arias, sozinho, mandar para as redes, com grande contribuição do veterano Felipe.

O Tricolor ocupou mais o campo de ataque, reteve a posse de bola e criou bastante jogadas de ataque, mas não finalizou muito. Foram apenas seis no primeiro tempo, sendo dois na direção do gol, mesmo número que os adversários.

Fluminense toma sustos na defesa contra time de Série C

Analisar um jogo com uma diferença técnica tão grande é mais difícil do que parece. Por um lado, o Fluminense teve claro domínio das ações ofensivas, com mais posse de bola, chances de gol e lances de perigo. De outro, o Sampaio Corrêa deu mais sustos do que o time de Fernando Diniz deveria esperar.

Na 16ª colocação da Série C, a terceira divisão do futebol brasileiro, o time maranhense conseguiu explorar pontos fracos do Flu. O sinal de alerta não deve ser ignorado. Nos contra-ataques após erros bobos no meio-campo ou nas bolas longas explorando a lentidão de Marcelo e Felipe Melo, o Sampaio Corrêa levou perigo ao Tricolor no Maracanã.

Aos 13, João Felipe chegou a balançar as redes de Fábio, vendido no lance. A assistente Neuza Inês Back, entretanto, assinalou impedimento em campo, e o VAR confirmou a decisão. Na sequência, a Bolívia Querida ainda explorou a defesa mais três vezes, o que gerou certa chiadeira nas arquibancadas.

Fluminense volta lento na segunda etapa

O jogo voltou em ritmo ainda mais lento para a segunda etapa. Em vantagem no placar, o Fluminense passou a tocar mais a bola e arriscar menos no ataque, mesmo com a impaciência de Fernando Diniz na área técnica.

Descontente com a atuação, o técnico mexeu aos 18 minutos. Saíram Alexsander e Keno, entraram Renato Augusto e John Kennedy. A mudança deu novo gás ao time, que passou a ter mais poder de fogo e ocupar o ataque com mais jogadores.

Arias perde pênalti, mas John Kennedy aumenta para o Fluminense

Passados alguns minutos e mais insistente no ataque, o Fluminense teve grande chance de aumentar o placar aos 30. Ganso lançou Arias na área, o colombiano adiantou e foi derrubado. Pênalti assinalado em campo por Edina e confirmado pelo VAR.

Na cobrança, entretanto, Arias parou em Felipe. Foi o primeiro pênalti perdido pelo colombiano com a camisa do Fluminense. A torcida, por outro lado, saiu em defesa de seu xodó. A bola foi para o escanteio, e as arquibancadas passaram a cantar seu nome, em sinal de apoio. Funcionou.

O Flu montou uma blitz na área maranhense e no minuto seguinte, Renato Augusto parou em Felipe. No rebote, Cano chutou travado e a bola sobrou para John Kennedy, que cumprimentou para as redes. O camisa 9 marcou pela primeira vez desde o afastamento por indisciplina em abril. Em 2024, ele tem dois gols pelo Fluminense.

Felipe Melo completa 100 jogos e é homenageado

A noite também foi marcante para Felipe Melo. O capitão completou 100 jogos pelo Fluminense, e recebeu homenagem no Maracanã e nas redes sociais. De família tricolor, o veterano de 40 anos se emocionou ao ser substituído por Gabriel Pires no segundo tempo, e beijou o escudo do Flu.

Um vídeo especial foi mostrado nos telões do Maracanã com momentos marcantes da passagem do jogador pelo clube. Felipe tem contrato até o fim do ano e encerrará sua carreira pelo Fluminense.

Foto de Caio Blois

Caio Blois

Caio Blois nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e se formou em Jornalismo na UFRJ em 2017. É pós-graduado em Comunicação e cursa mestrado em Gestão do Desporto na Universidade de Lisboa. Antes de escrever para Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo